Pular para o conteúdo principal

MICHEL TEMER RECORRE A "COXINHAS" PARA TENTAR SALVAR SEU GOVERNO


O governo temeroso tenta dar uma solução à sua grave crise, aquela que não passa no Jornal Nacional nem em outros veículos da mídia patronal.

Recorre aos chamados "coxinhas", os "revoltados" que iam para as ruas vestindo camisetas da CBF pedir "Fora PT", para tentar salvar o desastrado governo do sr. Michel Temer.

A notícia foi dada por Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, na edição de ontem, 24.

Michel Temer convidou grupos como Movimento Brasil Livre, Revoltados On Line, Acorda Brasil e Vem Pra Rua para estabelecer um método de comunicação informal do governo.

A ideia é usar esses movimentos para fazer propaganda positiva do governo Temer.

Segundo descreve Mônica, a iniciativa visa aproveitar a "expertise de mobilização, a sensibilidade, o fato de o MBL estar sentindo o pulso das ruas".

O MBL segue orientação fascista e esta e outras organizações solidárias, que contribuíram para as passeatas anti-Dilma, foram financiadas por partidos como PMDB, PSDB, PP e DEM.

Há contatos com núcleos juvenis destes partidos com os "apartidários" manifestantes das referidas organizações, alguns deles candidatos a vereadores ou prefeitos dentro destas mesmas agremiações partidárias.

Surgiu até denúncia envolvendo Rogério Chequer, do Vem Pra Rua, citado na lista do Wikileaks que o aponta como ligado a uma empresa offshore sediada no Estado de Delaware, nos EUA, chamada "Cyrano NY, LLC".

ROGÉRIO CHEQUER, DO VEM PRA RUA, TEVE CARREIRA EMPRESARIAL NOS EUA. CHEGUER APARECE AO LADO DO EMPRESÁRIO DAVID CHON (E) E EM MANIFESTAÇÃO COM O ATUAL CHANCELER DO GOVERNO TEMER, JOSÉ SERRA.

Segundo Fernando Brito, do blogue Tijolaço, Chequer também havia sido um empresário bem sucedido nos EUA.

Ele foi sócio de David Chon e Harry Krensky numa empresa chamada Atlas Capital Management.

Chequer também estabeleceu sociedade com Robert Citrone, um dos maiores bilionários segundo a Forbes, na empresa de fundos Discovery Atlas Fund.

Citrone moveu um processo contra Chequer, na Corte Distrital do Estado de Connecticut, também nos EUA.

As informações sobre as atividades de Chequer no Discovery Atlas foram reportadas pelo Institutional Investor em 2007.

KIM KATAGUIRI E ROGÉRIO CHEQUER, OS CARAS QUE VÃO FALAR BEM DO GOVERNO TEMER. CHEQUER APARECE AO LADO DE FHC E COMO ENTREVISTADO PELA REVISTA VEJA.

Chequer, assim como Kim Kataguiri, Marcello Reis, Fernando Holiday, Renan Santos e outros, vão fazer propaganda positiva do governo Temer.

Renan Santos, do MBL, também se destaca como réu em 16 ações cíveis e 45 ações trabalhistas que envolvem de fechamento fraudulento de empresas a calotes, passando por danos morais, num valor de R$ 4,9 milhões.

O MBL chegou também a sofrer ação de despejo de sua sede, em São Paulo.

Os "ativistas" têm um triste histórico e suas últimas manifestações anti-PT não tiveram tanto sucesso.

Não será boa ideia Temer recorrer a esse grupo.

Afinal, tanto Temer quanto os "coxinhas" estão em crise.

Uma propaganda informal dessas, nas mídias sociais, só entrará pelo ralo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…