Pular para o conteúdo principal

O "ACIDENTE PAVOROSO" QUE ABALA O GOVERNO MICHEL TEMER


Não fosse suficiente a chacina ocorrida no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, anteontem, tragédia semelhante ocorreu no presídio de Boa Vista.

Aos 56 mortos encontrados no presídio da capital amazonense, somaram-se 31 na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, na zona rural de Roraima.

São confrontos abertos, que fazem com que estes presídios se tornem praticamente "hotéis" de criminosos.

O sistema prisional precisa ser revisto e o modelo privado tornou-se falido.

Há também muitos outros problemas. O próprio sistema prisional mais parece uma "indústria de prisões", indiferente a situações dramáticas como os presídios superlotados.

Como se não bastasse a "cultura da violência" que os noticiários policialescos, sob o pretexto de "mostrar a realidade", semeiam nas classes populares, já carentes de valores de cidadania.

E há a questão dos presos provisórios, que se tornam "efetivos" pela burocracia e pelos custos financeiros.

Também não houve trabalhos preventivos de tamanhas tensões.

O "valente" ministro da Justiça do governo temeroso, Alexandre de Moraes, recusou-se a intervir no presídio de Roraima, no ano passado, quando foi revelado clima de tensão entre os detentos.

Naquela época, uma rebelião matou dez detentos e o ministro temeroso não quis mandar a Força Nacional para evitar agravamento.

A governadora de Roraima, Suely Campos, pediu a ajuda em caráter de URGÊNCIA. Mesmo assim, Alexandre de Moraes disse não.

No Maranhão, também houve mortes no presídio de Pedrinhas, em São Luís, no ano passado.

Quem vive na vizinhança desses presídios vive com medo. Difícil conseguir dormir nesses lugares, só sendo possível tendo uma paciência de monge budista.

Tais episódios só agravam a coleção chocante de crises do governo Michel Temer.

Temer definiu a tragédia de Manaus como um "acidente pavoroso".

Denominação infeliz. Não se pode definir isso como "acidente" se as condições para tais confrontos são muito conhecidas, mas tão longamente ignoradas.

Mas também agravam a crise de todo um sistema de valores que vem desde os anos 1970.

Uma sociedade moralista, punitiva, financista, burocrática, que deveria ter ficado obsoleta mas que voltou com toda a força. Força de barra, tentando voltar o relógio para trás.

É esse o contexto do corte de gastos públicos, das reformas trabalhista e previdenciária que farão os trabalhadores serem mais explorados e menos remunerados.

Parece que o Brasil chegou ao ponto da tal panela de pressão que promete explodir de vez este ano.

Forçar a prevalência de paradigmas que não correspondem mais às demandas sociais atuais é impulso para as convulsões sociais de todos os lados, de ricos contra pobres e pobres contra ricos.

Os presídios são apenas um dos panos de fundo mais dramáticos dessa tragédia toda.

Uma lição amarga para um Brasil que se aprisiona a velhos paradigmas que a sociedade conservadora insiste em considerar modernos ou atemporais, mas são muito retrógrados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…