Pular para o conteúdo principal

INTELECTUALIDADE "BACANA" É CO-RESPONSÁVEL PELO IMPEACHMENT


O impeachment de Dilma Rousseff e o fim da era progressista dos governos dela e de Lula já foi planejado há quinze anos.

Uma intelectualidade surgida dos laboratórios acadêmicos do tucanato se infiltrou nas esquerdas, ainda na crise do governo de Fernando Henrique Cardoso.

Procurou-se salvar a Era FHC defendendo a breguice cultural dominante nas rádios e TVs oligárquicas.

Os primeiros discursos em defesa do brega, do "funk", do "sertanejo", tecnobrega e por aí vai vieram da mídia hegemônica.

O Paulo e o Pedro da intelectualidade festiva e pró-brega, Pedro Alexandre Sanches e Paulo César de Araújo, estavam dentro desse cenário.

Paulo César de Araújo lançando Eu Não Sou Cachorro Não, elogiosamente resenhado pela mídia plutocrática.

Pedro Alexandre Sanches lançando livros, se consagrando com o aluno-modelo de Otávio Frias Filho da Folha de São Paulo.

A filha de Perseu Abramo, Bia Abramo, já contaminada pelas ideias mercantilistas do Projeto Folha, elogiando o "funk" a ponto de preferir as tais "proibidas" do que as enfermeiras de verdade.

E isso quando a Proibida do Funk era empresariada por ninguém menos que Alexandre Frota, que nem se disfarçar de esquerdista chegou a fazer.

Todos se preparavam para ser a "intelectualidade-modelo" de um possível governo de José Serra.

Mas Lula venceu e o tucanato cultural foi se infiltrar nas esquerdas, numa suposta adesão.

Era um comportamento estranho, um esquerdismo de fachada, um teatro de pretenso socialismo usando como pretexto a "apreciação das classes populares".

Tomada de uma roupagem sofisticada (monografias, documentários, grandes reportagens), o tucanato intelectual que se converteu numa intelectualidade "bacana" de pseudo-esquerda, sabotou os debates culturais de esquerda.

A ideia é evitar que projetos como os antigos ISEB e CPC da UNE, vigentes no governo de João Goulart, tivessem iniciativas similares nos períodos de Lula e, depois, de Dilma.

Estes projetos atuantes entre 1961 e 1964 debatiam a situação cultural do povo pobre.

Discutiam cidadania, colonialismo cultural, e outros aspectos da vida humana das classes populares.

Retornar isso era chamar o povo pobre para passeatas, para o ativismo.

A plutocracia de intelectuais culturais festivos, adestrados pelo PSDB acadêmico, se esforçava para forçar o vínculo com o PT, PSOL e outros setores das esquerdas.

A ideia é infectar os debates esquerdistas com a apologia ao lixo cultural despejado pela mídia hegemônica.

Não apenas músicas de gosto duvidoso, como o ultraconservador brega do direitista Waldick Soriano (que havia sido um grande reaça de seu tempo), o "sertanejo", o "funk" etc.

Mas também aspectos comportamentais como o falso feminismo das siliconadas, a mídia policialesca e as apologias estranhas à prostituição, à vida em favelas, ao subemprego e ao alcoolismo.

Ideólogos do brega, sob a desculpa do "combate ao preconceito", pediam para que aceitássemos que pessoas vivam "felizes" num padrão de vida degradante.

Era a "vida feliz" vivendo em barracos vulneráveis, no subemprego arriscado e irregular do comércio informal, moças vendendo o corpo para machos violentos, idosos pobres se divertindo na embriaguez que corrói seus estômagos.

Muitos achavam tudo isso progressista, mas era muito, muito reacionário.

Na bregalização da cultura popular, o povo pobre era induzido a querer ser o que não era, a desejar o que não precisa, e se tornava retardatário dos modismos alheios

Era uma clara colonização cultural. Nada de antropofagia, porque a "cultura de fora" era assimilada de forma vertical (de "cima", pela mídia), enfraquecendo as culturas locais, e não horizontal (pelo convívio social comum), que poderia fortalecê-las.

Até o discurso do "funk" começou na mídia hegemônica. O papo de "cultura das periferias" foi difundido primeiro pela Rede Globo, por O Globo e pela Folha de São Paulo.

Antes de se achar "dono das esquerdas", MC Leonardo havia ressurgido apadrinhado por José Padilha, cineasta da Globo Filmes ligado ao Instituto Millenium.

