Pular para o conteúdo principal

EXIGIR CULTURA DE QUALIDADE É FASCISMO?

HÁ UMA COMPREENSÃO ERRADA DO QUE É CULTURA DE QUALIDADE.

Um grande problema das esquerdas, sem dúvida alguma, é uma visão maniqueísta da cultura.

De um lado, a "alta cultura", das elites aristocráticas, da verborragia, do eruditismo extremado.

Dos jantares formais, das exposições chiques de artes plásticas em que se expõem mais os convidados do que as obras em si, das mostras de móveis, das festas de galas incessantes e sucessivas.

É tanta formalidade que cansa qualquer um e faz muito coroa granfino ir direto para o hospital fazer fisioterapia e colocar marca-passo, de tanto andar para conversar com outros granfinos, em pé, em festas de gala realizadas uma atrás da outra.

De outro lado, a "baixa cultura", no qual o povo pobre é associado aos piores valores sociais.

A ideia que se tem é que, neste segundo caso, temos que aceitar o povo pobre da forma que é.

Confunde-se essa situação degradante com "pureza", "inocência" e "naturalidade".

Imaginar que rejeitar que o povo pobre fique nessa imagem degradante é "fascista" é muito grave.

O lobby de intelectuais "bacanas" revela a prevalência dessa visão "sem preconceitos", mas bastante preconceituosa.

Temos primeiro que aceitar uma imagem do povo pobre que é construída pela sociedade elitista.

O pobre imbecilizado, resignado com sua pobreza e ignorância, expressando suas piores qualidades.

Essa aceitação, que tem o rótulo de "cultura das periferias", um termo aliás tirado do tucano Fernando Henrique Cardoso, nada tem de progressista.

É uma grande farsa que entra como pegadinha nas agendas de esquerda.

Aceita-se uma imagem pejorativa do povo pobre, difundida por ídolos musicais e subcelebridades que aparecem nas emissoras de rádio e TV, sob a desculpa do "combate ao preconceito" e da "inclusão social".

Depois, diante dos problemas apresentados por essa imagem pejorativa, as elites acadêmicas agem em socorro, "aprimorando" os "representantes do povão" no entretenimento midiático.

Dão banho de loja, mostram uns macetes mais "transados" para o ídolo popularesco de ocasião, dão uma boa cosmética visual, ideológica, cultural, tecnológica e publicitária.

Aí, pronto, ídolos associados ao grotesco mais explícito estão "culturalmente mais digeríveis".

Isso mostra uma situação delicada.

Uma visão que os "sem preconceitos" demonstram ser cruelmente preconceituosa.

Mesmo nas esquerdas, há uma visão elitista que diz que o povo pobre é incapaz de ter vontade própria.

A "sua" cultura não lhe é própria, mas uma colcha de retalhos da cultura alheia transmitida por TVs e rádios que, mesmo ditas "populares", são controladas por grupos oligárquicos, muitos bem ricos.

O povo "não" tem vontade própria, "não" pode ter decisão própria, é "muito ingênuo" e, por isso, deve permanecer no seu "ativismo" rebolando o "sucesso do momento" em alguma casa noturna de subúrbio ou zona rural.

Sim, há gente de esquerda com essa visão bastante cruel.

De vez em quando, uma Hildegard Angel surta e reivindica que não haja mais ônibus ligando a Zona Norte à Zona Sul.

Na Bahia, a professora universitária Malu Fontes comentou em 2008, sobre o sucesso do arrocha: "é o que o povo sabe fazer".

Típico comentário de madames aristocratas que não querem melhorias culturais.

As elites autoritárias gostam da chamada "alta cultura"? Sim, é verdade.

Mas se superestima esse papel como se até os vigorosos sambas dos morros fossem agora um patrimônio exclusivo das elites do Leblon.

O etnocentrismo de muitos intelectuais, até interessantes quando fazem críticas à Rede Globo, vem à tona quando há antropólogos que pensam que os jovens das favelas só ouvem "funk" e hip hop.

Há muito preconceito nessa aceitação complacente ao povo pobre.

E que deixa muitos intelectuais num impasse mal resolvido, que é compreensível quando esses intelectuais agem de boa-fé.

Como, por exemplo, acreditar que as mulheres-objetos da mídia do entretenimento são "feministas" só porque, aparentemente, não conseguem ter namorados.

Mas há também quem age de má-fé, achando que o povo pobre "não está preparado" para o protagonismo social dos avanços sociais.

Daí a preocupação em manter o povo pobre "mobilizado" no consumismo dos fenômenos "populares demais".

