Pular para o conteúdo principal

PRISÃO DE EIKE BATISTA É AVISO PARA A PLUTOCRACIA


A plutocracia parece se esquecer que apoiou Eike Batista, empresário preso ao desembarcar no Brasil, acusado de participar de esquema de propina do ex-governador fluminense Sérgio Cabral Filho.

A Veja o tratava como se fosse o modelo de empresário a ser seguido no Brasil.

"(Eike) trabalha muito, compete honestamente, orgulha-se de gerar empregos e não se envergonha da riqueza", descreveu uma reportagem da revista da Editora Abril, tempos atrás.

O então colunista da Folha de São Paulo, Sérgio Malgebier, também cortejou Eike, elogiando seu perfil "destemido" que, "quem sabe", o transformaria em futuro presidente do Brasil.

A revista Caras também acariciou muito o empresário, sobretudo quando era marido de Luma de Oliveira.

No auge, Eike também apareceu ao lado dos amigos Luciano Huck e Aécio Neves.

Também foi entrevistado pelo então apresentador de TV, João Dória Jr., hoje prefeito de São Paulo que, a pretexto de combater a poluição visual, reprime o trabalho de grafiteiros e pinta a capital paulista de cinza.

Eike Batista era o símbolo de um Brasil plutocrático.

EIKE BATISTA ASSISTE A UM EVENTO DE MODA COM AÉCIO NEVES E LUCIANO HUCK.

Além disso, o empresário fez parte da lista da Forbes, chegando a ser, há cinco anos, o 7º colocado na lista dos brasileiros mais ricos.

Na lista mais recente, o empresário João Roberto Marinho, empresário que controla as Organizações Globo, aparece em 6ª colocação, empatado com os irmãos José Roberto e Roberto Iirneu, com quem compartilha o famoso empreendimento.

A fortuna de Eike, em 2012, era avaliada em R$ 30 bilhões. Os três irmãos "globais", juntos, têm hoje uma fortuna avaliada em R$ 41,8 bilhões.

Mas hoje Eike atingiu o inferno astral de um declínio marcado por escândalos financeiros diversos.

Já era procurado pela Interpol, estava em Nova York, e, ao desembarcar no Rio de Janeiro, foi detido e levado para o presídio Ary Franco.

Raspou a cabeça e, careca, começou sua vida de prisioneiro.

Isso pode ser tendencioso, afinal a plutocracia do Rio de Janeiro teve um "casamento por conveniência" com o governo Lula.

Mas hoje também houve a homologação das delações da Odebrecht, que citam a "nata" que está em torno do governo Michel Temer.

Há alguns tucanos envolvidos.

Por outro lado, a Internet mostra manifestos de indignação contra os brasileiros mais ricos da lista da Forbes.

Principalmente quanto ao poder descomunal da Globo, cujos donos sonegam impostos e ainda recebem generosas verbas públicas do Estado.

O Brasil continua inseguro, mas também não está fácil para os plutocratas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…