Pular para o conteúdo principal

TEMER, SAINDO DO VERMELHO PARA A NOTA VERMELHA, ATÉ NA EDUCAÇÃO


O governo Temer já lançou uma campanha que deve animar os "coxinhas".

Um vídeo da campanha do Governo Federal, que a princípio será divulgado a partir de outubro, foi apresentado em reunião do presidente Michel Temer e sua equipe.

Nele aparece a palavra "Brasil", na parte inferior da tela, numa área vermelha. Em seguida, uma voz em off declara "Vamos tirar o Brasil do vermelho" e a palavra sobe para uma área azul.

Em seguida, surge a expressão "ordem e progresso", lema central do governo Temer.

A ideia é dizer ao público que o Brasil pretende sair da crise, simbolizada pela expressão "no vermelho", que é o tom da campanha publicitária, ainda a ser finalizada.

Mas existe também um trocadilho: "vermelho" é uma cor associada ao esquerdismo. É a cor da bandeira do PT, partido da ex-presidenta Dilma Rousseff.

E isso é uma faca de dois gumes, porque empolgará os anti-petistas e a grande mídia associada.

Todavia, a peça publicitária irá estimular os protestos anti-Temer.

Pode até surgir na Internet mensagens como "minha realidade não é azul" ou "minha vida continua no vermelho".

Temer pretende fazer reformas que irão extinguir ou reduzir muitos benefícios dos trabalhadores, sob a desculpa de promover o ajuste fiscal e melhorar as finanças do Brasil.

Temer demonstrou que quer cortar gastos nas áreas sociais e prevê centenas de bilhões de verbas que não serão investidas em Saúde, Educação e Assistência Social.

Mas vai aumentar gastos com o Judiciário, com os políticos aliados e com a mídia solidária.

Corta uma merreca que financiava blogues progressistas, mas vai despejar bilhões de reais para anabolizar a mídia truculenta, sobretudo as Organizações Globo.

E aí vemos o espírito do governo Temer num texto de divulgação de "melhorias" no ensino de português.

Em duas frases, foi praticado um vício muito comum de pessoas que não estão acostumadas a escrever em português impecável ou escrevem "impulsionados" pela fala.

O de separar sujeito e predicado com uma vírgula.

Achando que, só por fazer pausa na respiração ao falar, se pode separar um sujeito do predicado com uma vírgula.

Os textos foram assinalados na imagem acima, originalmente publicada pelo Estadão.

Com essa gafe, o governo Temer já recebeu uma baita "nota vermelha", jargão que os professores usam para definir notas baixas que levam à reprovação no ano letivo.

Isso mostra o quanto o temeroso governo erra, quando promete acertar.

Se bem que a reforma educacional reduzirá o ensino a um processo meramente tecnocrático.

Como em todo governo conservador.

O povo brasileiro, diante disso, permanecerá "no vermelho". No sentido econômico do termo, pelo menos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…