Antes de fingir apoio a Dilma Rousseff, a Furacão 2000 elegeu o astro da Rede Globo e maior amigo famoso de Aécio Neves, Luciano Huck, como "embaixador do funk".

O apoio da Globo ao "funk" é tal que o Museu de Arte do Rio de Janeiro, de propriedade da Fundação Roberto Marinho, abriu uma mostra sobre Josephine Baker com uma apresentação de um grupo de funqueiras.

Mais tarde, o mesmo MAR abriu debate sobre "funk", com MC Leonardo e tudo.

Tão forçadamente associado a Dilma e Lula, a palavra "funk" é traduzida como um dos significados do verbo "temer".

O "Cabo Anselmo" da vez, o "funk" já terceirizava e precarizava a cultura brasileira. E foi o carro-chefe dessa degradação cultural que transformava as classes populares em paródias de si mesmas.

Foi essa bregalização toda, o brega-popularesco, que fez idiotizar o povo e isolar as forças progressistas nos debates públicos.

Intelectuais "bacanas" cometiam o cinismo de dizer que "ativismo" era o povo pobre ir que nem gado para ver o "sucesso do povão" da temporada.

E tudo isso era vendido como se fosse uma agenda progressista. Não era.

Era um golpe cultural, vindo bem antes do golpe político. Com cultura fraca, o povo ficava enfraquecido.

Resultado. Quase não tivemos manifestações populares de esquerda, no sentido que esperávamos, em quantidade suficiente para garantir os projetos progressistas.

O "maravilhoso" subemprego dos camelôs do "paraíso brega" de Paulo César Araújo era justamente um aspecto da agenda retrógrada de Eduardo Cunha.

A "sestrosa" cultura "braZileYra" de Pedro Alexandre Sanches é a tradução cultural da economia "transnacional" de Fernando Henrique Cardoso.

Diante dessa apologia à degradação do povo pobre, pregando que "o povo é melhor no que ele tem de ruim", tida como "sem preconceitos" mas perversamente religiosa, temos o que ocorreu ontem.

Dilma Rousseff foi expulsa do poder pelo tribunal de exceção no Senado, e por sorte não perdeu as condições de se eleger para novo cargo eletivo.

E a posse de Temer como efetivo repete a mesma farra de 12 de maio passado.

Até isso ocorrer, no último dia 30 Pedro Alexandre Sanches, o príncipe dos intelectuais "bacanas", o sempre dedicado "filho da Folha" mesmo quando forçava a barra com suposto esquerdismo, atacando seus afins, resolveu cobrir a Festa de Barretos.

Na meca do "sertanejo" e dos rodeios, a arena principal dos grandes ídolos do brega-popularesco.

O "bom esquerdista" foi cobrir a festa patrocinado pelo Governo do Estado de São Paulo. Gestão de Geraldo Alckmin, do PSDB.

O prefeito de Barretos também é outro tucano, Guilherme Ávila.

O pessoal da Festa de Barretos nem se preocupou em atacar Dilma nem exaltar Temer.

Eles exaltam Temer com a despreocupação política, consumindo a "cultura transbrasileira" que, no caso "sertanejo", exalta o Texas, o Tennessee e o Alabama como se fossem Estados brasileiros.

Mas tinha até espaço para o "funk". "Festa de Barretos é baile de favela".

Com um trágico sâmpler de violoncelo, fazendo um acorde que lembra marcha militar, "Baile de Favela", do MC João, é a trilha sonora do governo Temer. Afinal, o "funk" veio da Globo e quer dizer "Temer".

Agora, os intelectuais "bacanas" devem esperar uns anos para tirar a máscara esquerdista.

Como palhaços circenses que demoram para retirar a maquiagem.

Mais lento do que os partidos da base aliada do PT, desembarcando rumo à oposição que se consumou na votação de ontem.

Aos poucos eles vão saindo do esquerdismo que lhes serviu de trampolim e sobre o qual queriam castrar o debate público popular.

O medo é ver essa intelectualidade festiva, de repente, se transformando nos Olavo de Carvalho e Reinaldo Azevedo de amanhã. Ou nos Aloysio Nunes do Senado Federal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

SÉRGIO MORO DESAFIOU O PODER DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

O juiz da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, o ídolo midiático Sérgio Moro, parece não ter gostado de ver o Supremo Tribunal Federal tirar de suas mãos alguns processos que envolvem o ex-presidente Lula.

