Pular para o conteúdo principal

POR QUE O "FUNK", TIDO COMO "SUBVERSIVO", NÃO ASSUSTA AS ELITES?

JOÃO DÓRIA NETO, FILHO DO PREFEITO DE SÃO PAULO, JOÃO DÓRIA JR., CONTRATOU O FUNQUEIRO MC PIKENO, DE CAMISA BRANCA, AO LADO DO PARCEIRO MC MENOR.

O "funk", oficialmente, é tido como "subversivo" e quase sinônimo de "revolução bolivariana" no Brasil.

Mas essa reputação é falsa.

O "funk" não veio de Marte nem de Cuba, mas da Globo.

Seu sucesso só ocorreu por causa da ajuda das Organizações Globo, a partir do espaço da extinta 98 FM, e se consolidou quando Xuxa ainda apresentava programas na Rede Globo.

A consolidação do "funk" não se deu pelas verbas do PT ou por impostos de sindicatos ligados à CUT.

Ela se deu sob o apoio da Globo, Folha de São Paulo, Fundação Ford, Soros Open Society, Abril, Jovem Pan e por pessoas como Luciano Huck, Lobão, Ana Maria Braga e Danilo Gentili.

E as elites acolhem com muito gosto o "funk".

Aquela choradeira de "combater o preconceito" foi apenas para ampliar mercado.

O "funk" apenas se cola nas esquerdas porque quer abafar as acusações de que é financiado por grandes empresas.

Daí a "solidariedade" ao PT, Lula e Dilma Rousseff, visando uns bons trocados estatais do Ministério da Cultura na hipótese dos petistas voltarem ao Governo Federal.

Enquanto isso, a gente vê as elites, entre eles vários astros da Rede Globo que gritaram "Fora Dilma" com camisetas da CBF, apoiando com muito entusiasmo o "funk".

Há até socialites (socialites, não socialistas), como Carol Sampaio, que investem em eventos de "funk" para a juventude rica.

Um episódio recente para a longa antologia de flertes do "funk" com a plutocracia - de fazer a cumplicidade de Sérgio Moro e Aécio Neves parecer fichinha - ocorreu há poucos dias.

O filho de João Dória Jr. e neto de João Dória (o publicitário que inventou o Dia dos Namorados brasileiro, 12 de junho de 1949), João Dória Neto, o Johnny, resolveu fazer uma festa.

Ele completava 23 anos na época e resolveu comemorar o aniversário na mansão da família nos Jardins, área nobre da Zona Sul de São Paulo.

Uma fonte de catuaba para os 200 convidados se servirem à vontade foi instalada na festa.

Também eram servidas bebidas da marca Johnny Walker.

Para animar os convidados, o filho do prefeito de São Paulo convidou o funqueiro MC Pikeno.

Pikeno é conhecido por fazer dupla com MC Menor (às vezes conhecido como MC Di Menor), do sucesso "Sou da Favela, Ela é do Asfalto".

Eles são um dos ícones do "funk ostentação", que estabelece um discurso que soa confuso para a imagem "ativista" tão associada ao gênero.

Afinal, é uma variação do "funk", uma resposta paulista ao "funk carioca", cujas letras exaltam o consumismo e a obtenção de artigos de luxo.

Não parecem letras de paródia, nem gozação com o capitalismo, mas uma satisfação em ter carrões, colares caríssimos e ostensivos e homens colecionando mulheres como se fossem troféus.

Claro, vão dizer que é o "reflexo da realidade", que ter carrão é o "desejo de todo pobre" etc, como se isso tudo fosse positivo.

Só que isso não procede, e cultura de verdade não se contenta em ser "reflexo da realidade" nem usar isso como desculpa para certas posturas negativas.

O discurso do "funk" murcha quando chega às elites e acaba fazendo a festa de pessoas ligadas à plutocracia, como o filho do prefeito João Dória Jr., tucano símbolo dos temerosos ventos trazidos em 2016.

Malandramente, o "funk" se faz de "subversivo" e "esquerdista" para iludir a opinião pública, para depois comemorar suas vitórias nos palcos e redutos da plutocracia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…