Pular para o conteúdo principal

GÍRIA "BALADA": DE JARGÃO DE RICOS À NOVILÍNGUA MIDIÁTICA


A estranha gíria "balada", que não tem pé nem cabeça e não aceita ter a vida efêmera e grupal de uma gíria, tem tudo a ver com 1984 de George Orwell.

A gíria, que define tão vagamente a vida noturna - pode ser uma apresentação de um DJ como um jantar entre amigos - , é o símbolo da novilíngua midiática.

As pessoas não percebem, porque, aparentemente, qualquer pessoa fala e se o amigo tal e a amiga qual falam, a gíria é "espontânea" e surgiu como o ar que respiramos.

Infelizmente, poucos percebem que é na cultura que existem as maiores armadilhas da corporação midiática.

Talvez por acidente ou boa-fé, até setores das esquerdas às vezes acabam falando o "sotaque da Globo".

Pois "balada" é o exemplo da novilíngua de 1984, uma mudança arbitrária de vocábulos e significantes visando empobrecer a linguagem.

Com um vocabulário mais precário e simplório, as pessoas teriam uma linguagem mais superficial, e com os vocábulos decididos "de cima", estimula-se menos o raciocínio e a percepção crítica das ideias.

A novilíngua do livro de George Orwell reduzia a diversidade de palavras e ideias, assim como sinônimos e antônimos, pois o empobrecimento linguístico é uma depreciação sócio-cultural e um meio de dominar as massas com a linguagem definida "do alto".

A gíria "balada", assim como a banalização da gíria "galera", são exemplos.

A gíria "galera" foi uma descontextualização do sentido original, ligado à tripulação de um navio.

Pela analogia de formato do estádio de futebol com navio, a gíria "galera" passou a ser usada no jargão esportivo para denominar torcidas de futebol.

A gíria também caiu no vocabulário hippie e surfista, nos anos 1970.

Até aí, nada demais. Mas "galera" passou a ser novilíngua nos anos 1990, quando foi usada pela Rede Globo, através do apresentador Fausto Silva, como jargão de projeção totalitária.

Era uma "palavra de poder", só para citar um termo do jornalista inglês Robert Fisk, feita para reduzir significantes.

"Galera" passava a "substituir" palavras como "família", "equipe", "turma", "patota", "colegas de trabalho", mostrando seu caráter reducionista da linguagem.

E revelava o poder de influência da Globo até em quem diz odiar a emissora, o que é ótimo para o domínio da família Marinho em parte de seus detratores.

Vi, num ônibus, um rapaz, de seus 30 anos presumidos, falando mal da Globo e do Domingão do Faustão mas falando "galera" o tempo todo.

De que adianta falar mal da Globo se assimila seus valores, seus ídolos, suas gírias?

Mas a gíria "balada" se torna ainda mais perversa.

Ela surgiu, na verdade, de um jargão privativo das boates frequentadas por gente rica na cidade de São Paulo, no começo dos anos 90.

Sua origem remete ao apelido que se dava a pílulas alucinógenas, "bala". "Balada" seria uma espécie de "festa" em que jovens riquinhos consumiam este tipo de "baseado".

A ideia de transformar a gíria num jargão totalitário, que se impunha acima dos tempos e dos grupos sociais, veio da Jovem Pan, conhecida pelo seu perfil extremamente reacionário.

Seu propagador era apresentador do programa Torpedo da Pan, Luciano Huck, que fazia cobertura das festas dos riquinhos paulistanos no programa Circulando, do canal CNT.

A Jovem Pan também lançou um programa de músicas dançantes e remixagens, que denominou "Na Balada".

Pouco depois, Luciano Huck, que estava na TV Bandeirantes com seu programa H, foi contratado pela Rede Globo para apresentar o Caldeirão do Huck.

Com isso, Jovem Pan e Globo resolveram fazer um teste de como a mídia venal poderia influenciar o público jovem e dominá-lo.

Usaram a gíria "balada", que já era veiculada rompendo com a vida natural de uma gíria.

