PRISÃO DE EIKE BATISTA É AVISO PARA A PLUTOCRACIA


A plutocracia parece se esquecer que apoiou Eike Batista, empresário preso ao desembarcar no Brasil, acusado de participar de esquema de propina do ex-governador fluminense Sérgio Cabral Filho.

A Veja o tratava como se fosse o modelo de empresário a ser seguido no Brasil.

"(Eike) trabalha muito, compete honestamente, orgulha-se de gerar empregos e não se envergonha da riqueza", descreveu uma reportagem da revista da Editora Abril, tempos atrás.

O então colunista da Folha de São Paulo, Sérgio Malgebier, também cortejou Eike, elogiando seu perfil "destemido" que, "quem sabe", o transformaria em futuro presidente do Brasil.

A revista Caras também acariciou muito o empresário, sobretudo quando era marido de Luma de Oliveira.

No auge, Eike também apareceu ao lado dos amigos Luciano Huck e Aécio Neves.

Também foi entrevistado pelo então apresentador de TV, João Dória Jr., hoje prefeito de São Paulo que, a pretexto de combater a poluição visual, reprime o trabalho de grafiteiros e pinta a capital paulista de cinza.

Eike Batista era o símbolo de um Brasil plutocrático.

EIKE BATISTA ASSISTE A UM EVENTO DE MODA COM AÉCIO NEVES E LUCIANO HUCK.

Além disso, o empresário fez parte da lista da Forbes, chegando a ser, há cinco anos, o 7º colocado na lista dos brasileiros mais ricos.

Na lista mais recente, o empresário João Roberto Marinho, empresário que controla as Organizações Globo, aparece em 6ª colocação, empatado com os irmãos José Roberto e Roberto Iirneu, com quem compartilha o famoso empreendimento.

A fortuna de Eike, em 2012, era avaliada em R$ 30 bilhões. Os três irmãos "globais", juntos, têm hoje uma fortuna avaliada em R$ 41,8 bilhões.

Mas hoje Eike atingiu o inferno astral de um declínio marcado por escândalos financeiros diversos.

Já era procurado pela Interpol, estava em Nova York, e, ao desembarcar no Rio de Janeiro, foi detido e levado para o presídio Ary Franco.

Raspou a cabeça e, careca, começou sua vida de prisioneiro.

Isso pode ser tendencioso, afinal a plutocracia do Rio de Janeiro teve um "casamento por conveniência" com o governo Lula.

Mas hoje também houve a homologação das delações da Odebrecht, que citam a "nata" que está em torno do governo Michel Temer.

Há alguns tucanos envolvidos.

Por outro lado, a Internet mostra manifestos de indignação contra os brasileiros mais ricos da lista da Forbes.

Principalmente quanto ao poder descomunal da Globo, cujos donos sonegam impostos e ainda recebem generosas verbas públicas do Estado.

O Brasil continua inseguro, mas também não está fácil para os plutocratas.

Comentários