Pular para o conteúdo principal

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL LIBERA BAIXARIAS NA TELEVISÃO BRASILEIRA


O Supremo Tribunal Federal havia determinado, assim que Dilma Rousseff foi declarada definitivamente afastada do Governo Federal, o fim da classificação indicativa nas programações de TV.

Algumas desculpas foram usadas para isso.

Trabalheira para editar novelas e programas exibidos no período diurno, redução de audiência, relações complicadas com anunciantes e blablablá.

Outro pretexto foi evitar a cobrança de multas que estaria causando prejuízo para as redes de televisão.

Diante disso, a programação foi liberada.

E isso é irônico, porque um filme como Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, foi classificado pelo truculento ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, como indicado para maiores de 18 anos.

Houve reações negativas e Moraes, como de praxe em todo o governo comandado pelo PMDB, recuou e estabeleceu a idade mínima para 16 anos.

Mas os programas Cidade Alerta e Brasil Urgente mostram violência adoidado, com a criançada chegando na escola e pronto.

As telenovelas mostram cenas de violência, sexo, tantas baixarias.

Anos atrás, houve um caso surreal sobre baixarias midiáticas.

Havia a campanha do Congresso Nacional contra as baixarias da televisão, que tinha um serviço de denúncias na Internet e tudo.

De repente, a intelectualidade "bacana" foi exaltar uma figura tipo Tati Quebra-Barraco, um dos primeiros símbolos da blindagem midiática através do "funk".

Era todo aquele papo "socializante" do "funk", elaborado por jornalistas da Folha de São Paulo e O Globo e por executivos da Rede Globo.

Mas que foi, durante anos, empurrado goela abaixo para a mídia esquerdista, sob a desculpa de que era "expressão do povo pobre".

Os esforços pelo combate à baixaria foram árduos, mas tudo ficou em vão com as baixarias de Tati Quebra-Barraco e companhia.

A intelectualidade "bacana" dava um jeito para fazer apologia às baixarias.

Se havia baixaria no "pagodão" baiano, no "funk", no "forró eletrônico" etc, a culpa era toda do Gregório de Matos, morto há mais de 300 anos.

Se as dançarinas do É O Tchan mostravam seus glúteos para o close da câmera, é porque os glúteos são "paixão nacional" dos brasileiros.

Se havia pedofilia e pornografia infantil nos "bailes funk" e nos eventos de "pagodão" baiano, é porque isso era a "iniciação sexual" das jovens pobres.

Se o "proibidão" falava de violência, era "reflexo da realidade das favelas".

Era essa a hipocrisia de vários intelectuais que vinham dos porões da Folha, Globo e PSDB para sujar as páginas da mídia progressista com suas visões da "periferia" (termo lançado por Fernando Henrique Cardoso).

E essas apologias todas consolidaram a baixaria que seduz multidões, se aproveitando da ignorância e da baixa formação educacional.

Agora, fala-se que as baixarias na TV são "a vontade do povo" e o "interesse das emissoras de TV".

Uma visão mercadológica, que não tem a ver com cidadania, mas com público hipnotizado e persuadido a ter maus instintos para garantir lucros fáceis aos executivos da mídia patronal.

A intelectualidade "bacana" queria que isso fosse visto como "realidade progressista".

E hoje é o STF partidarizado que ajuda esse mercado selvagem dos baixos instintos que alimenta crimes e tantos abusos.

É a partir da consagração dessas baixarias que existem gente matando, estuprando e roubando.

Triste comunicação que faz reciclar essa realidade ruim. A baixaria acaba sendo vista, erroneamente, como um "bom exemplo" para o grande público.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…