Por outro lado, as elites mais ricas aceitam esse "popular demais" até além da conta.

Isso as esquerdas ignoram ou pensam, ingenuamente, que se trata de uma "invasão de front".

Ver ídolos popularescos abraçados aos barões de mídia, aos midiotas e aos plutocratas não é ação de guerrilha.

Não se faz guerrilha quando se estabelece uma relação com a vítima próxima da cumplicidade.

Os funqueiros não iriam fazer guerrilha no Caldeirão do Huck se, gratos ao apresentador amigo de Aécio Neves, criam um jargão tipo "é o caldeirão" como sinônimo de "é o máximo".

Além do mais, as críticas à mediocridade do "popular demais" não são críticas ao povo pobre em si.

Até porque isso é uma questão apenas de mercantilização da cultura popular, é um rebaixamento da criação artística das classes populares a mercadorias propositalmente ruins.

O que se critica, nos ídolos "populares demais", é que eles, em vez de representar a vida e os anseios das classes populares, representam, isso sim, mecanismos perversos de produção de mercadorias "artísticas" ou "comportamentais".

O ídolo "popular demais" ou brega-popularesco, em primeiro lugar, se impõe como uma mercadoria e se afirma como tal através do seu sucesso.

Depois é que ele resolve dizer que é "gente", mas aí é tarde demais.

Afinal, o lugar que ele conquistou se deu sob a condição mercadológica a que se submeteu.

Querer romper com essa própria condição que foi fator de seu sucesso é contraditório. Antes ele se recusasse a fazer o papel que assumiu para fazer sucesso.

Criticar isso não é fascismo.

É mais fascista achar que o povo pobre tem que permanecer nesse entretenimento brega sob a desculpa de "livre expressão das periferias".

Não exigir cultura de qualidade é que é, sim, fascista.

Porque é defendendo um povo resignado com sua pobreza, ignorância e atraso social que se permite uma massa de manobra fácil para o autoritarismo político e econômico.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MORTE DE FERNANDA YOUNG É UM PUXÃO DE ORELHA NO BRASIL

Foi um choque eu entrar num mercado de alimentos e ver, na televisão, que Fernanda Young faleceu.

Tão nova, um ano a mais do que eu, ela era uma das mentes mais criativas e modernas da cena cultural brasileira.

Eu não cheguei a ver o seriado Os Normais, a não ser alguns trechos da série e o primeiro longa-metragem, mas vi outras criações dela e de seu marido, meu xará Alexandre Machado, como Separação?, Os Aspones, Como Aproveitar o Fim do Mundo e O Dentista Mascarado.

Alexandre Machado nasceu dez anos antes dela, mas ele destoava completamente daquele tipo "o mais velho que ser mais velho ainda" e, de tão jovial, nem parecia estar próximo dos 60 anos.

É duro para ele viver sem sua companheira, e não era só pela alta cumplicidade que os dois tinham para criar diálogos e situações bastante hilárias.

Num ano em que um sem-número de personalidades de grande talento faleceu, 2019 parece um grande pesadelo.

Espera-se que 2020 não se torne um novo pesadelo, que possa virar o jogo…

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

JORGE PAULO LEMANN FINANCIOU O "COMBATE AO PRECONCEITO" DO "POPULAR DEMAIS"

Já foi escrito isso em outra oportunidade, mas não custa enfatizar: Jorge Paulo Lemann financiou a campanha do "combate ao preconceito" da bregalização pelo "popular demais".

Tínhamos um cenário de cultura popularesca, marcado pelo politicamente incorreto, pela mediocridade artística e pelo grotesco comportamental, nos anos 1990, que estava se desgastando naturalmente.

Todo o brega-popularesco corria o risco de cair no esquecimento. Jornalistas sérios alertaram para a degradação cultural que tratava o povo de maneira caricatural.

Tudo isso se deu no fim dos anos 1990. Parecia que, se não toda a multidão popularesca, mas, ao menos, uma considerável maioria, iria arrumar as malas e deixar a fama para ir ao ostracismo.

Mas eis que uma geração de intelectuais virou a mesa: a intelectualidade "bacana", assim considerada por ela querer parecer "simpática" dentro de um cenário de anti-intelectualismo.

A partir de 2000, veio a tal campanha que consisti…

TV LINHAÇA - O QUE É O QUENUNCA?

Muitos ainda vão sabe desse novo tipo de pessoa que, sob o pretexto de se considerar imperfeito, faz apologia dos erros para continuar levando vantagens e privilégios na vida.

