Pular para o conteúdo principal

MICHEL TEMER E SEU DESMENTIMENTO POUCO CONFIÁVEL


No seu discurso em Brasília, hoje, o presidente Michel Temer tentou acalmar os ânimos dizendo que "não é idiota para restringir o direito dos trabalhadores, acabar com a saúde e acabar com a educação".

Temer reafirmou seu desmentimento de que os trabalhadores teriam carga horária aumentada para 12 horas por cada dia útil, como havia sido espalhado pelo ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

Ele tentou explicar que as reformas trabalhistas "estão em debate" e que as novas regras iriam incluir "contratos por produtividade" e "trabalhar apenas quatro dias por semana, folgando outros três".

Temer tenta mininizar as coisas e também dar a impressão de que sua pauta "não é reacionária".

"É preciso combatê-los e vou combatê-los", acrescentou o presidente, sobre aquilo que ele define como "boatos das redes sociais", que definem seu projeto político como retrógrado.

Mas é o mesmo papo de governos conservadores que, em crise, se passam por progressistas, seja por fingimento ou por sobrevivência política.

O problema é que o governo dele nem de longe é confiável.

Ele só tem a legitimidade de 428 votos, 367 da Câmara dos Deputados, 61 do Senado Federal.

Não há como argumentar que Temer tem os mesmos 54,5 milhões de votos da antecessora Dilma Rousseff, da qual foi vice-presidente.

Ele foi apenas um detalhe, em 2014 era tão insosso que saiu "apagado" da campanha.

Temer governa apenas para os 428 parlamentares que lhe abriram caminho e para o empresariado que defende sempre projetos neoliberais no governo republicano.

Ele defende um projeto político conservador.

Ele não vai defender ideias progressistas, mesmo que faça todo o esforço para dar a impressão que sim.

Sua mentalidade é outra, sua equipe é outra, e seus ministros já sinalizaram defender retrocessos e não progressos.

Vide o ministro da Educação, José Mendonça Filho, que acolheu o projeto medieval da Escola Sem Partido, e o do Trabalho, Ronaldo Nogueira, que cogitou carga horária de "até 12 horas".

Até porque existe um clima revanchista, nos bastidores, do governo Temer querer desfazer todas as marcas deixadas pelo Partido dos Trabalhadores.

É a velha coisa de desfazer o que o rival havia feito. Mas, muito mais do que isso, é obedecer a pauta do empresariado que patrocinou a derrubada de Dilma e planeja o banimento de Lula para 2018.

O empresariado vai querer a sua parcela de desejos atendidos. De preferência, a maior possível.

Temer já sinalizou que sua ênfase nas políticas econômicas será a iniciativa privada.

Por mais que ele fale em diálogo entre patrões e empregados, seu projeto político sinaliza sempre para a preferência dos interesses empresariais.

É a mentalidade do governo Temer, e a lógica do PMDB é essa: desmentir retrocessos, mas aplicá-los na surdina.

Daí o caráter pouco confiável das declarações de Temer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…