Pular para o conteúdo principal

'ESTABLISHMENT' CAETÂNICO... OU LAVIGNIANO?


O grande problema do Tropicalismo não é sua competência artística e sua provocatividade, que criaram momentos bastante interessantes, há 50 anos.

Neste sentido, o Tropicalismo, em muitos aspectos, havia atualizado o espírito modernista de 1922 para o contexto da Contracultura, do psicodelismo e do hippismo dos anos 1960-1970.

Outra virtude é a capacidade de se tornar jovial mesmo depois da velhice, e é inegável a surpreendente jovialidade de Caetano Veloso, a caminho de completar 75 anos de idade.

O problema foi sempre o acolhimento da chamada "cultura de massa", que poucos admitem ser um perverso processo de exploração comercial da cultura popular.

O apoio dos tropicalistas à bregalização cultural acabou influindo na degradação da cultura popular, apesar daquela desculpa da "diversidade cultural".

Essa desculpa parecia verossímil, quando a tese da "geleia geral" prometia debater a cultura popular apreciando até mesmo o "lixo cultural".

Mas depois essa apreciação nada tinha de questionamento nem debate, mas de complacência.

Aí veio a "ditabranda do mau gosto", sustentando uma tese, bastante discutível, de que a genialidade artística estava no simples ato de "incomodar as pessoas".

Quanto mais vaia recebia, mais "genial" se tornava. E a intelectualidade "bacana" vestiu essa camisa com muito entusiasmo, travando a linha evolutiva da MPB.

Abriram as porteiras para a bregalização geral que escancarou o comercialismo musical e fez acostumarem mal os ouvidos juvenis.

A MPB pós-tropicalista apostava que teria cadeira cativa apoiando o brega, mas acabou sendo jogada para o escanteio.

Hoje, o jovem brasileiro médio acha a MPB "um saco".

Em parte com razão, porque a MPB passou a viver uma fase de acomodação, quando os artistas passaram a ser manipulados por produtores ávidos por lucro e tomados de fórmulas pré-determinadas.

A MPB, antes vibrante e instigante, se perdia numa overdose de canções românticas, muitas sem diálogo com a realidade dos jovens.

Saindo dos limites estritamente musicais, o Tropicalismo abriu as portas para o sensacionalismo televisivo.

Abriu caminho para a espetacularização da sociedade, empurrando de mulheres-frutas a apresentadores broncos.

Isso reduziu o povo pobre a uma caricatura de "bons selvagens", que se afirmavam sempre pelas piores qualidades.

Talvez por boa-fé, a utopia de acolher a "cultura do mau gosto" para "se somar" ao nosso longo patrimônio cultural parecia ter uma verossimilhança histórica.

Mas, refletindo melhor, o fato de refletir a realidade circunstancial fez a bregalização subtrair e pôr em risco o nosso patrimônio cultural, que reduziu-se a ser apropriado por nostálgicos e especialistas.

O povo pobre perdeu sua herança cultural, lembrando o conto "O amigo dedicado" ("The devoted friend"), de Oscar Wilde.

No conto, sabe-se que o pobre Joãozinho (ou Hans, no original, ou Johnny, num contexto mais moderno) tinha um grande patrimônio, simbolizado no jardim de belas flores.

O moleiro, que era um grande aristocrata, se fazia de admirador do jardineiro, mas usurpava as flores do rapaz, e lhe deu em troca um carrinho de mão velho e em péssimo estado.

No Brasil, os "jardineiros" ofereciam sambas, baiões, catiras, modinhas etc para os aristocratas infiltrados entre as elites intelectualizadas mas nem sempre tão cultos quanto estas.

E, de troca, os "jardineiros" (o povo pobre ou a classe média baixa) recebiam de troca fórmulas mofadas de pop estrangeiro para serem trabalhadas de forma "transbrasileira".


Com isso, os retrocessos culturais ocorreram, as empresas de entretenimento, economicamente corretas mas culturalmente perversas, cresceram e aumentaram o poder.

Aqueles antigos artistas surgidos nas classes populares se tornaram cada vez mais raros.

Em seu lugar, fetiches comportamentais que seguiam fórmulas musicais extremamente comerciais, um duplo pastiche de ritmos regionais brasileiros e de pop estrangeiro.

Em muitos casos, sem um pingo de brasilidade, ainda que postiça.

Vieram jornalistas "justiceiros", mulheres que pensavam que ser mulher-objeto era "feminismo" e o anedotário popular explorando de forma pejorativa pobres, índios, negros, mestiços e pessoas LGBT.

