Pular para o conteúdo principal

GLOBO VAI DESCONSTRUIR O GOVERNO TEMER?


A Rede Globo, ao que parece, está liberando aos poucos os protestos contra o governo Temer.

O temeroso governo, embora lute para salvar, sutilmente começa a ser desconstruído por parte da direita que o apoiou.

Não falta quem queira salvar o temeroso presidente e deixá-lo até 2018, para passar a faixa presidencial a um sucessor.

Um dos dois ministros do STF haviam dito que, numa investigação de irregularidades na campanha eleitoral da chapa Dilma-Temer em 2014, a deposição de Temer traria "consequências" para o país.

Outro ministro disse que a permanência de Temer até 2018 não representaria "aberração jurídica".

Temer ainda recorreu aos decadentes jovens do MBL, Revoltados On Line e companhia para fazerem propaganda a favor do governo nas mídias sociais.

Mas pode soar uma transição entre um governo que, aos poucos, deixa de ter o apoio de toda a direita que derrubou Dilma Rousseff e jogou no lixo 54,5 milhões de votos.

Eduardo Cunha, abandonado por Michel Temer, agora admite que a própria campanha pelo impeachment que teve o próprio deputado cassado presidindo a sessão de 17 de abril passado, foi um golpe parlamentar.

Cunha escreve um livro que contará os bastidores da derrubada de Dilma, da formação do governo Temer e, como o ex-deputado se considera traído pelos aliados, revelações bombásticas dos bastidores.

Voltando ao STF, ele só dará um parecer definitivo sobre a chapa Dilma-Temer em 2017. Na hipótese de Temer for afastado do poder, haverá eleições indiretas, com chances descartadas do Congresso Nacional eleger um candidato progressista.

Em todo caso, parece que o governo Temer começa a ser desconstruído.

Seu evento-teste para a "Ponte para o Futuro", alcunha do Plano Temer, já começou errado.

O ministro da Educação, José Mendonça Filho, tentou eliminar artes e educação física do currículo e estabeleceu regras, como a carga horária integral obrigatória de sete horas, sem considerar condições nem consultar a sociedade e os especialistas no setor.

A reforma foi criticada até por Fausto Silva, do Domingão do Faustão, durante uma conversa com o convidado atleta Diego Hypólito.

Faustão não é um primor de figura progressista, diga-se de passagem. Mas seu comentário, pela sua visibilidade, já virou até trend topic no Twitter com a palavra-chave "Faustão".

Algumas frases do Faustão foram ditas no seu comentário, que incluiu uma xingação:

"A educação física os caras iam tirar. Essa porra desse governo nem começou, não sabe se comunicar e já faz a reforma sem consultar ninguém".

"Então, o país que mais precisa de educação faz uma reforma com cinco gatos pingados que não entende porra nenhuma, que não consulta ninguém e aí, de repente, tira a educação física, que é fundamental na formação do cidadão".

"Aí, quando você percebe, um país como esse, que tem uma saúde de quinta [categoria], não tem segurança, não tem emprego, não tem respeito a profissões básicas. O país que não respeita professor, pessoal da polícia e pessoal da área de saúde e um país que não oferece o mínimo ao seu cidadãos".

Se, num dos principais programas de uma corporação conservadora como a Globo, se faz um comentário desses chamando o governo Temer de "porra", isso quer dizer uma coisa.

Que o governo Temer, que nunca trouxe qualquer tipo de esperança, começa a perder o pouco fôlego que tentava ter, ou fazia de conta que tinha.

Até Fernando Henrique Cardoso minimizou o papel de "herói" de Henrique Meirelles, dizendo que ele não será candidato à sucessão de Temer.

E José Serra, outro "herói" do governo, pegou muito mal com sua gafe sobre os BRICS.

E isso com encrencas cometidas por outros ministros, como Alexandre de Moraes (Justiça), Marcelo Calero (Cultura) e José Mendonça Filho (Educação), entre outros.

A equipe de notáveis, pelo menos, realmente foi notável. Pelas suas piores qualidades.

A História definirá o governo Temer como um dos piores da história de nossa República.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…