Pular para o conteúdo principal

A NADA SOCIAL "TRAVESSIA SOCIAL" DO GOVERNO MICHEL TEMER


A reforma da Educação do governo Michel Temer tentou fazer bonito, mas acabou fazendo feio.

Primeiro, pelo caráter autoritário do PMDB, que, primeiro, decide sem consultar a sociedade, para depois recuar, e mesmo assim em poucos pontos.

Segundo, por uma visão extremamente tecnicista e mercadológica da Educação.

Fica muito fácil decidir por tempo integral, alterações no currículo e tudo o mais sem perceber a complexidade social da Educação.

A intenção, em tese, parece boa, que é evitar a evasão escolar.

Mas sem um programa que pudesse ser instigante e menos opressivo, que não criasse um cidadão-mercadoria, mas alguém que possa ter consciência de seu papel na sociedade, isso não foi feito.

As mudanças são superficiais.

Até a edição deste texto, foi decidida a carga horária diária de sete horas. Um semi-internato.

Não se considerou vários aspectos, como os recursos necessários para tal empreitada.

Ou mesmo se há professores disponíveis, porque deveria haver um rodízio muito grande.

Além disso, os deslocamentos de alunos de comunidades rurais para escolas longe de casa podem comprometer, causando atrasos e prejudicando o rendimento nos estudos.

Afinal, o deslocamento, muitas vezes, é feito de forma lenta, com ônibus velhos, em estradas de péssimo estado de conservação, isso quando são pavimentadas.

É evidente, por exemplo, que ensinar Português e Matemática são fundamentais.

Mas, quanto à Educação Física, ela deveria ser melhor avaliada.

Ela deve ser obrigatória, mas não para ser uma arena de atletas mirins ou um Brasileirão de miniatura para os valentões que gostam de futebol.

Deveria ser para educar a locomoção física dos alunos, ensinar os exercícios para a saúde física, mostrar atividades esportivas sem a espetacularização que a mídia transmite.

O projeto de reforma educacional do temeroso governo tem o nome pomposo de Travessia Social.

No entanto, pela mentalidade do governo Temer, nota-se a preocupação meramente econômica e tecnocrática do projeto.

Um governo claramente conservador, voltado aos interesses dos grupos financeiros dominantes e apoiado por setores retrógrados da sociedade brasileira.

Isso influi em tudo o que for feito pelo governo Temer, que sinalizou, na prática, que irá apagar todos os vestígios dos governos petistas.

Portanto, as reformas educacionais, ainda mais trazidas por um leigo em Educação que é o ministro José Mendonça Filho, não têm finalidade social.

Ainda mais que o ministro sentiu simpatia pela Escola Sem Partido de Miguel Najib e Magno Malta, proposta apresentada por Alexandre Frota e pelo "revoltado" Marcello Reis.

A Escola Sem Partido não quer um ensino esclarecedor, mas obscurantista.

Simpatizar-se com essa proposta revela a natureza do ministro Mendonça Filho, dentro do contexto do Brasil temeroso.

Será um projeto que afetará gerações e levará o país de volta à educação tecnocrática da ditadura militar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…