Em nome de uma "verdadeira cultura popular" que nada tem de verdadeira, criou-se condições para imobilizar as classes populares assim que a ditadura militar estava em crise.

E aí criou-se, nas elites pós-tropicalistas, um establishment que se definiu como "caetânico", devido à imagem que Caetano Veloso e, por associação, Gilberto Gil passaram a representar nos anos 1970 e 1980.

Cláudio Júlio Tognoli, jornalista da Folha, antes de seus surtos reacionários, definiu o establishment caetânico como "máfia do dendê".

Esse establishment adotava posturas ora avançadas, ora não, dentro de um tendenciosismo sócio-político-cultural.

Recentemente, o establishment acabou recebendo o protagonismo da ex-atriz Paula Lavigne, ex-esposa de Caetano e que segue amiga e empresária do cantor.

Já se fala até em establishment não caetânico, mas lavigniano, diante das recentes habilidades de apelo marqueteiro da empresária.

Consta-se que ela teria se destacado num lobby para "emepebizar" Zezé di Camargo & Luciano, através da trilha sonora de Os Dois Filhos de Francisco.

Ela lançou o movimento Procure Saber que protestava contra biografias não-oficiais, causando um clima de saia-justa nos círculos intelectuais brasileiros.

Ela também se empenhou em "emepebizar" o cantor Alexandre Pires, que deixou o (medíocre) repertório autoral para soar como crooner de MPB, à maneira de Julio Iglesias em relação aos standards estadunidenses.

Agora ela articula um movimento aparentemente bem intencionado, o #TemerJamais.

É um movimento articulado com a Rede Globo para pedir "Fora Temer", postura admitida pela emissora depois que o presidente Michel Temer deixou de atender aos interesses da emissora.

A proposta parece bem intencionada, reunindo atores arrependidos em ter apoiado Aécio Neves e outros que defendem a volta de Lula ao poder.

Assim, nomes como Marcelo Serrado e Paula Burlamaqui se juntaram a Letícia Sabatella e Leoni para, dando um tempo às diferenças, pedirem a saída de Michel Temer.

Uma música foi feita, "Xô Vampirão", para lançar o manifesto.

Só que aí chamaram a cantora Anitta para participar, num processo em que não se esconde um cheiro de tendenciosismo.

Como no caso de Alexandre Pires, no qual se determinou que ele daria um tempo no trabalho autoral.

Coisa que cheira a adesão contratual, a despolitizada Anitta participando de um ato contra Temer.

É até direito de Anitta ser despolitizada, até por ela representar o pop comercial brasileiro, feito por puro entretenimento.

O problema é "guevarizar" ela e outros nomes. Como naquela entrevista de William Waack, na qual se produziu uma "revolução cubana" num copo d'água.

Waack ironizou Anitta, com uma piadinha sobre a geração musical dela, e ela apenas teve jogo de cintura, devolvendo a ironia ao apresentador, hoje em convalescença após passar mal.

Não foi um duelo entre um nome "popular demais" com os representantes dos barões da mídia.

Se fosse assim, a Jovem Pan não estaria tocando as músicas da Anitta.

Voltando ao #TemerJamais, o problema não está na postura dos atores, músicos e cantores envolvidos.

Em muitos casos, a postura pode ser sincera, embora haja casos tendenciosos também.

O problema é que é um movimento midiático, e que, patrocinado pela Globo, revela um certo tendenciosismo.

Outro problema é que ele ainda não conseguiu adesão popular.

A Globo que, através de Luciano Huck, é capaz de transformar sua gíria "balada" em jargão "universal", não conseguiu tornar o #TemerJamais digestível entre o grande público.

E talvez, neste caso, não consiga, porque a MPB que ancora o movimento perdeu o diálogo com os jovens.

É um preço pago pelos tropicalistas para o apoio ao brega.

O brega cresceu, se multiplicou e atingiu um poder tão imenso que hoje a maior parte da música brasileira de sucesso é do mais puro comercialismo cafona do brega-popularesco.

E isso acostumou mal os ouvidos dos jovens, que ainda reagem com fúria quando se fala que eles deveriam ouvir mais MPB.

O apoio tropicalista ao brega influiu mais na criação do atual contexto político do que a política de coalizão dos governos Lula e Dilma Rousseff.

Isso porque a coalizão entre emepebistas e bregas fez com que estes últimos realizassem seu golpe cultural, cujo caso mais recente foi a apropriação brega das verbas da Lei Rouanet e das atrações das viradas culturais.

