Pular para o conteúdo principal

JORNALISTA DE VEJA ACUSADA DE PLÁGIO REAGE COM ARROGÂNCIA


Mais um incidente mancha a mídia corporativa. O Sindicato dos Jornalistas do Paraná acatou uma denúncia de 42 jornalistas que identificaram plágios de 65 reportagens feitos nos textos da atual jornalista de Veja, Joice Hasselmann, quando ela fazia um blogue, o Blog da Joice.

O sindicato entrou em contato com Joice, que é âncora da TVeja - canal de TV na Internet da reacionária revista do Grupo Abril - , que ofereceu o endereço e depois foi notificada a explicar os plágios, que envolveram reportagens dos 42 jornalistas lesados feitas entre 24 de junho e 17 de julho de 2014.

O problema é que Joice, em vez de dar a devida explicação do plágio, pedida pelo Conselho de Ética do sindicato, preferiu disparar sua raiva em um comentário arrogante e violento que ela despejou na sua página no Facebook:

"A escória do jornalismo só podia estar num sindicato ligado a CUT. Minha resposta aos vira-latas: Retournez a la Merde! Caros amigos vamos pensar numa equação nefasta. Imagine o produto do ócio de gente frustrada aliado ao pseudo intelectualismo (ignorância, burrice, estupidez e sobretudo má-fé). Imaginou? Ruim né? Mas tudo pode piorar. Junte à mistura preguiça, inveja, uma boa dose de canalhice e para finalizar empacote tudo num sindicato sem vergonha ligado à CUT. Voilá! Temos aí o Sindicato dos Jornalistas do Paraná que consegue ser boi de piranha e ao mesmo tempo um ativista da imbecilidade. (...) esses sindicalistas de araque, travestidos de jornalistas, são do baixo clero mas mesmo assim eu vou dar uma chance e uma moralzinha pra essa turma de desocupados (...) Ohhhh, Jè suis désolèè. Eles têm toda razão! Essa que vos escreve é mesmo uma despreparada. A história comprova. Enquanto boa parte dessa gente se reunia para fazer nada, para tomar umas e outras nos botecos pé sujos da vida, eu, vejam só, trabalhava. Não se ofendam. Eu sei que a palavra ‘trabalho’ dói, mas eu tenho essa mania condenável por vocês (...) Eu devia mesmo é ter me juntado a um bando de vira latas e sair por aí fazendo piquete, greve na universidade ou qualquer coisa bem inútil para a sociedade (...) O que eu tenho a dizer sobre isso: vão para o diabo!! Aos senhores, as batatas! E enfrentem meus advogados seus sanguessugas. Se ainda não entenderam vou ajudar: "Allez a la Merde! Ou se preferirem "Retournez a la Merde". (Usa o google aí)."

Altamiro Borges, presidente do Centro de Estudos e Mídia Alternativa Barão de Itararé, escreveu com divertida ironia a fúria de Joice: "Gente frustrada, ignorante, burra, estúpida, canalha... Será que Joice Hasselmannn plagiou estes adjetivos de algum amiguinho amoroso da Veja?".

Pior é que Joice, na TVeja, dispara comentários contra a corrupção e se julga defensora da ética e da transparência. Claro, para os astros da Veja, eles são "éticos", "honestos" e "transparentes".

Antissocial, a Veja condena os movimentos sociais como se eles não pudessem ser sequer organizados, isso apesar de sua atuação ser estimulada e protegida pela Constituição Federal. Nem as populações indígenas são poupadas por Veja, diante de sua fúria reacionária.

Para Veja, só os investidores estrangeiros é que prestam e o Brasil só deve se comportar como um mero país-cliente do Fundo Monetário Internacional. O Brasil não pode ter autonomia e o povo não pode se organizar, é sempre a hierarquia patronal que deve ser levada em conta e o povo tem que trabalhar mais e receber menos por isso.

DECADÊNCIA DO GRUPO ABRIL

Graças a essa linha editorial, o público reage e Veja naufraga nas vendas a cada época. Edições chegam a encalhar surpreendentemente em todas as bancas do país, e cada edição semanal é lançada quando ainda há pilhas da edição anterior acumuladas.

Só a péssima reputação da revista Veja já provoca uma grave crise econômica no Grupo Abril, refletindo em outras publicações. Em 2014, mais de mil profissionais foram demitidos e várias publicações foram extintas.

O Grupo Abril se desfez da MTV e devolveu a marca à Viacom, que fundou uma filial brasileira e criou uma nova MTV Brasil do zero. Há indícios de que a revista Playboy deixará de circular em breve. Das publicações tradicionais, como Contigo, Cláudia e Quatro Rodas, as equipes foram drasticamente reduzidas. E tudo isso levando em conta que em 2015 o grupo empresarial faz 65 anos de existência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…