Pular para o conteúdo principal

INTELECTUALIDADE "BACANA" DEFENDEU SOLUÇÃO CAPITALISTA PARA "MELHORAR" MÚSICA BREGA

TENTARAM "EMEPEBIZAR", NA ERA FHC, OS NEO-BREGAS DA ERA COLLOR. SOBROU POMPA E LUXO, MAS FALTOU ARTE.

Sabe-se que uma parcela da intelectualidade quer destruir a MPB.

Treinada pelos acadêmicos ligados ao PSDB e Folha de São Paulo, foram fazer free lancer para os barões da grande mídia.

Oportunistas, foram para a mídia esquerdista vender a causa neoliberal.

A ideia era evitar o que ocorreu durante os primórdios da ditadura militar.

Na época, cepecistas e bossanovistas esqueceram divergências e, através dos festivais de MPB, buscaram resistir ao regime militar com música brasileira de qualidade.

A música brasileira adiou por pouco mais de uma década, entre 1964 e 1977, sua rendição ao comercialismo voraz da bregalização.

E, por esse período, a MPB moderna neutralizou o crescimento dos ídolos cafonas apoiados pelo coronelismo midiático que respaldou a ditadura militar.

Foi só em 1978 que a coisa começou a cair de vez, descontando um breve período em que o Rock Brasil trouxe inteligência e modernidade ao público jovem, entre 1982 e 1989.

A partir de 1990, a coisa caiu de vez, mas a crítica especializada resistia ao rendimento à bregalização crescente que enriquecia os barões do entretenimento.

Falsos sambistas, falsos caipiras, um falso funk que nada lembrava os instrumentais fortes e a preocupação com arranjos de James Brown e seguidores.

Era um "funk" sem músicos, sem cantores, em que vocalistas esganiçados vociferavam letras sob uma única batida, como num karaokê.

Tudo isso era patrocinado por rádios apadrinhadas, pouco antes, pelos "coronéis" ACM e Sarney, e que haviam sido bases de apoio regional do governo Collor, junto a políticos locais associados.

Tinha também a baianidade de fachada, a axé-music, e a nordestinidade de mentirinha, do entreguista "forró eletrônico", mais para for all do que para forró com seu jeitão tex-mex de ser.

Mas quem comandava o espetáculo eram os "pagodeiros românticos" e os "sertanejos" com suas músicas piegas e um som que quase nada tinha de samba ou música caipira.

A desculpa para essa deturpação musical era que eles faziam leitura "pop" dos dois gêneros musicais.

"Pagodeiros" mexendo os pezinhos e cantando sobre "barata da vizinha", "pimpolho" e tudo o mais.

"Sertanejos" com mullets sonhando com Nashville e cantando sobre problemas amorosos confusos.

Esses sucessos radiofônicos eram considerados a "baixaria" musical que conhecedores de música brasileira apontaram na época, por volta de 1990 a 1992.

Eram os neo-bregas da Era Collor, que sucederam a breguice de motel de Michael Sullivan, dentro do plano de desmonte da Música Popular Brasileira.

Eles foram ofuscados pelos neo-tropicalistas de 1993, puxados pela iniciativa de Marisa Monte.

Mas voltaram na Era FHC, que primeiro despejou a axé-music no Brasil inteiro, para depois lançar a fórmula milagrosa de fazer os neo-bregas serem "levados a sério" pela opinião pública.

Com o apoio da Rede Globo, os neo-bregas eram repaginados e passaram a fazer MPB de mentirinha.

Uma pseudo-MPB igualzinha ao que foi feito de pasteurizado na música brasileira dos anos 80.

Gravando covers de sucessos da MPB em especiais temáticos da rede televisiva dos Marinho.

"Pagodeiros" e "sertanejos", entre outros neo-bregas da Era Collor, reapareciam na televisão da Era FHC portando uma nova cosmética visual, sonora, tecnológica e publicitária.

Continuaram musicalmente medíocres, mas havia um jeito, já que todo o trabalho era feito por arranjadores, produtores, assessores, maquiadores e tudo o mais.

Tudo parecia falsamente sofisticado. Sobrava pompa, luxo, tudo era "bom gosto" demais, bem mais "bom gosto" do que o "bom gosto" emepebista que horrorizava os intelectuais "bacanas".

