Pular para o conteúdo principal

'ESTABLISHMENT' CAETÂNICO... OU LAVIGNIANO?


O grande problema do Tropicalismo não é sua competência artística e sua provocatividade, que criaram momentos bastante interessantes, há 50 anos.

Neste sentido, o Tropicalismo, em muitos aspectos, havia atualizado o espírito modernista de 1922 para o contexto da Contracultura, do psicodelismo e do hippismo dos anos 1960-1970.

Outra virtude é a capacidade de se tornar jovial mesmo depois da velhice, e é inegável a surpreendente jovialidade de Caetano Veloso, a caminho de completar 75 anos de idade.

O problema foi sempre o acolhimento da chamada "cultura de massa", que poucos admitem ser um perverso processo de exploração comercial da cultura popular.

O apoio dos tropicalistas à bregalização cultural acabou influindo na degradação da cultura popular, apesar daquela desculpa da "diversidade cultural".

Essa desculpa parecia verossímil, quando a tese da "geleia geral" prometia debater a cultura popular apreciando até mesmo o "lixo cultural".

Mas depois essa apreciação nada tinha de questionamento nem debate, mas de complacência.

Aí veio a "ditabranda do mau gosto", sustentando uma tese, bastante discutível, de que a genialidade artística estava no simples ato de "incomodar as pessoas".

Quanto mais vaia recebia, mais "genial" se tornava. E a intelectualidade "bacana" vestiu essa camisa com muito entusiasmo, travando a linha evolutiva da MPB.

Abriram as porteiras para a bregalização geral que escancarou o comercialismo musical e fez acostumarem mal os ouvidos juvenis.

A MPB pós-tropicalista apostava que teria cadeira cativa apoiando o brega, mas acabou sendo jogada para o escanteio.

Hoje, o jovem brasileiro médio acha a MPB "um saco".

Em parte com razão, porque a MPB passou a viver uma fase de acomodação, quando os artistas passaram a ser manipulados por produtores ávidos por lucro e tomados de fórmulas pré-determinadas.

A MPB, antes vibrante e instigante, se perdia numa overdose de canções românticas, muitas sem diálogo com a realidade dos jovens.

Saindo dos limites estritamente musicais, o Tropicalismo abriu as portas para o sensacionalismo televisivo.

Abriu caminho para a espetacularização da sociedade, empurrando de mulheres-frutas a apresentadores broncos.

Isso reduziu o povo pobre a uma caricatura de "bons selvagens", que se afirmavam sempre pelas piores qualidades.

Talvez por boa-fé, a utopia de acolher a "cultura do mau gosto" para "se somar" ao nosso longo patrimônio cultural parecia ter uma verossimilhança histórica.

Mas, refletindo melhor, o fato de refletir a realidade circunstancial fez a bregalização subtrair e pôr em risco o nosso patrimônio cultural, que reduziu-se a ser apropriado por nostálgicos e especialistas.

O povo pobre perdeu sua herança cultural, lembrando o conto "O amigo dedicado" ("The devoted friend"), de Oscar Wilde.

No conto, sabe-se que o pobre Joãozinho (ou Hans, no original, ou Johnny, num contexto mais moderno) tinha um grande patrimônio, simbolizado no jardim de belas flores.

O moleiro, que era um grande aristocrata, se fazia de admirador do jardineiro, mas usurpava as flores do rapaz, e lhe deu em troca um carrinho de mão velho e em péssimo estado.

No Brasil, os "jardineiros" ofereciam sambas, baiões, catiras, modinhas etc para os aristocratas infiltrados entre as elites intelectualizadas mas nem sempre tão cultos quanto estas.

E, de troca, os "jardineiros" (o povo pobre ou a classe média baixa) recebiam de troca fórmulas mofadas de pop estrangeiro para serem trabalhadas de forma "transbrasileira".


Com isso, os retrocessos culturais ocorreram, as empresas de entretenimento, economicamente corretas mas culturalmente perversas, cresceram e aumentaram o poder.

Aqueles antigos artistas surgidos nas classes populares se tornaram cada vez mais raros.

Em seu lugar, fetiches comportamentais que seguiam fórmulas musicais extremamente comerciais, um duplo pastiche de ritmos regionais brasileiros e de pop estrangeiro.

Em muitos casos, sem um pingo de brasilidade, ainda que postiça.

Vieram jornalistas "justiceiros", mulheres que pensavam que ser mulher-objeto era "feminismo" e o anedotário popular explorando de forma pejorativa pobres, índios, negros, mestiços e pessoas LGBT.

Em nome de uma "verdadeira cultura popular" que nada tem de verdadeira, criou-se condições para imobilizar as classes populares assim que a ditadura militar estava em crise.

