Pular para o conteúdo principal

PELO JEITO, JOÃO DÓRIA JR. PRECISA COMER MAIS PASTEL


A intragável e ultrapartidária Escola Sem Partido ganhou um adepto de grande valor... nas posses financeiras.

O ricaço João Dória Jr., candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo e líder nas pesquisas ligadas à grande mídia, sentiu simpatia pelo retrógrado projeto.

"Defendo o Escola Sem Partido. Nossos filhos não têm de ter educação política nas escolas. Uma criança de 6, 7 ou 8 anos não tem capacidade de decidir. Não pode ter política na escola".

Grande desconhecimento por parte do candidato, também um dos maiores empresários do país.

Ele entende que a Escola Sem Partido é um projeto "sem doutrinação política".

Grande engano: o projeto é de doutrinação política, só que para a direita.

E ele é ultrapartidarizado: sua "bandeira" é defendida por partidos como PSDB, DEM, PP, PSC e PRB.

A Escola Sem Partido reprova o debate político e a discussão de problemas sociais, mas permitirá que os alunos, pela influência de seus familiares, continuem acreditando, até depois da puberdade, em ridículas fantasias religiosas.

Como o Mar Vermelho se partindo nos tempos de Moisés, na verdade uma interpretação errada sobre a maré baixa que o referido mar tinha em certos horários.

Dória Jr. disse que as crianças de 6, 7 ou 8 anos não têm capacidade de decidir.

Dependendo do caso, têm, sim.

E quando se debate a realidade, é porque o raciocínio é estimulado. E quando se ensina História, se ensina política, e isso é inevitável.

Existem níveis de transmissão de conhecimentos, é verdade. Mas, na era da Internet, crianças aprendem desde cedo o que é política.

Com cinco anos de idade, uma criança pode ter uma noção básica da realidade política do país.

O problema é nossa sociedade bastante atrasada que ensina mal as pessoas.

E a própria grande imprensa, sobretudo nos últimos anos, está cada vez mais desinformadora e deformadora de opinião.

É muito mais ridículo pais e mães de classes abastadas debatendo sobre política em festas de aniversário de crianças do que crianças debatendo história em sala de aula.

Os pais e mães de bom status econômico chegam a ser pedantes nos debates "cultos", na verdade uma seleção de assuntos absorvidos da grande mídia, seja TV, jornais e revistas.

Empresários e profissionais liberais, homens e mulheres, bem sucedidos, brincando de ser Conselho da ONU, cronismo político, administração municipal etc.

Não que adultos não possam debater política, é óbvio. Mas o que os pais e mães de bom status social conversam sobre política é de um superficialismo que dói.

Talvez haja o medo, de parte dos defensores da Escola Sem Partido, que os filhos passem a entender mais de política que os pais.

João Dória Jr., por exemplo, não deve ser um compreendedor de política, como deveria ser.

Mas também espera-se que o PSDB não ofereça excelentes políticos.

Nem o Fernando Henrique Cardoso, tão festejado pela grande mídia, é um grande político, ele apenas é um retórico.

Desde que ele promoveu a farra da privataria, desviando uma boa parte do dinheiro público da venda de estatais para a fortuna dele e de seus amigos e familiares, a última coisa que pode se esperar de FHC é a qualidade de estadista.

Vide os episódios da tragédia da Plataforma P-36 da Petrobras, em 2001, e o esquema de compra de votos para sua reeleição, três anos antes.

A Escola Sem Partido agrada mais os analfabetos políticos do que a gente realmente politizada.

A gente politizada, mesmo, que não rebaixa o debate político a um simulacro de opiniões pedantes nas festinhas elitistas diversas.

Quem defende a Escola Sem Partido é que não entende mesmo de política, e tem medo até de ver crianças de 6 7 ou 8 anos podendo decidir e opinar os assuntos.

João Dória Jr. precisa comer mais pastel para pelo menos reduzir sua desnutrição política.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…