Faltava criatividade. Havia uma linha de montagem para fazer aquela "música caipira" ou aquele "samba romântico" que muitos pensavam ser "nova MPB".

Mas "pagodeiros" e "sertanejos" acabavam fazendo música para churrascaria, para motel, fazendo couvert artístico e se nivelando aos calouros de reality shows musicais.

O repertório autoral continuava sendo tão sofrível quanto nos tempos da "barata da vizinha" e do "respondi, tenho ódio e morro de amor por ela".

A blindagem intelectual "bacana" veio ainda no final da Era FHC.

Passaram a exaltar a música brega-popularesca, ou a Música de Cabresto Brasileira, como se fosse a "verdadeira MPB", olhando mais para a plateia do que para o palco.

Acharam que isso era libertário, queriam "bolivarizar" até a dança da boquinha da garrafa, mas ignoravam que "emepebizar" o brega era só uma fórmula capitalista de investir dinheiro para "melhorar" a cafonice radiofônica.

Ora, se o dinheiro não traz felicidade, ele irá trazer mais talento?

A nossa intelligentzia, tão legal e cheia de visibilidade, se esquece que a relevância artística não é uma simples questão de mais dinheiro no bolso.

E se esquecem do verdadeiro mérito: o dos arranjadores que realizaram toda essa cosmética para fazer os neo-bregas soarem pretensamente emepebistas para o consumo festivo das elites.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MORTE DE FERNANDA YOUNG É UM PUXÃO DE ORELHA NO BRASIL

Foi um choque eu entrar num mercado de alimentos e ver, na televisão, que Fernanda Young faleceu.

Tão nova, um ano a mais do que eu, ela era uma das mentes mais criativas e modernas da cena cultural brasileira.

Eu não cheguei a ver o seriado Os Normais, a não ser alguns trechos da série e o primeiro longa-metragem, mas vi outras criações dela e de seu marido, meu xará Alexandre Machado, como Separação?, Os Aspones, Como Aproveitar o Fim do Mundo e O Dentista Mascarado.

Alexandre Machado nasceu dez anos antes dela, mas ele destoava completamente daquele tipo "o mais velho que ser mais velho ainda" e, de tão jovial, nem parecia estar próximo dos 60 anos.

É duro para ele viver sem sua companheira, e não era só pela alta cumplicidade que os dois tinham para criar diálogos e situações bastante hilárias.

Num ano em que um sem-número de personalidades de grande talento faleceu, 2019 parece um grande pesadelo.

Espera-se que 2020 não se torne um novo pesadelo, que possa virar o jogo…

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

JORGE PAULO LEMANN FINANCIOU O "COMBATE AO PRECONCEITO" DO "POPULAR DEMAIS"

Já foi escrito isso em outra oportunidade, mas não custa enfatizar: Jorge Paulo Lemann financiou a campanha do "combate ao preconceito" da bregalização pelo "popular demais".

Tínhamos um cenário de cultura popularesca, marcado pelo politicamente incorreto, pela mediocridade artística e pelo grotesco comportamental, nos anos 1990, que estava se desgastando naturalmente.

Todo o brega-popularesco corria o risco de cair no esquecimento. Jornalistas sérios alertaram para a degradação cultural que tratava o povo de maneira caricatural.

Tudo isso se deu no fim dos anos 1990. Parecia que, se não toda a multidão popularesca, mas, ao menos, uma considerável maioria, iria arrumar as malas e deixar a fama para ir ao ostracismo.

Mas eis que uma geração de intelectuais virou a mesa: a intelectualidade "bacana", assim considerada por ela querer parecer "simpática" dentro de um cenário de anti-intelectualismo.

A partir de 2000, veio a tal campanha que consisti…

TV LINHAÇA - O QUE É O QUENUNCA?

Muitos ainda vão sabe desse novo tipo de pessoa que, sob o pretexto de se considerar imperfeito, faz apologia dos erros para continuar levando vantagens e privilégios na vida.

FEMINICÍDIOS E O PERIGO DO "AMOR DE NOITADA"

Desde que o antes chamado "crime passional", conhecido agora como um tipo principal de feminicídio, o de natureza conjugal, tornou-se crime hediondo, um novo contexto se deu na onda de crimes desse tipo, quando homens matam suas próprias mulheres.

Até parece que eles estão cometendo esses crimes para ver se a Justiça realmente funciona para eles.