E aí criou-se, nas elites pós-tropicalistas, um establishment que se definiu como "caetânico", devido à imagem que Caetano Veloso e, por associação, Gilberto Gil passaram a representar nos anos 1970 e 1980.

Cláudio Júlio Tognoli, jornalista da Folha, antes de seus surtos reacionários, definiu o establishment caetânico como "máfia do dendê".

Esse establishment adotava posturas ora avançadas, ora não, dentro de um tendenciosismo sócio-político-cultural.

Recentemente, o establishment acabou recebendo o protagonismo da ex-atriz Paula Lavigne, ex-esposa de Caetano e que segue amiga e empresária do cantor.

Já se fala até em establishment não caetânico, mas lavigniano, diante das recentes habilidades de apelo marqueteiro da empresária.

Consta-se que ela teria se destacado num lobby para "emepebizar" Zezé di Camargo & Luciano, através da trilha sonora de Os Dois Filhos de Francisco.

Ela lançou o movimento Procure Saber que protestava contra biografias não-oficiais, causando um clima de saia-justa nos círculos intelectuais brasileiros.

Ela também se empenhou em "emepebizar" o cantor Alexandre Pires, que deixou o (medíocre) repertório autoral para soar como crooner de MPB, à maneira de Julio Iglesias em relação aos standards estadunidenses.

Agora ela articula um movimento aparentemente bem intencionado, o #TemerJamais.

É um movimento articulado com a Rede Globo para pedir "Fora Temer", postura admitida pela emissora depois que o presidente Michel Temer deixou de atender aos interesses da emissora.

A proposta parece bem intencionada, reunindo atores arrependidos em ter apoiado Aécio Neves e outros que defendem a volta de Lula ao poder.

Assim, nomes como Marcelo Serrado e Paula Burlamaqui se juntaram a Letícia Sabatella e Leoni para, dando um tempo às diferenças, pedirem a saída de Michel Temer.

Uma música foi feita, "Xô Vampirão", para lançar o manifesto.

Só que aí chamaram a cantora Anitta para participar, num processo em que não se esconde um cheiro de tendenciosismo.

Como no caso de Alexandre Pires, no qual se determinou que ele daria um tempo no trabalho autoral.

Coisa que cheira a adesão contratual, a despolitizada Anitta participando de um ato contra Temer.

É até direito de Anitta ser despolitizada, até por ela representar o pop comercial brasileiro, feito por puro entretenimento.

O problema é "guevarizar" ela e outros nomes. Como naquela entrevista de William Waack, na qual se produziu uma "revolução cubana" num copo d'água.

Waack ironizou Anitta, com uma piadinha sobre a geração musical dela, e ela apenas teve jogo de cintura, devolvendo a ironia ao apresentador, hoje em convalescença após passar mal.

Não foi um duelo entre um nome "popular demais" com os representantes dos barões da mídia.

Se fosse assim, a Jovem Pan não estaria tocando as músicas da Anitta.

Voltando ao #TemerJamais, o problema não está na postura dos atores, músicos e cantores envolvidos.

Em muitos casos, a postura pode ser sincera, embora haja casos tendenciosos também.

O problema é que é um movimento midiático, e que, patrocinado pela Globo, revela um certo tendenciosismo.

Outro problema é que ele ainda não conseguiu adesão popular.

A Globo que, através de Luciano Huck, é capaz de transformar sua gíria "balada" em jargão "universal", não conseguiu tornar o #TemerJamais digestível entre o grande público.

E talvez, neste caso, não consiga, porque a MPB que ancora o movimento perdeu o diálogo com os jovens.

É um preço pago pelos tropicalistas para o apoio ao brega.

O brega cresceu, se multiplicou e atingiu um poder tão imenso que hoje a maior parte da música brasileira de sucesso é do mais puro comercialismo cafona do brega-popularesco.

E isso acostumou mal os ouvidos dos jovens, que ainda reagem com fúria quando se fala que eles deveriam ouvir mais MPB.

O apoio tropicalista ao brega influiu mais na criação do atual contexto político do que a política de coalizão dos governos Lula e Dilma Rousseff.

Isso porque a coalizão entre emepebistas e bregas fez com que estes últimos realizassem seu golpe cultural, cujo caso mais recente foi a apropriação brega das verbas da Lei Rouanet e das atrações das viradas culturais.