Na verdade, nunca foi da competência de Moro comandar qualquer processo jurídico contra Lula.

E aqui não se fala em "competência" como "incapacidade", embora Moro use métodos juridicamente discutíveis para conduzir ou coordenar investigações.

Fala-se em "competência" no sentido jurídico, ou seja, em "responsabilidade por um caso".

Em outras palavras: como um juiz de Curitiba vai investigar supostos crimes que teriam sido feitos no Estado de São Paulo?

Há muito tempo o Estado do Paraná se separou de São Paulo, lá pelos idos de 1853, portanto, cem anos antes do surgimento da Petrobras, alvo da Operação Lava Jato.

O Supremo Tribunal Federal decidiu que alguns casos supostamente envolvendo Lula passem à responsabilidade da Justiça de São Paulo.

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

ALLISON MACK E OS GRAVES ERROS DA RELIGIOSIDADE

Há poucos dias, a antiga estrela do seriado Smallville, a outrora adorável Allison Mack, foi presa e depois solta sob fiança pela acusação de envolvimento com uma seita voltada à escravidão sexual.

A seita, denominada NXIVM - lê-se "nexium" - era comandada por Keith Raniere, que também foi preso.

Allison teria sido recrutada pela colega do seriado, Kristin Kreuk, mas esta largou a seita pouco depois.

Mas Allison, alemã radicada nos EUA e aparentemente conhecida por sua simpatia e doçura, virou braço-direito de Raniere, atuando como uma co-líder da seita.

A seita, que supostamente se voltava ao "empoderamento feminino", mas promovia rituais de flagelos e escravidão sexual.

As adeptas da seita eram forçadas a correr direto para as árvores para bater as cabeças nos troncos. Ou então a beber água suja que corria no chão.

Elas eram marcadas com ferro quente, como gado bovino, seja com as iniciais KR ou AM.

As integrantes ainda eram forçadas a transar com Keith, em ritu…

O FRACASSO COXINHA SIMBOLIZADO PELAS CAMISETAS DA CBF

Este é um Brasil muito, muito estranho.

Um Brasil em que valentões da Internet fazem cyberbullying para impor a "sua verdade".

Um país onde políticos conservadores envolvidos em comprovada corrupção nem sequer precisam cogitar sobre a vida atrás das grades, porque a prisão lhes é uma possibilidade nula.

Um Brasil cujas obras psicografake de certa religião espiritualista são consideradas "autênticas" porque contém frases piegas como "sejamos irmãos" e "busquemos a paz".

Um Brasil cuja parcela de machistas que fuma demais, usa drogas ou remédios e, só porque mataram suas próprias mulheres e saíram impunes, não podem sequer morrer das doenças que produzem, como câncer ou infarto.

Um Brasil em que se acredita tolamente que um sistema de ônibus vai melhorar com ônibus de pintura igualzinha exibindo logotipos de prefeitura, secretarias de Estado, consórcios etc.

Um Brasil em que a emancipação feminina é condicionada pelo machismo, de forma que as mul…

APOIO A GOLPE MILITAR, SEGUNDO PESQUISA, CRESCE DE FORMA PREOCUPANTE

Uma pesquisa divulgada recentemente traz apreensão para o Brasil.

Embora seja uma amostragem, pois apenas uma pequena parcela de entrevistados é consultada em eventos desse tipo, os dados divulgados trazem alguma preocupação.

Foram feitas 2,5 mil entrevistas em 26 Estados brasileiros, sendo o Amapá o único deixado de fora pela pesquisa.

Segundo o Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação, parte do Programa de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT), cresceu o apoio ao golpe militar por dois critérios, o de "muito crime" ou "muita corrupção".

No caso de "muito crime", a defesa do golpe militar foi de 53,2% e na hipótese de "muita corrupção", 47,8%.

Entre os discordantes, respectivamente, 41,3% e 46,3%. No caso de quem não respondeu ou não soube responder são 5,6% e 5,8%.

O índice pode ser reflexo do clima de insatisfação e insegurança que se deu em 2013 mas que, três anos depois, resultou na retomada conservadora dos…

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL DIMINUI PODERES DE SÉRGIO MORO, TARDE DEMAIS

Bem lembrou Fernando Brito, do Tijolaço, do caráter tardio da decisão do Supremo Tribunal Federal em restringir os poderes do juiz paranaense Sérgio Moro.

