PELA LAVA JATO, REVISTA VEJA SE VOLTA ATÉ CONTRA MICHEL TEMER


É carnaval e o brasileiro médio, feliz desde que Dilma Rousseff saiu do poder, está ocupado com "coisas mais importantes na vida".

Folia, animação, bebedeira. E selfies.

Não percebe o país desgovernado que não consegue superar suas crises.

A mídia venal até se esforça, mesmo porque Michel Temer deu suas generosas "gorjetas".

Sim, aquele dinheiro que falta para a Educação e Saúde. Está nos bolsos dos Marinho, dos Frias, dos Civita, dos Mesquita, dos Saad e dos Alzugaray, entre outros.

Isso não impede que a grande mídia faça suas "críticas", algo que não pode ser visto de maneira simplória.

De repente, posturas "imprevistas" são observadas na mídia venal.

O Estadão, querendo defender o governo Michel Temer, se voltou contra a Operação Lava Jato.

A Veja, querendo defender a Operação Lava Jato, se voltou contra o governo Michel Temer.

Se alguém não for cientista político e analisar também as entranhas da grande mídia, vai pensar que são posturas soltas.

Temer aparentemente "aceita todas", porque precisa dar a impressão que é democrata.

E, sendo a mídia empresarial de grande porte, Temer aceita que elas "se expressem livremente".

Se bem que houve uma censura, recentemente, à Globo e Folha de São Paulo por conta de notícias sobre a clonagem do celular da primeira-dama, Marcela Temer.

Temer disse certa vez que "não era aquilo", se referindo à "censura". Não pronunciou a palavra.

Dias depois, o Supremo Tribunal Federal liberou a mídia amiga a fazer reportagens. Até para também aliviar Temer de uma crise com a mídia aliada.

Até porque a coisa deve ferver. Mesmo dentro das forças aliadas do governo Temer, começam a haver alguns conflitos.

Na revista Veja desta semana, há a crítica quanto à indiferença dos homens do governo Temer, ele próprio e dois de seus braços-direitos (são muitos), Alexandre de Moraes e Eliseu Padilha.

A matéria de capa fala do desprezo à ética do governo Temer. Como se isso fosse novidade.

"A cegueira moral de Alexandre de Moraes", "A surdez oportuna de Michel Temer" e "O silêncio cúmplice de Eliseu Padilha" são as frases que ilustram as foto-montagens com os três com as devidas posições de suas mãos.

A matéria secundária mostra a "ascensão" do problemático Jair Bolsonaro.

Aqui há um fato curioso. O filho dele, Flávio Bolsonaro, também em carreira política, fez uma enquete no seu perfil oficial no Twitter.

"Já que os institutos de pesquisa, por preconceito, não perguntam, pergunto eu: no 2º turno, em quem você votaria para Presidente do Brasil", era a enquete.

As opções eram duas, o pai do rapaz e o ex-presidente Lula.

No último dia 16, às 17:16, 211.028 pessoas votaram. Lula ganhou a enquete com 69% enquanto Jair ficou com 31%. No dia 17, o número beirava 215 mil e manteve os mesmos índices de porcentagem.

Lula é o favorito na pesquisa recente divulgada pela Confederação Nacional do Transporte, que não é uma entidade petista.

Mas boa parte da sociedade conservadora quer porque quer impedir Lula de ser eleito.

Querem a volta da plutocracia ao poder.

Aguardemos os próximos capítulos desse Brasil confuso e frágil.

Comentários