O brega que abordava de forma caricatural o povo pobre virou um império do entretenimento, e contribuiu para o enfraquecimento da cultura popular e da resignação do povo pobre com a crise política dos últimos tempos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

LUCIANO HUCK, QUE "NÃO DESEJA" CONQUISTAR A REPÚBLICA, PEDE AO IBOPE MANTER SONDAGEM SOBRE SI

Aparentemente, o apresentador Luciano Huck não pretende ser presidente da República.
O marido de Angélica Ksyvickis garante que já está muito satisfeito com o trabalho que exerce na televisão.
Ele também diz que está muito satisfeito com a colaboração indireta que dá aos projetos RenovaBR e Agora!, grupo de "centro" empenhado em "mudar o Brasil".
Segundo o Painel, da Folha de São Paulo, Luciano Huck se encontrou, em dezembro passado, com o presidente do IBOPE, Carlos Augusto Montenegro.
Na pauta, o apresentador do Caldeirão do Huck pediu para que Montenegro mantivesse o nome dele para as pesquisas de intenção de votos do instituto.
Montenegro aceitou manter o nome de Huck nas sondagens, mas adiantou que o prazo vai até abril, quando o apresentador terá que estar filiado a um partido para concorrer ao cobiçado cargo político.
Huck é um dos símbolos do Brasil de 2016, reacionário e conservador, que pretende eleger seu presidente da República em 2018.
Até agora o son…

VENDA DA EMBRAER É UM VOO INTERROMPIDO DA SOBERANIA NACIONAL

OS "SIMPÁTICOS BUSÓLOGOS" ORVILLE E WILBUR WRIGHT, QUE OS ESTADUNIDENSES ACREDITAM SEREM OS PAIS DA AVIAÇÃO.

Ontem foi anunciada a proposta de venda da Embraer para a empresa estadunidense Boeing.

É mais um artigo do feirão de patrimônios nacionais que Michel Temer anda vendendo para "combater a crise" e "enxugar o Estado brasileiro".

O petróleo está sendo vendido a varejo, a preço de banana, e perdemos algumas reservas de pré-sal para os gringos.

A norueguesa Statoil tornou-se a terceira maior petroleira em operação no Brasil, por causa das aquisições de áreas por cortesia do temeroso presidente.

Pausa para prantos e ranger de dentes: Statoil é estatal, naquele desenvolvido país europeu.

Aqui querem privatizar a Petrobras, mas, por enquanto, não abrem o jogo nem dizem se alguma atitude neste sentido está em plano.

Por enquanto, vão privatizar a Eletrobras, fazendo com que as regiões mais interioranas do país permaneçam no tempo do lampião a gás e no fogã…

A SUSPENSÃO DE POSSE DE CRISTIANE BRASIL E A PEC CONTRA A REGRA DE OURO

Dois fatos políticos nos últimos dias, relacionados ao tenebroso governo temeroso.

Um é o plano de Michel Temer criar uma PEC para aliviar as restrições da regra de ouro, para evitar que ele e seu sucessor sejam acusados de crime de responsabilidade.

A regra de ouro é uma norma na qual o governo é proibido de emitir dívidas com volume maior de investimentos.

Em outras palavras, o governo não pode contrair dívidas para pagar despesas correntes e deixar o ônus para governos posteriores.

A PEC é de autoria de Pedro Paulo Carvalho, do MDB carioca, o mesmo que tentou ser candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro, na chapa apoiada por Eduardo Paes, de quem foi secretário.

Com a PEC, o governante que contrair dívida terá suspensa sua condenação por crime de responsabilidade, até que arrume um jeitinho para endireitar as coisas.

É uma espécie de jeitinho brasileiro para evitar condenação. O governante tem tempo de desfazer a burrada e, pronto, fica com o nome limpinho na praça.

A proposta rep…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

COM MARCELO FREIXO, PSOL PARECE DESEMBARCAR DO ESQUERDISMO

Causou polêmica a declaração do deputado estadual Marcelo Freixo, do PSOL, na mais recente entrevista dada à Folha de São Paulo.

Ele disse que não sabe se hoje é "momento de união das esquerdas" em torno de Lula.

Freixo acredita que as esquerdas "pararam em 2013" e busca algo que, na aparência, soa novo.

Como um partido de classe média, o PSOL não parece profundamente inclinado às causas das classes trabalhadoras, com exceção dos sem-teto.

Aqui há que se convir da figura, até agora admirável, do líder do MTST, Guilherme Boulos, provável candidato pelo PSOL à Presidência da República.

Descontando este aspecto, o PSOL adotou posturas bastante estranhas.

Chico Alencar apareceu num evento em homenagem a Aécio Neves, teria se solidarizado com ele, e depois tentou desmentir a sua atitude.

O próprio Marcelo Freixo estava apoiando os trabalhos do xará Marcelo Bretas, o "Sérgio Moro" carioca.

