Pular para o conteúdo principal

COMO SERÁ O BRASIL DEPOIS DA CASSAÇÃO DE EDUARDO CUNHA?


O cenário político brasileiro é complexo.

O julgamento que cassou o mandato do deputado Eduardo Cunha pode revelar um grande impasse.

Afinal, Eduardo Cunha foi um dos artífices do impeachment e agora parece ter sido abandonado pelo presidente Michel Temer e seus aliados, que o então presidente da Câmara dos Deputados ajudou a conquistar o poder.

Esperto, Cunha agora diz que a condenação explica a tese de golpe atribuída ao impeachment.

Autor das "pautas-bombas" e co-autor da "Ponte para o Futuro", como é conhecido o Plano Temer (o outro autor é Aécio Neves, através de seu programa presidencial de 2014), Cunha, agora, reclama que o programa de governo de Temer fugiu o projeto político da titular Dilma Rousseff.

Vejam só que coisa.

Foi o projeto político de Dilma Rousseff que fez a plutocracia pedir o impeachment e Temer, ao assumir o poder como interino, teve apetite guloso em desfazer todas as marcas políticas da antecessora.

Cunha colaborou para isso e agora critica o que foi feito.

É o popular "cuspir no prato em que comeu".

Agora ele fala em golpe e pretende fazer delação premiada. Consta-se que ele já tem um dossiê em andamento para falar das "recordações dos amigos".

O que ocorrerá depois?

Há vários enigmas em torno da cassação de Eduardo Cunha.

A grande mídia chegou a defendê-lo como "símbolo da moralidade" e como contraponto à presidenta Dilma Rousseff, hostilizada da maneira que conhecemos.

Depois o "precioso anel" passou a ficar apertado demais para os dedos do baronato midiático.

Eduardo Cunha agora é alvo de uma torcida midiática que comemorou a cassação.

O motivo é até simplório.

Com todas as denúncias pesando sobre ele e até sua família, com empresas-fantasmas, cumplicidade da esposa Cláudia Cruz e tudo, Cunha só foi para o julgamento porque mentiu ao declarar que não tinha contas bancárias na Suíça, dado desmentido por provas documentais.

Há também duas teses controversas sobre a cassação de Cunha.

Uma, que a cassação é o fim da decadente carreira do parlamentar.

Outra, que a cassação teria sido apenas uma manobra para Cunha continuar poderoso, mas agindo nos bastidores.

Falou-se que os aliados de Cunha iriam salvar pedindo apenas a suspensão, e não a cassação, do mandato, ou se ausentando na votação final.

Ontem foi o começo do processo, que inclui julgamento e falas da defesa e da acusação.

O que se fala é que, após a cassação, ele poderá fazer delação premiada.

E aí poderá comprometer os políticos do seu partido, PMDB.

Até Michel Temer pode estar com a "batata assando".

O cenário político pós-impeachment está muito mais caótico do que se imagina.

Tudo está imprevisível e o Brasil, desgovernado, sofre de insegurança jurídica, política e institucional crônica.

Não se sabe o que vai ocorrer, mas é certo que mais cabeças irão rolar, e não são do PT.

É esperar e ver.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…