Pular para o conteúdo principal

O SURTO DE MIRIAM LEITÃO DIANTE DA CRISE DO GOVERNO TEMER


A crise do governo Michel Temer é tão grande que até a plutocracia e sua mídia associada admite que as vaias e protestos contra o presidente efetivo são muito intensos.

Não dá mais para esconder ou continuar como Temer e José Serra declararam, o primeiro definindo como "no máximo 100" e o outro, como "mini, mini, mini, mini".

Os protestos em São Paulo e a truculência da polícia do governador Geraldo Alckmin deram ainda mais visibilidade.

E, na abertura das Paraolimpíadas, Temer esteve presente, e, por isso, foi vaiado.

Já se passou uma semana do impeachment definitivo de Dilma Rousseff, e ela até arrumou as malas para Porto Alegre, depois de esvaziar o gabinete presidencial.

A Força Aérea Brasileira até inventou uma violenta tempestade para evitar que ela desembarque no Aeroporto Salgado Filho, onde manifestantes pró-Dilma iriam receber a ex-presidenta.

A simples recepção poderia se transformar num manifesto devastador contra Michel Temer.

Temer, presidente ilegítimo, que conquistou o poder sem voto, é vaiado por tudo quanto é canto.

Até no seu comportamento dá para perceber que ele é um canastrão político, alguém que não inspira a menor confiabilidade.

Até no Encontro com Fátima Bernardes, da Globo, a banda de apoio do cantor Johnny Hooker se apresentou com um tecladista usando a camiseta com a mensagem "Fora Temer".

O baterista veio com outra camiseta, dizendo: "Quem não tem voto cassa com golpe".

O Estadão teve que engolir esse fato e noticiá-lo friamente.

Mas a coisa também não sai de graça. Miriam Leitão, a comentarista de Economia das Organizações Globo, com espaço no Bom Dia Brasil da TV Globo e com programa próprio na Globo News, disparou um comentário na rede CBN.

"As críticas ao presidente são por insatisfação por decisões tomadas antes de sua posse", disse Miriam.

Ela ainda acrescentou: "Nada se dá de forma milagrosa. O Fora Temer é coisa de movimentos do PT. Quem herda o governo, paga o preço".

Ela minimizou o repúdio a Temer: "A população vive com inflação e desemprego, que são os motivos das vaias. Medidas que serão tomadas pelo novo governo terão solução em longo prazo".

O jornalista Leandro Fortes, em nota no Facebook, definiu Miriam Leitão como "funcionária do mês", já que esse comentário vai muito de acordo com os interesses do baronato midiático.

Que "solução" se pode esperar com trabalhadores aumentando carga horária de trabalho, prorrogando a aposentadoria, ganhando menos salários e perdendo o direito de assistência gratuita à saúde, é algo que não vai dar para entender.

Até porque teremos trabalhadores ainda mais exaustos, cansados e abatidos. O que não lhes dará força para superar essa crise.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…