Pular para o conteúdo principal

ASSUSTADO, MICHEL TEMER LIGA PARA FAUSTÃO PARA DAR EXPLICAÇÕES

FAUSTO SILVA LEMBROU DOS TEMPOS EM QUE ENTREVISTOU MICHEL TEMER NOS ANOS 80.

O comentário de Fausto Silva, no Domingão do Faustão da Rede Globo, contra o governo Michel Temer, foi sem dúvida alguma tendencioso.

Foi muito longe de ser um progressista.

Não dava para o intelectual "bacana", que sonha com o folclore brasileiro de amanhã montado com as breguices que rolam nos palcos do Domingão, "guevarizar" o comentário do apresentador dominical.

Farofafeiros "guevarizaram" a novela Os Dez Mandamentos, da Rede Record, só porque tiraram a Rede Globo da liderança da audiência.

Deram um tiro no pé.

Os donos da Rede Record fazem parte da "bancada da Bíblia" que ultimamente está relacionada à derrubada do governo Dilma Rousseff e ao estabelecimento de agendas retrógradas para o país no Congresso Nacional.

Uma dessas agendas é a ultradecadente Escola Sem Partido, que proibirá tanto o debate da realidade quanto a interferência em mitos religiosos.

Os farofafeiros também tentaram "guevarizar" a cantora Anitta por conta de um comentário irônico de um cínico William Waack.

Deram outro tiro no pé.

Anitta faz um pop inócuo e americanizado, tradução musical da mentalidade entreguista que planeja entregar o pré-sal brasileiro às corporações estrangeiras do petróleo.

Além disso, Anitta tem suas músicas tocadas na Jovem Pan, emissora que anda ultimamente se mostrando abertamente reacionária.

Seria demais, portanto, "guevarizar" Faustão ou Luciano Huck por qualquer coisa.

Sua associação com o reacionarismo político-midiático é explícita demais para qualquer "guevarização" ou "bolivarização" de alguns atos aparentemente indigestos para o establishment.

No caso do Faustão, os comentários seguiam a tendência sutil da Globo em desconstruir, aos poucos, o governo Temer.

Faustão havia feito comentários pedindo a saída de Dilma Rousseff, tempos atrás, apoiando sobretudo as passeatas dos "coxinhas".

No último domingo, foi a vez dele chamar a gestão temerosa de hoje de "porra de governo".

Repercutiu muito. Virou um dos dez tópicos mais debatidos no Twitter.

Pessoas liam os jornais, na segunda-feira seguinte, e comentavam o que Faustão havia dito.

Só tinham noção da crise do governo temeroso porque a mídia plutocrática disse.

E aí, é publicada uma nota na coluna de Josias de Souza, na Folha de São Paulo.

Temer, desesperado, liga para Fausto Silva tentando explicar a reforma educacional.

O presidente temeroso desmentiu que a Educação Física perderia a obrigatoriedade no currículo escolar.

Disse que a reforma educacional será feita em 2017 com a definição da Base Nacional Curricular que seria debatida por especialistas da Educação.

Na ligação, Fausto Silva lembrou que foi repórter nos anos 80 e que certa vez entrevistou Temer, então secretário de Segurança Pública do governo Franco Montoro.

A ligação de Temer foi feita como uma tentativa vã de resolver a crise política de seu governo.

Mas, ao que parece, é uma tentativa de segurar o governo para alguns meses, de forma a deixar o desgaste se consumar no decorrer de 2017.

Evitando a saída do poder este ano, evitam-se as eleições diretas que poderão colocar um progressista no poder.

Com isso, se garante, conforme prevê a Constituição, que seja feita em 2017 uma eleição indireta para o sucessor de Temer.

Com a eleição indireta, um neoliberal vence. A plutocracia agradece. Para ela, o povo é "só um detalhe".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…