E, se o PSOL não acredita nas alianças das esquerdas, visando o fortale…

PT PROCESSA REDE GLOBO E LUCIANO HUCK POR ABUSO DO PODER ECONÔMICO

O DIVÃ, QUADRO DO DOMINGÃO DO FAUSTÃO, APARENTEMENTE FOCALIZOU O AMOR DE ANGÉLICA E LUCIANO HUCK, MAS INDICOU PROPAGANDA POLÍTICA SUBLIMINAR E ILEGAL.

O deputado federal gaúcho Paulo Pimenta e o senador fluminense Lindbergh Farias, ambos do PT, entraram com uma representação contra a Rede Globo e os apresentadores Fausto Silva e Luciano Huck.

A representação acusa o programa Domingão do Faustão e a referida emissora de abuso do poder econômico, se aproveitando de tal vantagem para propaganda política subliminar.

O incidente em questão foi o quadro Divã do Faustão, que entrevistou o casal de apresentadores Luciano Huck e Angélica Ksyvickis, contratados da Globo.

Aparentemente, o programa focalizava a relação amorosa do casal, até que algumas perguntas dadas a Luciano Huck sinalizaram possível propaganda eleitoral antecipada.

À primeira vista, Huck negou que queira ser candidato à Presidência da República, afirmando que está satisfeito com a atual condição de apresentador de TV.

"N…

RISCO BRASIL, MICHEL TEMER E O PREÇO DOS RETROCESSOS DE 2016-2017

OS REIS DA QUEBRADEIRA.

A Standard & Poor, agência estadunidense que mede a classificação de risco de cada país na Economia, rebaixou a nota do Brasil de BB para BB-.

A avaliação, com base na relação entre a conduta do governo de cada país com as condições oferecidas para os investidores, pode dar mais ênfase aos interesses do mercado.

Mesmo assim, a queda de conceito do Brasil mostra que nem o mercado está gostando do governo Michel Temer e seu braço-direito econômico, o ministro da Fazenda Henrique Meirelles.

É claro que tais agências não são as melhores para avaliar as condições de nosso país. Sua preocupação social é mínima, na melhor das hipóteses.

Além disso, as agências são simpáticas às reformas impopulares de Temer, mas admitem que o desgoverno foi longe demais.

Temer, com suas "gorjetas" para obter apoios aqui e ali diante de denúncias de corrupção, simplesmente quebrou o país.

Ele se gabava de defender restrições nos gastos governamentais, mas para defender se…

PENHORA DO TRIPLEX DO GUARUJÁ FAZ DO JULGAMENTO DE LULA UMA FARSA

A duas semanas do julgamento do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva , um fato simplesmente deixa as motivações desse evento em situação ridícula.

A juíza Luciana Corrêa Tôrres de Oliveira, da 2ª Vara de Execução e Títulos no Distrito Federal, decidiu penhorar o triplex do Guarujá, o edifício Solaris, alvo da Operação Lava Jato.

Sabe-se que Lula foi condenado, sem provas, de ter recebido da empreiteira OAS o triplex do Guarujá, que ainda responde, segundo a juíza, como proprietária do imóvel.

A condenação se deu em primeira instância por iniciativa de Sérgio Moro.

O julgamento poderá corroborar a condenação, e se isso ocorrer, será em segunda instância.

Mas a juíza do Distrito Federal complicou a situação dos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, de Porto Alegre, que conduzirão o julgamento.

A OAS foi determinada a penhorar quatro propriedades para pagamento de dívidas. Uma delas é o triplex atribuído a Lula.

A penhora confirmou que Lula não é dono do triplex,…

A FALTA DE DISTINÇÃO ENTRE O COMERCIAL E NÃO-COMERCIAL NA MÚSICA BRASILEIRA

Atualmente, as gerações atuais ouvem a chamada "música de sucesso" sem ter ideia do comercialismo que isso significa.

Infelizmente, a MPB agoniza, perdida em eternas auto-homenagens, enquanto novos artistas até existem, mas eles se tornam reféns das trilhas de novelas de TV ou de reality shows musicais.

Há uma série de nomes novos que pede que selecionemos o joio do trigo.

Emepebistas esforçados que se escondem no turbilhão de sub-artistas de reality shows e ídolos da música brega-popularesca que surgem aos montes por aí.

Uma grata surpresa será Isabela Silvino, que seguirá à sua maneira a linhagem do pai, o já saudoso Paulo Silvino, e o avô, Silvino Neto, nas boas contribuições musicais.

Mas, fora essa novidade, há tantos nomes que não se sabe sumirão pelo vento do tempo.

Mas, descontado tudo isso, se observa o mainstream do brega-popularesco que agora consagrou a hegemonia quase totalitária do pop comercial à brasileira.

Os nomes do momento: Anitta, Ludmilla, Marília Mend…