O brega que abordava de forma caricatural o povo pobre virou um império do entretenimento, e contribuiu para o enfraquecimento da cultura popular e da resignação do povo pobre com a crise política dos últimos tempos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

SÉRGIO MORO DESAFIOU O PODER DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

O juiz da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, o ídolo midiático Sérgio Moro, parece não ter gostado de ver o Supremo Tribunal Federal tirar de suas mãos alguns processos que envolvem o ex-presidente Lula.

Na verdade, nunca foi da competência de Moro comandar qualquer processo jurídico contra Lula.

E aqui não se fala em "competência" como "incapacidade", embora Moro use métodos juridicamente discutíveis para conduzir ou coordenar investigações.

Fala-se em "competência" no sentido jurídico, ou seja, em "responsabilidade por um caso".

Em outras palavras: como um juiz de Curitiba vai investigar supostos crimes que teriam sido feitos no Estado de São Paulo?

Há muito tempo o Estado do Paraná se separou de São Paulo, lá pelos idos de 1853, portanto, cem anos antes do surgimento da Petrobras, alvo da Operação Lava Jato.

O Supremo Tribunal Federal decidiu que alguns casos supostamente envolvendo Lula passem à responsabilidade da Justiça de São Paulo.

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

ALLISON MACK E OS GRAVES ERROS DA RELIGIOSIDADE

Há poucos dias, a antiga estrela do seriado Smallville, a outrora adorável Allison Mack, foi presa e depois solta sob fiança pela acusação de envolvimento com uma seita voltada à escravidão sexual.

A seita, denominada NXIVM - lê-se "nexium" - era comandada por Keith Raniere, que também foi preso.

Allison teria sido recrutada pela colega do seriado, Kristin Kreuk, mas esta largou a seita pouco depois.

Mas Allison, alemã radicada nos EUA e aparentemente conhecida por sua simpatia e doçura, virou braço-direito de Raniere, atuando como uma co-líder da seita.

A seita, que supostamente se voltava ao "empoderamento feminino", mas promovia rituais de flagelos e escravidão sexual.

As adeptas da seita eram forçadas a correr direto para as árvores para bater as cabeças nos troncos. Ou então a beber água suja que corria no chão.

Elas eram marcadas com ferro quente, como gado bovino, seja com as iniciais KR ou AM.

As integrantes ainda eram forçadas a transar com Keith, em ritu…

O FRACASSO COXINHA SIMBOLIZADO PELAS CAMISETAS DA CBF

Este é um Brasil muito, muito estranho.

Um Brasil em que valentões da Internet fazem cyberbullying para impor a "sua verdade".

Um país onde políticos conservadores envolvidos em comprovada corrupção nem sequer precisam cogitar sobre a vida atrás das grades, porque a prisão lhes é uma possibilidade nula.

Um Brasil cujas obras psicografake de certa religião espiritualista são consideradas "autênticas" porque contém frases piegas como "sejamos irmãos" e "busquemos a paz".

Um Brasil cuja parcela de machistas que fuma demais, usa drogas ou remédios e, só porque mataram suas próprias mulheres e saíram impunes, não podem sequer morrer das doenças que produzem, como câncer ou infarto.

Um Brasil em que se acredita tolamente que um sistema de ônibus vai melhorar com ônibus de pintura igualzinha exibindo logotipos de prefeitura, secretarias de Estado, consórcios etc.

Um Brasil em que a emancipação feminina é condicionada pelo machismo, de forma que as mul…

APOIO A GOLPE MILITAR, SEGUNDO PESQUISA, CRESCE DE FORMA PREOCUPANTE

Uma pesquisa divulgada recentemente traz apreensão para o Brasil.

Embora seja uma amostragem, pois apenas uma pequena parcela de entrevistados é consultada em eventos desse tipo, os dados divulgados trazem alguma preocupação.

Foram feitas 2,5 mil entrevistas em 26 Estados brasileiros, sendo o Amapá o único deixado de fora pela pesquisa.

Segundo o Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação, parte do Programa de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT), cresceu o apoio ao golpe militar por dois critérios, o de "muito crime" ou "muita corrupção".

No caso de "muito crime", a defesa do golpe militar foi de 53,2% e na hipótese de "muita corrupção", 47,8%.

Entre os discordantes, respectivamente, 41,3% e 46,3%. No caso de quem não respondeu ou não soube responder são 5,6% e 5,8%.