Sabe-se que uma verdadeira gíria é restrita a um grupo social específico e sua vida é curta, associada às circunstâncias ocasionais da vida desse grupo.

A gíria "balada", apesar de seu claro sentido coloquial, queria ser uma espécie de "gíria do Terceiro Reich".

Queria derrubar os limites naturais de grupo e temporalidade, exercendo um poder totalitário que carrega, em seu bojo, uma ideologia de lazer frenético, viciado, obsessivo, irreal e fascista.

A palavra, fora do colóquio privativo dos jovens riquinhos paulistas, não tem pé nem cabeça. E isso é de propósito, dentro do processo da "novilíngua para jovens" do consórcio Globo / Jovem Pan.

A associação do sentido original ("bala" como eufemismo para pílula alucinógena) com a sociedade como um todo lembra os apelos maliciosos das campanhas da grife de roupas Reserva, que teve Huck como sócio e propagandista.

A ideia de tornar a gíria "balada" um vocábulo "universal" e dicionarizado era um meio de expressar o poder das elites de São Paulo sobre o resto do Brasil.

O ranço reacionário é tal que, nos tempos do Orkut, eu fiz uma crítica à gíria dizendo que ela não era coisa de gente inteligente.

Fui atingido por uma série de ataques dos chamados "fascistas mirins", os internautas reacionários tomados de ódio que agitam a rede digital.

Eles eram membros da comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo", a mais popular do Orkut, e anteciparam, em dez anos, os "coxinhas" e "bolsominions" de hoje.

O sentido novilíngua era claro: "balada" queria riscar da linguagem brasileira palavras como "festas", "noitadas", "jantares", "agitos" com uma palavra que se pronuncia quase como se estivesse cuspindo.

Juntando com a gíria "galera", fala-se até usando cacófato: "Tô na balada c'a galera".

A gíria "balada" é um dos símbolos máximos da nação "coxinha", sociopata, cyberbully e vende um ideal de vida nada saudável, mas que uma parcela rica e influente de jovens impõe como "perfeito" e "indiscutível".

É um ideal de lazer obsessivo, voltado às boates, às drogas, ao sexo compulsivo, às baixarias, em que a arrogância se torna um sentimento de triunfalismo e orgulho para a juventude fascista.

É uma espécie de "hedonismo fascista", no qual um único estilo de vida, marcado pela curtição mais mórbida e doentia, era imposto como "modelo de vida" para todo jovem.

Quem não se inserisse nesse contexto, era humilhado nas redes sociais.

Pode parecer um exagero definir "balada" como uma gíria midiática, porque muitos que falam a gíria por acidente alegam que até a vovó fala esse jargão.

Mas o fato de "todo mundo falar" não significa que a gíria surgiu espontaneamente e ninguém foi manipulado.

Afinal, também "todo mundo" foi pedir "Fora Dilma" e se admite a pressão da Rede Globo para tanto.

A cultura é usada pela mídia venal como uma armadilha bastante sutil de manipulação das mentes das pessoas.

E nada como recorrer a George Orwell para entendermos a novilíngua brasileira.

Se as pessoas falam "galera" em vez de família, equipe e turma, e falam "balada" para definir tanto uma rave quanto um jantar de confraternização, é porque a grande mídia aplica muito bem a traiçoeira novilíngua de 1984.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

SÉRGIO MORO DESAFIOU O PODER DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

O juiz da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, o ídolo midiático Sérgio Moro, parece não ter gostado de ver o Supremo Tribunal Federal tirar de suas mãos alguns processos que envolvem o ex-presidente Lula.

Na verdade, nunca foi da competência de Moro comandar qualquer processo jurídico contra Lula.

E aqui não se fala em "competência" como "incapacidade", embora Moro use métodos juridicamente discutíveis para conduzir ou coordenar investigações.

Fala-se em "competência" no sentido jurídico, ou seja, em "responsabilidade por um caso".

Em outras palavras: como um juiz de Curitiba vai investigar supostos crimes que teriam sido feitos no Estado de São Paulo?

