Pular para o conteúdo principal

FIM DA MPB FM DESGASTA RÁDIO CARIOCA E FORTALECE POPULARESCOS


O fim brusco da MPB FM abalou, no pior sentido, o já desgastado rádio carioca.

No seu lugar entrou uma clone da Band News Fluminense FM, uma rádio que, nos 94,9 mhz, nunca teve grande audiência.

Em 12 anos de existência, a rádio noticiosa sempre viveu em traços de audiência.

Só Ricardo Boechat emplacava no Ibope, mesmo assim com no máximo um terço da audiência que o âncora recebe no Jornal da Band.

A Band News Fluminense só emplacava no DataUmbigo de certos internautas nas redes sociais.

DataUmbigo é quando alguém fala: "a rádio tem boa audiência porque eu sintonizo ela".

Vem um cara dizer isso e meia-dúzia de amigos fazendo apoio em comentários previamente combinados.

Mas nem o DataUmbigo salvou a Super Rádio Tupi, não enche bolso de anunciante e nem evita passaralho (demissão em massa) de emissora de rádio.

Enquanto a turma do DataUmbigo dizia que a Tupi tinha "zerentos mil ouvintes", a emissora ficava tão mal que chegou a ficar sem locutor em alguns horários.

A Band News Fluminense nunca saiu dos índices de audiência comparáveis aos da antiga Fluminense FM nos seus momentos agonizantes.

A dupla sintonia, que "queima" muita emissora de rádio e indica manobras de superfaturamento das emissoras, só deixará a Band News num índice ainda anoréxico de audiência.

A dupla sintonia em rádio, seja "AM+FM" ou "FM+FM", é um truque usado pelos empresários de rádio para garantir superfaturamento.

São rádios que trabalham como uma só e recebem como duas, porque têm registros diferentes. Se a sintonia for tripla ("AM+FM+FM" ou "FM+FM+FM"), a rádio recebe por três.

E tudo geralmente vai para os bolsos dos donos ou dos radialistas mais badalados.

E não garante audiência. Boa parte do desgaste da Tupi foi por causa da armação do "AM+FM".

O desgaste do rádio carioca, aliás, é tão generalizado que está em plena sintonia do desgaste generalizado que vive o Rio de Janeiro.

E isso cria situações surreais, como órfãos da Fluminense FM achando a Rádio Cidade uma "boa rádio rock", mesmo com programas nada roqueiros de namoro e besteirol esportivo.

Tinha que dar errado.

E agora temos a MPB FM fora do ar, sem outro espaço que a substitua.

As rádios de pop adulto, em tese, poderiam reduzir o número de músicas estrangeiras e aumentar o de brasileiras.

Já emissoras como FM O Dia poderiam mudar o perfil, tirando os nomes brega-popularescos aos poucos e colocar emepebistas no lugar.

Mas fica complicado, diante do lobby que o brega-popularesco tem na mídia e no mercado.

A FM O Dia irá tocar as canastrices musicais de Alexandre Pires, Chitãozinho & Xororó, Belo, Daniel e outros, neo-bregas dos anos 90 que viraram fantoches de luxo de arranjadores de MPB.

Esses "emepebistas-biônicos" também não preencherão a lacuna da MPB que aparecia nos 90,3 mhz.

Na boa, é mais fácil um narrador de futebol gravar um bom disco de MPB do que um funqueiro ou um neo-brega dos anos 90.

Mas como o Brasil está em séria crise política, e o Estado do Rio de Janeiro leva isso às últimas consequências, a MPB autêntica tinha que perder espaço no rádio, num contexto destes.

Isso favorece a expansão do brega-popularesco, ritmo que já exerce influência totalitária na juventude brasileira.

A mesma MPB que empolgava os jovens dos anos 1960 é vista como "chata" pela juventude atual, a "geração MBL" (Movimento Brega Legal?).

O fim da MPB também é culpa dos próprios executivos de rádio.

Eles nunca se interessaram em expandir o segmento rádio de MPB autêntica.

E a própria MPB tocada se limitava aos sucessos radiofônicos, subordinado ao império das trilhas sonoras de novelas.

Hoje as pessoas tem que se contentar em ver a MPB como grocery music, pois praticamente rádios de lojas de alimentos se especializam em música brasileira de qualidade.

A MPB anda muito gastronômica, para o bem e para o mal.

E corre o risco de ser escravizada pelo couvert artístico, para alegria dos neo-bregas que podem pegar carona nos covers de MPB.

Será um péssimo precedente para os brega-popularescos parasitarem a MPB sem terem a visceralidade necessária para renovar o já congelado cenário emepebista.

Enquanto isso, o ultracomercialismo de safadões, luans, anittas, luccos e boréis predomina e os barões do agronegócio investem pesado em "sertanejo universitário".

É aquele "agropop" fajuto, com aquele mesmo estilo de dupla com cantor fanho e outro esganiçado.

O "sertanejo universitário" cresceu tanto que se monta uma dupla até em condomínio dos Jardins.

Tem até cantor vindo de Niterói. Sério.

E aí vemos "sertanejos", funqueiros, forrozeiros-bregas e os pedantes sambregas - os cantores e grupos de "pagode romântico" cada vez mais recorrem aos "discos de arranjador" - dominando o mercado.

Com Wesley Safadão mais rico do que muito bossanovista tido como "aristocrático".

O brega-popularesco musical é a trilha sonora da Era Temer.

O fim da MPB FM é uma rendição a mais a esses tempos sombrios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…