FEMINICÍDIOS E O PERIGO DO "AMOR DE NOITADA"

Desde que o antes chamado "crime passional", conhecido agora como um tipo principal de feminicídio, o de natureza conjugal, tornou-se crime hediondo, um novo contexto se deu na onda de crimes desse tipo, quando homens matam suas próprias mulheres.

Até parece que eles estão cometendo esses crimes para ver se a Justiça realmente funciona para eles.

O chocante crime cometido pelo professor de Biologia, o pitboy Luís Felipe Manvalier, contra a mulher, a advogada Tatiana Spiltzer, na madrugada do dia 22 de julho último, tornou-se um dos casos mais recentes.

Laudos indicam que ela teria sido estrangulada antes de ser jogada do 4º andar, e bem antes ela tinha sido agredida pelo marido.

Manvalier estava tomando anabolizantes para ficar musculoso e lutava jiu-jitsu, e também era um fã entusiasmado de Jair Bolsonaro, portanto se comportando como o bolsonarista típico, misógino e que só vê a mulher como um troféu para sua vaidade pessoal.

O crime ocorreu na cidade de Guarapuava, no in…

CO-DIFUSOR DA GÍRIA "BALADA", TUTINHA É ACUSADO DE CRIMES FINANCEIROS

GOSTA DE ESTAR NA "BALADA"? AGRADEÇA, EM PARTE, A ESSE CARA, O TUTINHA.

Uma longa reportagem de Joaquim de Carvalho, do Diário do Centro do Mundo mostra um escândalo envolvendo o dono da Jovem Pan, Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha.

Ele acabou desmentindo a acusação de que sua ex-mulher, Flávia Eluf, teria furtado bens do ex-casal após o divórcio, que havia sido difundida no Facebook, em julho de 2016.

A acusação se revelou falsa, e Tutinha e sua filha de outro casamento, Daniela, que apoiou o pai na acusação contra a madrasta, foram processados, por ação civil movida por Flávia, por danos morais.

Flávia também reagiu e recorreu ao Ministério Público Federal para lhe entregar um pen drive com as atividades financeiras do ex-marido, com quem esteve casada entre 2006 e 2015.

O pen drive contém acusações de crimes financeiros contra o empresário da Jovem Pan.

Segundo a denúncia, Tutinha seria acusado de evasão de divisas, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro …

COMO SOBREVIVER NO BRASIL GOVERNADO POR JAIR BOLSONARO?

Está bem, Michel Temer completou o mandato, rindo do "Fora Temer" que não conseguiu tirá-lo do poder, e Jair Bolsonaro tornou-se presidente da República.

Agora, temos que encarar a situação com cabeça fria. Foi perdendo a cabeça que a oposição fez com que a ditadura militar decretasse o AI-5, há 50 anos.

Bolsonaro pretende eliminar o que ele entende como "doutrinação ideológica" nas escolas, que devem retomar as antigas relações hierárquicas entre professor e aluno.

Ele divulgou o novo salário mínimo, abaixo da expectativa. Em vez de R$ 1.006, R$ 998.

Na véspera da posse, ele anunciou ainda que vai decretar leis facilitando o porte de arma do cidadão comum "sem antecedentes criminais".

Isso causará uma espécie de holocausto a varejo. O Partido dos Trabalhadores já encomendou estudos para comprovar o desastre da medida e impedir sua regulamentação (ou desregulamentação, melhor dizendo, porque será o caos).

Jair Bolsonaro ainda falou da "libertação&qu…

A PEGADINHA DE LÉO SANTANA AINDA PEGA AS ESQUERDAS

O Brasil é um país ainda muito, muito atrasado.

Tanto que só agora, nós temos movimentos identitários que, nos EUA, ocorriam há mais de 50 anos, através do fenômeno da Contracultura.

Já temos o grotesco Carlos Bolsonaro, o Carlucho, filho do presidente Jair Bolsonaro, conduzindo pautas reacionárias, desta vez dizendo que a democracia não permite mudanças rápidas no Brasil.

Eduardo Bolsonaro corroborou o irmão e o comparou a "Winston Church" (sic).

Se os filhos de Jair ameaçam a democracia - depois que os "filhos de Januário" da Operação Lava Jato ameaçavam a Justiça, com suas tramoias - , e ninguém mexe para tirar Jair do poder, então a coisa é séria.

As esquerdas ainda mantém muitos focos de ingenuidade.

Seus heróis são da direita: mulheres-objetos, funqueiros, ídolos popularescos em geral e até "médiuns espíritas".

Acham os esquerdistas mais ingênuos que, com um pouco de pensamento desejoso, as raposas podem não só reconstruir o galinheiro mas tornarem…