Há muito tempo o Estado do Paraná se separou de São Paulo, lá pelos idos de 1853, portanto, cem anos antes do surgimento da Petrobras, alvo da Operação Lava Jato.

O Supremo Tribunal Federal decidiu que alguns casos supostamente envolvendo Lula passem à responsabilidade da Justiça de São Paulo.

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

ALLISON MACK E OS GRAVES ERROS DA RELIGIOSIDADE

Há poucos dias, a antiga estrela do seriado Smallville, a outrora adorável Allison Mack, foi presa e depois solta sob fiança pela acusação de envolvimento com uma seita voltada à escravidão sexual.

A seita, denominada NXIVM - lê-se "nexium" - era comandada por Keith Raniere, que também foi preso.

Allison teria sido recrutada pela colega do seriado, Kristin Kreuk, mas esta largou a seita pouco depois.

Mas Allison, alemã radicada nos EUA e aparentemente conhecida por sua simpatia e doçura, virou braço-direito de Raniere, atuando como uma co-líder da seita.

A seita, que supostamente se voltava ao "empoderamento feminino", mas promovia rituais de flagelos e escravidão sexual.

As adeptas da seita eram forçadas a correr direto para as árvores para bater as cabeças nos troncos. Ou então a beber água suja que corria no chão.

Elas eram marcadas com ferro quente, como gado bovino, seja com as iniciais KR ou AM.

As integrantes ainda eram forçadas a transar com Keith, em ritu…

O FRACASSO COXINHA SIMBOLIZADO PELAS CAMISETAS DA CBF

Este é um Brasil muito, muito estranho.

Um Brasil em que valentões da Internet fazem cyberbullying para impor a "sua verdade".

Um país onde políticos conservadores envolvidos em comprovada corrupção nem sequer precisam cogitar sobre a vida atrás das grades, porque a prisão lhes é uma possibilidade nula.

Um Brasil cujas obras psicografake de certa religião espiritualista são consideradas "autênticas" porque contém frases piegas como "sejamos irmãos" e "busquemos a paz".

Um Brasil cuja parcela de machistas que fuma demais, usa drogas ou remédios e, só porque mataram suas próprias mulheres e saíram impunes, não podem sequer morrer das doenças que produzem, como câncer ou infarto.

Um Brasil em que se acredita tolamente que um sistema de ônibus vai melhorar com ônibus de pintura igualzinha exibindo logotipos de prefeitura, secretarias de Estado, consórcios etc.

Um Brasil em que a emancipação feminina é condicionada pelo machismo, de forma que as mul…

APOIO A GOLPE MILITAR, SEGUNDO PESQUISA, CRESCE DE FORMA PREOCUPANTE

Uma pesquisa divulgada recentemente traz apreensão para o Brasil.

Embora seja uma amostragem, pois apenas uma pequena parcela de entrevistados é consultada em eventos desse tipo, os dados divulgados trazem alguma preocupação.

Foram feitas 2,5 mil entrevistas em 26 Estados brasileiros, sendo o Amapá o único deixado de fora pela pesquisa.

Segundo o Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação, parte do Programa de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT), cresceu o apoio ao golpe militar por dois critérios, o de "muito crime" ou "muita corrupção".

No caso de "muito crime", a defesa do golpe militar foi de 53,2% e na hipótese de "muita corrupção", 47,8%.

Entre os discordantes, respectivamente, 41,3% e 46,3%. No caso de quem não respondeu ou não soube responder são 5,6% e 5,8%.

O índice pode ser reflexo do clima de insatisfação e insegurança que se deu em 2013 mas que, três anos depois, resultou na retomada conservadora dos…

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL DIMINUI PODERES DE SÉRGIO MORO, TARDE DEMAIS

Bem lembrou Fernando Brito, do Tijolaço, do caráter tardio da decisão do Supremo Tribunal Federal em restringir os poderes do juiz paranaense Sérgio Moro.

O STF tirou da responsabilidade de Moro os casos da acusação do ex-presidente Lula de suposto envolvimento com as obras do sítio de Atibaia e de um terreno tido como do Instituto Lula, em São Bernardo do Campo.