O índice pode ser reflexo do clima de insatisfação e insegurança que se deu em 2013 mas que, três anos depois, resultou na retomada conservadora dos…

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL DIMINUI PODERES DE SÉRGIO MORO, TARDE DEMAIS

Bem lembrou Fernando Brito, do Tijolaço, do caráter tardio da decisão do Supremo Tribunal Federal em restringir os poderes do juiz paranaense Sérgio Moro.

O STF tirou da responsabilidade de Moro os casos da acusação do ex-presidente Lula de suposto envolvimento com as obras do sítio de Atibaia e de um terreno tido como do Instituto Lula, em São Bernardo do Campo.

Também tirou da responsabilidade do juiz paranaense o caso das palestras do ex-presidente.

A justificativa é que elas não têm relação com a Petrobras, foco de investigação da Operação Lava Jato.

Por associação, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que decidiu pela prisão de Lula com base em suposta corrupção associada ao triplex do Guarujá, também não avaliará os casos retirados das mãos de Moro.

O caso do triplex do Guarujá é tão risível, baseado em estórias mal contadas por delatores, que se falou até num "elevador privativo" que nunca existiu.

Fotos revelaram que o triplex do Edifício Solaris, na litorânea …

DELAÇÕES DE ANTÔNIO PALOCCI E RENATO DUQUE SERÃO USADAS PARA ENFRAQUECER LULA

Duas delações previstas para os próximos dias aquecem as expectativas dos opositores do Partido dos Trabalhadores de ver Lula caminhando para a derrota final, nas mãos da plutocracia.

Uma é a do antigo parceiro do ex-presidente e seu ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci, que também foi chefe do Gabinete Civil do primeiro governo Dilma Rousseff.

Outra é a de Renato Duque, que, segundo a Operação Lava Jato, é considerado ex-operador do PT no suposto esquema de propinas da Petrobras.

A delação de Palocci, agora um denunciante útil e um "quase herói" dos anti-petistas, vem com dois aspectos estranhos.

Um é que a delação será coordenada pela Polícia Federal e não pelo Ministério Público Federal, como exige a hierarquia jurídica.

Segundo, a delação foi anunciada depois que o Supremo Tribunal Federal tirou das mãos do juiz Sérgio Moro supostos casos de corrupção envolvendo Lula, como o sítio de Atibaia, as supostas obras do Instituto Lula e o dinheiro arrecadado nas palestras d…

REVELAÇÕES SOBRE DITADURA PODEM DERRUBAR PARADIGMAS E TOTENS DA SOCIEDADE CONSERVADORA

Os recentes documentos da CIA, revelados anteontem, trazem o dado chocante de que a repressão militar manteve sua intensidade mesmo na chamada "época de abertura política".

Os governos Ernesto Geisel e João Baptista Figueiredo eram citados num relatório como atuantes no comando de prisões, torturas e extermínios que, oficialmente, só se atribuía ao período do general Emílio Médici, quando o AI-5 começou a valer.

Isso derruba muitos paradigmas e revela debilidades das mais diversas, que ultrapassam o âmbito militar e político brasileiros.

Sobretudo diante de paradigmas conservadores, do machismo feminicida ao valentonismo (bullying), práticas criminosas, porém socialmente toleradas, e dos mitos da "caridade paliativa" e da bregalização cultural que glamourizam a pobreza e domesticam os pobres.

Para começar, derruba a ilusão de "anos dourados" de 1974-1979 ou do mito da breguice "tropicalizada" da Era Médici, que a intelectualidade "bacana&q…

O ATENTADO AO ACAMPAMENTO PRÓ-LULA DEIXA BRASIL EM ALERTA

Ontem ocorreu mais um atentado, quase um mês de outro que atingiu os ônibus da caravana que acompanhava o ex-presidente Lula.

Foi em Curitiba, na madrugada de ontem. Vários tiros foram dados contra o acampamento Marisa Letícia, nome em homenagem à falecida esposa do ex-presidente.

O acampamento, organizado pelo movimento Lula Livre, já estava distante da área original, que era mais próxima da sede da Polícia Federal, onde o petista está preso. O terreno, alugado, fica a 1600 metros da sede da PF.

Um pistoleiro foi filmado por uma das câmeras dos arredores. Ele foi visto a pé, mas teria fugido num carro sedan preto.

As balas encontradas, segundo a perícia, lembram as que foram encontradas no carro de Marielle Franco, assassinada em 14 de março passado. São de armas de uso restrito da Polícia Federal e do Exército.

Duas pessoas saíram feridas. Um homem foi internado em estado grave e foi identificado como Jefferson Lima de Menezes.

A coordenadora do acampamento, Edna Dantas, foi ferida…