O STF tirou da responsabilidade de Moro os casos da acusação do ex-presidente Lula de suposto envolvimento com as obras do sítio de Atibaia e de um terreno tido como do Instituto Lula, em São Bernardo do Campo.

Também tirou da responsabilidade do juiz paranaense o caso das palestras do ex-presidente.

A justificativa é que elas não têm relação com a Petrobras, foco de investigação da Operação Lava Jato.

Por associação, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que decidiu pela prisão de Lula com base em suposta corrupção associada ao triplex do Guarujá, também não avaliará os casos retirados das mãos de Moro.

O caso do triplex do Guarujá é tão risível, baseado em estórias mal contadas por delatores, que se falou até num "elevador privativo" que nunca existiu.

Fotos revelaram que o triplex do Edifício Solaris, na litorânea …

DELAÇÕES DE ANTÔNIO PALOCCI E RENATO DUQUE SERÃO USADAS PARA ENFRAQUECER LULA

Duas delações previstas para os próximos dias aquecem as expectativas dos opositores do Partido dos Trabalhadores de ver Lula caminhando para a derrota final, nas mãos da plutocracia.

Uma é a do antigo parceiro do ex-presidente e seu ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci, que também foi chefe do Gabinete Civil do primeiro governo Dilma Rousseff.

Outra é a de Renato Duque, que, segundo a Operação Lava Jato, é considerado ex-operador do PT no suposto esquema de propinas da Petrobras.

A delação de Palocci, agora um denunciante útil e um "quase herói" dos anti-petistas, vem com dois aspectos estranhos.

Um é que a delação será coordenada pela Polícia Federal e não pelo Ministério Público Federal, como exige a hierarquia jurídica.

Segundo, a delação foi anunciada depois que o Supremo Tribunal Federal tirou das mãos do juiz Sérgio Moro supostos casos de corrupção envolvendo Lula, como o sítio de Atibaia, as supostas obras do Instituto Lula e o dinheiro arrecadado nas palestras d…

REVELAÇÕES SOBRE DITADURA PODEM DERRUBAR PARADIGMAS E TOTENS DA SOCIEDADE CONSERVADORA

Os recentes documentos da CIA, revelados anteontem, trazem o dado chocante de que a repressão militar manteve sua intensidade mesmo na chamada "época de abertura política".

Os governos Ernesto Geisel e João Baptista Figueiredo eram citados num relatório como atuantes no comando de prisões, torturas e extermínios que, oficialmente, só se atribuía ao período do general Emílio Médici, quando o AI-5 começou a valer.

Isso derruba muitos paradigmas e revela debilidades das mais diversas, que ultrapassam o âmbito militar e político brasileiros.

Sobretudo diante de paradigmas conservadores, do machismo feminicida ao valentonismo (bullying), práticas criminosas, porém socialmente toleradas, e dos mitos da "caridade paliativa" e da bregalização cultural que glamourizam a pobreza e domesticam os pobres.

Para começar, derruba a ilusão de "anos dourados" de 1974-1979 ou do mito da breguice "tropicalizada" da Era Médici, que a intelectualidade "bacana&q…

O ATENTADO AO ACAMPAMENTO PRÓ-LULA DEIXA BRASIL EM ALERTA

Ontem ocorreu mais um atentado, quase um mês de outro que atingiu os ônibus da caravana que acompanhava o ex-presidente Lula.

Foi em Curitiba, na madrugada de ontem. Vários tiros foram dados contra o acampamento Marisa Letícia, nome em homenagem à falecida esposa do ex-presidente.

O acampamento, organizado pelo movimento Lula Livre, já estava distante da área original, que era mais próxima da sede da Polícia Federal, onde o petista está preso. O terreno, alugado, fica a 1600 metros da sede da PF.

Um pistoleiro foi filmado por uma das câmeras dos arredores. Ele foi visto a pé, mas teria fugido num carro sedan preto.

As balas encontradas, segundo a perícia, lembram as que foram encontradas no carro de Marielle Franco, assassinada em 14 de março passado. São de armas de uso restrito da Polícia Federal e do Exército.

Duas pessoas saíram feridas. Um homem foi internado em estado grave e foi identificado como Jefferson Lima de Menezes.

A coordenadora do acampamento, Edna Dantas, foi ferida…