SUL AMÉRICA PARADISO ACOLHE PROGRAMAS DA EXTINTA MPB FM


A rádio Sul América Paradiso FM acolheu dois programas da extinta MPB FM.

Primeiro, a emissora passou a transmitir o Samba Social Clube.

Agora, é a vez do programa Palco MPB, com apresentações ao vivo de nomes da MPB no Teatro Riachuelo, no Rio de Janeiro, que voltará ao ar no dia 07, com Diogo Nogueira.

O programa transmite concertos ao vivo em um clima mais intimista.

A medida é bem vinda e serve para minimizar as lacunas que a MPB FM deixou.

Mesmo assim, ainda é pouco.

A presença de música brasileira nas rádios de pop adulto é razoável, mas precisa aumentar, em quantidade e variação de repertório.

As músicas se limitam a serem apenas os hits, geralmente ditados pelas trilhas sonoras de novelas da Rede Globo.

Como há várias rádios de pop adulto (Sul América, JB, Alpha e Antena Um), a ideia deveria ser, além de aumentar a presença de MPB, abrir espaço para "lados B".

Isso significa acolher artistas sem acesso fácil às rádios e sem depender de trilhas sonoras de novelas.

Da mesma forma, significa também tocar músicas que não são programadas para serem hits.

É preciso uma atitude de coragem dessas, sobretudo num mercado como o pop adulto, cujas rádios costumam ser muito preguiçosas no repertório, com exceção da Antena Um.

A Antena Um, por sua vez, deveria diminuir um pouco a presença estrangeira, sem eliminá-la, claro, porque é a que mais se diferencia na divulgação de músicas estrangeiras.

A diminuição seria apenas para abrir espaço para as cotas de MPB que as rádios devem tocar.

Outra boa proposta é pedir que os programas de comunicador das rádios "AM em FM" abram espaço para tais músicas, e que elas sejam tocadas na íntegra.

Nestes casos, infelizmente, a música nunca é tocada completa, pois o comunicador fala em cima da introdução e a música é cortada antes do refrão final.

Em época de músicas inteiras disponíveis em MP3, uma rádio tocar música cortada ou com locução em cima, é imperdoável.

Rádio que age assim "leva surra" dos internautas e pode ter problemas com anunciantes e tudo.

As rádios deveriam fazer de tudo para suprir a lacuna da MPB FM no rádio.

O ideal era até a FM O Dia deixar o brega-popularesco aos poucos (já nutrido pelas rádios Fanática e Mania) e também mergulhar na abertura de espaços à MPB.

Com o jornal O Dia aumentando ainda mais o espaço aos emepebistas nos seus suplementos de lazer e diversão.

É preciso que a música brasileira de qualidade seja divulgada no rádio, porque é a única maneira dela se fixar no gosto do público médio, que anda com os ouvidos bastante sujos.

Comentários