Também tirou da responsabilidade do juiz paranaense o caso das palestras do ex-presidente.

A justificativa é que elas não têm relação com a Petrobras, foco de investigação da Operação Lava Jato.

Por associação, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que decidiu pela prisão de Lula com base em suposta corrupção associada ao triplex do Guarujá, também não avaliará os casos retirados das mãos de Moro.

O caso do triplex do Guarujá é tão risível, baseado em estórias mal contadas por delatores, que se falou até num "elevador privativo" que nunca existiu.

Fotos revelaram que o triplex do Edifício Solaris, na litorânea …

DELAÇÕES DE ANTÔNIO PALOCCI E RENATO DUQUE SERÃO USADAS PARA ENFRAQUECER LULA

Duas delações previstas para os próximos dias aquecem as expectativas dos opositores do Partido dos Trabalhadores de ver Lula caminhando para a derrota final, nas mãos da plutocracia.

Uma é a do antigo parceiro do ex-presidente e seu ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci, que também foi chefe do Gabinete Civil do primeiro governo Dilma Rousseff.

Outra é a de Renato Duque, que, segundo a Operação Lava Jato, é considerado ex-operador do PT no suposto esquema de propinas da Petrobras.

A delação de Palocci, agora um denunciante útil e um "quase herói" dos anti-petistas, vem com dois aspectos estranhos.

Um é que a delação será coordenada pela Polícia Federal e não pelo Ministério Público Federal, como exige a hierarquia jurídica.

Segundo, a delação foi anunciada depois que o Supremo Tribunal Federal tirou das mãos do juiz Sérgio Moro supostos casos de corrupção envolvendo Lula, como o sítio de Atibaia, as supostas obras do Instituto Lula e o dinheiro arrecadado nas palestras d…

REVELAÇÕES SOBRE DITADURA PODEM DERRUBAR PARADIGMAS E TOTENS DA SOCIEDADE CONSERVADORA

Os recentes documentos da CIA, revelados anteontem, trazem o dado chocante de que a repressão militar manteve sua intensidade mesmo na chamada "época de abertura política".

Os governos Ernesto Geisel e João Baptista Figueiredo eram citados num relatório como atuantes no comando de prisões, torturas e extermínios que, oficialmente, só se atribuía ao período do general Emílio Médici, quando o AI-5 começou a valer.

Isso derruba muitos paradigmas e revela debilidades das mais diversas, que ultrapassam o âmbito militar e político brasileiros.

Sobretudo diante de paradigmas conservadores, do machismo feminicida ao valentonismo (bullying), práticas criminosas, porém socialmente toleradas, e dos mitos da "caridade paliativa" e da bregalização cultural que glamourizam a pobreza e domesticam os pobres.

Para começar, derruba a ilusão de "anos dourados" de 1974-1979 ou do mito da breguice "tropicalizada" da Era Médici, que a intelectualidade "bacana&q…

O ATENTADO AO ACAMPAMENTO PRÓ-LULA DEIXA BRASIL EM ALERTA

Ontem ocorreu mais um atentado, quase um mês de outro que atingiu os ônibus da caravana que acompanhava o ex-presidente Lula.

Foi em Curitiba, na madrugada de ontem. Vários tiros foram dados contra o acampamento Marisa Letícia, nome em homenagem à falecida esposa do ex-presidente.

O acampamento, organizado pelo movimento Lula Livre, já estava distante da área original, que era mais próxima da sede da Polícia Federal, onde o petista está preso. O terreno, alugado, fica a 1600 metros da sede da PF.

Um pistoleiro foi filmado por uma das câmeras dos arredores. Ele foi visto a pé, mas teria fugido num carro sedan preto.

As balas encontradas, segundo a perícia, lembram as que foram encontradas no carro de Marielle Franco, assassinada em 14 de março passado. São de armas de uso restrito da Polícia Federal e do Exército.

Duas pessoas saíram feridas. Um homem foi internado em estado grave e foi identificado como Jefferson Lima de Menezes.

A coordenadora do acampamento, Edna Dantas, foi ferida…