O chocante crime cometido pelo professor de Biologia, o pitboy Luís Felipe Manvalier, contra a mulher, a advogada Tatiana Spiltzer, na madrugada do dia 22 de julho último, tornou-se um dos casos mais recentes.

Laudos indicam que ela teria sido estrangulada antes de ser jogada do 4º andar, e bem antes ela tinha sido agredida pelo marido.

Manvalier estava tomando anabolizantes para ficar musculoso e lutava jiu-jitsu, e também era um fã entusiasmado de Jair Bolsonaro, portanto se comportando como o bolsonarista típico, misógino e que só vê a mulher como um troféu para sua vaidade pessoal.

O crime ocorreu na cidade de Guarapuava, no in…

CO-DIFUSOR DA GÍRIA "BALADA", TUTINHA É ACUSADO DE CRIMES FINANCEIROS

GOSTA DE ESTAR NA "BALADA"? AGRADEÇA, EM PARTE, A ESSE CARA, O TUTINHA.

Uma longa reportagem de Joaquim de Carvalho, do Diário do Centro do Mundo mostra um escândalo envolvendo o dono da Jovem Pan, Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha.

Ele acabou desmentindo a acusação de que sua ex-mulher, Flávia Eluf, teria furtado bens do ex-casal após o divórcio, que havia sido difundida no Facebook, em julho de 2016.

A acusação se revelou falsa, e Tutinha e sua filha de outro casamento, Daniela, que apoiou o pai na acusação contra a madrasta, foram processados, por ação civil movida por Flávia, por danos morais.

Flávia também reagiu e recorreu ao Ministério Público Federal para lhe entregar um pen drive com as atividades financeiras do ex-marido, com quem esteve casada entre 2006 e 2015.

O pen drive contém acusações de crimes financeiros contra o empresário da Jovem Pan.

Segundo a denúncia, Tutinha seria acusado de evasão de divisas, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro …

COMO SOBREVIVER NO BRASIL GOVERNADO POR JAIR BOLSONARO?

Está bem, Michel Temer completou o mandato, rindo do "Fora Temer" que não conseguiu tirá-lo do poder, e Jair Bolsonaro tornou-se presidente da República.

Agora, temos que encarar a situação com cabeça fria. Foi perdendo a cabeça que a oposição fez com que a ditadura militar decretasse o AI-5, há 50 anos.

Bolsonaro pretende eliminar o que ele entende como "doutrinação ideológica" nas escolas, que devem retomar as antigas relações hierárquicas entre professor e aluno.

Ele divulgou o novo salário mínimo, abaixo da expectativa. Em vez de R$ 1.006, R$ 998.

Na véspera da posse, ele anunciou ainda que vai decretar leis facilitando o porte de arma do cidadão comum "sem antecedentes criminais".

Isso causará uma espécie de holocausto a varejo. O Partido dos Trabalhadores já encomendou estudos para comprovar o desastre da medida e impedir sua regulamentação (ou desregulamentação, melhor dizendo, porque será o caos).

Jair Bolsonaro ainda falou da "libertação&qu…

A PEGADINHA DE LÉO SANTANA AINDA PEGA AS ESQUERDAS

O Brasil é um país ainda muito, muito atrasado.

Tanto que só agora, nós temos movimentos identitários que, nos EUA, ocorriam há mais de 50 anos, através do fenômeno da Contracultura.

Já temos o grotesco Carlos Bolsonaro, o Carlucho, filho do presidente Jair Bolsonaro, conduzindo pautas reacionárias, desta vez dizendo que a democracia não permite mudanças rápidas no Brasil.

Eduardo Bolsonaro corroborou o irmão e o comparou a "Winston Church" (sic).

Se os filhos de Jair ameaçam a democracia - depois que os "filhos de Januário" da Operação Lava Jato ameaçavam a Justiça, com suas tramoias - , e ninguém mexe para tirar Jair do poder, então a coisa é séria.

As esquerdas ainda mantém muitos focos de ingenuidade.

Seus heróis são da direita: mulheres-objetos, funqueiros, ídolos popularescos em geral e até "médiuns espíritas".

Acham os esquerdistas mais ingênuos que, com um pouco de pensamento desejoso, as raposas podem não só reconstruir o galinheiro mas tornarem…