Pular para o conteúdo principal

COMO TODO GOVERNO EM CREPÚSCULO, TEMER APELA PARA "AGENDA POSITIVA"

PRESIDENTE TEMER TENTANDO SER POSITIVO, FAZENDO FORÇA PARA O POLEGAR DE SUA MÃO NÃO VIRAR PARA BAIXO.

O governo Michel Temer, como de praxe na História do Brasil, segue o caminho decadente dos governos de valor sócio-político duvidoso.

Governos assim começam com uma agenda bem conservadora e impopular, falam em austeridade e adotam medidas que vão contra os direitos do povo brasileiro.

Às vezes ofereciam alguma esperança, por causa da impressão dada de que a "necessidade de apertar o cinto" iria trazer progresso e prosperidade para os brasileiros.

Em governos como os do general Eurico Dutra, Jânio Quadros, José Sarney e Fernando Collor houve esses inícios de alguma esperança, independente de questões ideológicas aqui e ali.

Mas o governo Michel Temer nunca trouxe essa esperança.

E não foi por falta de defensores. A grande mídia tentou de tudo para fazer Temer ser "digerível" pelo povo brasileiro.

A Globo News, a Veja, o Globo, a revista Caras, tentavam criar uma esfera de otimismo e alegria diante do governo que prometia "pacificar o país".

Comentaristas políticos antes definidos como "urubólogos" por criminalizar até o aumento de qualidade de vida do povo pobre passaram a ser chamados de "cegonhólogos".

Passavam a falar de "esperança de crescimento", com aqueles mesmos argumentos.

Coisas do tipo: "Temer tem muito o que fazer, mas a esperança é que, em um ano, o Brasil retome o crescimento econômico, com aumento de emprego e melhoria de qualidade de vida".

Mas Temer tinha nas mãos propostas que não traziam esperança, mas apreensão.

Seu governo era visto com indiferença ou com repúdio.

Quando muito, era a "boa sociedade" que ficava feliz e jogava conversa fora, não porque Temer estava no poder, mas porque Dilma foi expulsa do governo.

Era mais uma questão de "deixa para lá" do que qualquer admiração a um político insosso.

Mesmo assim, Temer não inspirava a menor esperança, o menor otimismo. Era visto, pelas elites, quase como um "faxineiro" querendo tirar a "sujeira que 14 anos de PT deixaram no Brasil".

Mas aí vieram as crises e os escândalos, inicialmente não levados a sério, mas depois as próprias elites começaram a ficar preocupadas.

Muitas delações citando Temer e a crise política atingindo níveis insustentáveis.

E aí temos um governo agonizante, que, começando bastante conservador, tenta agora uma agenda mais "positiva".

Não se diz que, a exemplo do que se teve com Jânio Quadros, Temer tenha se tornado "progressista".

Não. Ele apenas deu aos ministros uma ordem para pesquisar medidas que soassem "positivas" para a população.

Além de, meses atrás, ele ter liberado verbas inativas do FGTS para os correntistas da Caixa sacarem (os últimos lotes se encerram este mês), Temer lançou o tal Cartão Reforma.

É um programa destinado a famílias com renda de até R$ 1,8 mil.

Os créditos variam de R$ 2 mil a R$ 9 mil para as famílias reformarem suas casas.

Um total de R$ 500 mil de recursos será liberado para implantar tal programa.

É uma pequena consolação diante da medonha reforma trabalhista que foi aprovada pela base aliada.

A reforma trabalhista, a exemplo das verbas públicas, tem seu montante praticamente congelado.

A mesma remuneração das empresas aos empregados, na prática, será distribuída para mais trabalhadores, com diminuição de salários.

Isso na melhor das hipóteses, porque o "bolo" será cada vez mais confiscado pelo empresariado, sobrando poucas fatias, para não dizer as migalhas.

Com a reforma, empregados trabalharão mais e receberão menos.

Gestantes "podem" trabalhar em condições insalubres e empregados podem até negociar o horário de almoço.

Trabalhadores rurais "podem" receber almoço e alojamento no lugar dos salários.

A agenda "positiva" tenta dar ao povo brasileiro um "prêmio de consolação".

E tudo isso porque Temer, depois que foi poupado de perder o mandato pelo Tribunal Superior Eleitoral, agora tem atenuada sua situação com a denúncia contra ele analisada pela Câmara dos Deputados.

O relatório de Sérgio Zveiter foi rejeitado e ele pode sair da Comissão de Constituição e Justiça.

Outro relatório, de outro deputado da CCJ, Paulo Abi-Ackel, substituiu o anterior e é mais generoso a Temer.

Mas Abi-Ackel assumiu tal trabalho sem consultar o PSDB, que já pensa em deixar a base aliada.

A esperança é essa, ironicamente: o partido que idealizou o governo Temer, o PSDB, desembarcando de sua base.

Se o PSDB sair do governo Temer, o fim estará praticamente declarado, muito provavelmente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…