RETÓRICA DA "POBREZA LINDA" ABRIU CAMINHO PARA A EXTREMA-DIREITA


Durante mais de dez anos, entre 2003 e 2014, prevaleceu um discurso pretensioso.

Vindo de intelectuais culturais dotados de muita visibilidade e prestígio, esse discurso, embora de aparência generosa, expressava um perverso preconceito social.

Aliás, todos esses intelectuais vinham com a falácia do "combate ao preconceito".

Eram só eles, não havia um contraponto nesse "debate" que mais parecia um monólogo.

A burocracia acadêmica fez sua parte, barrou do caminho da pós-graduação gente que poderia ter uma visão mais crítica da pobreza brasileira.

Paciência. Era a burocracia acadêmica que, no âmbito nacional, era "governada" pelo lobby intelectual do PSDB na Universidade de São Paulo (USP).

Daí que intelectuais do nível de Umberto Eco e Guy Debord, que poderiam analisar, no Brasil, a chamada "cultura de massa", foram banidos do mercado da visibilidade intelectual.

E o que tivemos?

Tivemos os porta-vozes da mídia venal que atuaram como free lancers para difundir sua visão de "cultura popular" na mídia progressista, de esquerda.

A ideia era castrar o debate cultural e deixar a pobreza como está.

Os intelectuais "bacanas" usavam a desculpa do "combate ao preconceito" para fazer prevalecer suas visões.

Promoviam uma pobreza espetacularizada tomando emprestado de seu nunca assumido guru, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o termo "periferia".

E aí, o que fizeram?

Defenderam a permanência de valores da pobreza como se fosse lindo ser pobre.

Valores de degradação sócio-cultural eram vistos como "simbologia positiva das periferias".

Isso manchou as esquerdas, que aceitaram as falácias da intelectualidade infiltrada, vinda dos porões ideológicos do PSDB, da Folha de São Paulo e respaldados até por Globo, Veja e Caras.

E diante do estigma esquerdista de que "pobre tem que ficar na pobreza", as seitas religiosas preencheram a lacuna das esquerdas, desmoralizadas.

E criaram ambientes para a adesão dos novos pobres à extrema-direita.

Sindicatos ocupados em arrecadar dinheiro e fazer parcerias com ídolos musicais popularescos em festas trabalhistas.

Governantes esquerdistas preocupados em enfiar bregas decadentes em viradas culturais que depois viram (olha o trocadilho) trampolim para a mídia venal.

Acadêmicos que "etnicizam" os "sucessos do povão" das rádios "populares", mas oligárquicas, preferiram o entretenimento e o consumismo a melhoria da vida das classes populares.

Houve inclusão sem desenvolvimento social.

Apenas se forçou a aceitação das classes pobres pela classe média.

Aceitou-se, no entanto, uma imagem que já nascia preconceituosa e caricatural, daí ter sido hipócrita o pretexto de "combate ao preconceito".

Os intelectuais "bacanas" fizeram apologia da degradação sócio-cultural, se infiltraram nas esquerdas para forçar o vínculo e correram fora.

Daqui a pouco, aquele "bom esquerdista" que queria um Brasil brega vai fazer as pazes com Roger Rocha Moreira, Eliane Cantanhede etc e mostrar o elitista que é.

Mas aí será tarde demais.

Os pobres, desconfiados das esquerdas que amavam mais a pobreza do que os pobres, foram para o caminho perigoso de apoiar fascistas.

Sobretudo no Sul e Sudeste em que há muito pobre lambedor de gravatas.

Reportagem do El País fala sobre os novos pobres desiludidos com o esquerdismo.

É uma situação terrível em que forças autoritárias aproveitam a catarse coletiva para promoverem seu obscurantismo político.

E isso, num Brasil em que se liberou geral para as pessoas serem racistas, machistas, homofóbicos, misóginos, valentões, elitistas, entreguistas etc, isso é muito perigoso.

Tudo isso porque um bando de intelectuais falou que era "lindo ser pobre".

Em 1964, a "pobreza linda", embora longe do ideário brega dos últimos anos, provocou o isolamento social dos pobres que viram no crime organizado sua solução.

A raiz do "Estado paralelo" do tráfico e das milícias veio depois, a partir dos anos 1970.

Quem vai "salvar" os pobres diante da catarse reacionária em andamento não se sabe.

O que se sabe é que, mais uma vez, a falácia da "pobreza linda" fracassou.

Comentários