Pular para o conteúdo principal

A "PORRA DO GOVERNO" E O BRASIL À DERIVA


As prisões de Guido Mantega, depois solto, e de Antônio Palocci, pouco depois, revelam os exageros da Operação Lava Jato.

Revelam os abusos e hesitações do midiático juiz Sérgio Moro, que lembra mais um tira de Hollywood e sósia do Super-Homem.

E revelam também a falta de controle dos ministros de Michel Temer.

Uma vez, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, disse que os trabalhadores poderão ter carga horária de 12 horas.

Repercutiu mal e Temer recuou e negou que implantaria esse limite horário na reforma trabalhista.

O temeroso presidente disse que "não era idiota" para aceitar reduzir os direitos dos trabalhadores.

Anteontem foi o ministro da Justiça, o truculento Alexandre de Moraes, que lembra mais um delegado de polícia e é amigo de Moro, que "falou demais".

Na véspera da prisão de Palocci, Moraes atuou como cabo eleitoral de Duarte Nogueira, candidato tucano à prefeitura de Ribeirão Preto, interior paulista que é domicílio do ex-ministro de Lula e Dilma.

Meu xará reaça se empolgou demais com a caminhada e falou o que não devia.

"Esta semana tem mais na Lava Jato", disse, entusiasmado, o ministro temeroso da Justiça.

Pegou mal. Ficou-se achando que os procuradores e juízes da "República de Curitiba" haviam combinado alguma coisa e adiantado alguma novidade com o ministro Moraes.

Até o reacionário-imortal Merval Pereira admitiu que os ministros de Temer "falam bobagem".

O temeroso governo e a Operação Lava Jato começam a causar problemas.

A Lava Jato ignorou a existência de esquemas de propinas do empreiteiro Marcelo Odebrecht com obras ligadas a gestões do PMDB e do PSDB.

Obras para o metrô de São Paulo, a serviço do governo de Geraldo Alckmin (PSDB) e obras de áreas olímpicas para o governo do prefeito Eduardo Paes (PMDB).

Mas isso "não vem ao caso" para a Lava Jato, pois existem provas documentais, mas não há "convicção".

Não são obras relacionadas diretamente com governos do PT.

O parcialismo de Sérgio Moro e companhia, incluindo o patético esquema de Power Point de Deltan Dallagnol, desmoralizam a Lava Jato.

Hoje a Operação Lava Jato, até pelo monopólio da narrativa oficial trazida pela grande mídia, é considerada uma "admirável cruzada contra a corrupção".

Mas quando a História passar a desenvolver sua narrativa na posteridade, ela revelará que a Lava Jato que abriu caminho para Temer foi apenas uma ação jurídica atrapalhada, tendenciosa e irregular.

O governo Temer já não está resistindo ao seu próprio desgaste. Até a grande mídia está começando a questionar "essa porra de governo".

Até o Jornal Hoje, da Globo, admitiu que Guido Mantega foi ministro que mais tempo ficou no cargo "durante a democracia".

Como se o governo Temer fosse um Estado de Exceção. E é. Mas aos olhos da Globo, não oficialmente.

Mesmo assim, se até a Globo começa a questionar o governo Temer, é porque "essa porra de governo" está decadente mesmo.

Mas o Brasil continuará à deriva, sob o comando da plutocracia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…