Pular para o conteúdo principal

MUITO ESTRANHO O "FUNK", ORIGINÁRIO DE MIAMI, SE INSERIR NAS PAUTAS ESQUERDISTAS


A inclusão do "funk" na agenda das esquerdas é muito estranha.

O ritmo, por mais que a intelectualidade "bacana" diga que tenha "sotaque afro-brasileiro", se inspirou claramente no miami bass da Flórida, EUA.

Sabe-se que a Flórida não é lá um bom ambiente para se expressar ideais socialistas.

O local é reduto de latino-americanos de direita, inclusive cubanos anti-castristas, mas também jamaicanos, dominicanos e portorriquenhos, entre outros, de perfil bastante conservador.

Evidentemente, são pessoas de elite ou de classe média, mas não parece que os intérpretes, produtores e o público de miami bass, associado às classes populares, esteja inclinado a algum ideal de esquerda.

Talvez eles sejam do tipo neutro e despolitizado, embora não seja impossível haver os chamados "pobres de direita", sobretudo anti-castristas, no gênero.

Sabe-se que o miami bass é um ritmo abertamente comercial, seu esquema profissional é precarizado, e nos bastidores há muita intriga e relações, digamos, "sombrias".

Deixo detalhes para os jornalistas investigativos que puderem ir lá com dinheiro e segurança.

Hoje há uma tendência de "etnicizar" e "guevarizar" qualquer coisa, de modo que até um chiclete de bola seja considerado alimento de altíssima nutrição.

Só que vivemos numa sociedade hipermidiatizada e hipermercantilizada.

Não é o "comercial" que se torna "artístico-cultural" e "socialista", mas são as tendências mais avançadas que são assimiladas pelo mercado e pelo establishment.

Hoje até feminismo e negritude viram mercadoria, e a provocatividade pode se tornar um processo inócuo de puro entretenimento.

O desafio não está em empurrar o que era comercial ontem para o patrimônio artístico-cultural mais ocnceituado, sob a desculpa de um modismo refletir a "realidade do público".

O desafio está em evitar que façanhas comportamentais e artísticas se reduzam a meras mercadorias, através da banalização que esvazia qualquer sentido de manifestação.

O "funk" no Brasil se insere nesse contexto, não no esforço do comercial em querer ser "artístico-cultural", do mercadológico querer ser "socialista".

O contexto é de banalização do ativismo social e comportamental, reduzido à mercadoria e à banalização e, através dessa forma banal, ser apropriada pelos funqueiros.

E a sua origem baseada num ritmo comercial da Flórida mostra a incoerência de guevarizar justamente o "funk".

É claro que o nível de incoerência é menor que o "sertanejo", porque este, claramente patrocinado pelo latifúndio e pela cúpula do agronegócio, tem mais dificuldades de ser "guevarizado".

Mesmo assim, ainda que pareça verossímil, não há como "guevarizar" o "funk".

O ritmo evoca o "orgulho de ser pobre", uma estranha ideologia que muitos imaginam ser a favor das classes populares.

Não é. É apenas uma parte do mito da "pobreza legal" que pegou as esquerdas desprevenidas por causa da retórica habilidosa de uns intelectuais infiltrados, vindos da mídia venal ou por ela apoiados.

A "pobreza legal" que exaltava o que na verdade era ruim para os pobres.

Ter dentes faltando, viver em casas condenadas, trabalhar com produtos clandestinos ou piratas, as mulheres se prostituírem, os idosos se divertirem na embriaguez.

Tudo isso era visto como "positivo" por uma intelectualidade "bacana" que era divinizada e detinha a supremacia da visibilidade.

Eram intelectuais que viravam "esquerdistas" por tendenciosas críticas aos direitistas de plantão e bajulações baratas a Lula e Dilma Rousseff.

E faziam isso visando uma graninha da Lei Rouanet para financiar seu "coletivo" e suas instituições.

Aí eles difundiram o discurso da "pobreza legal" e mesmo os movimentos sociais caíram na falácia de que "como é legal ser pobre".

Evidentemente, aquele antropólogo e jornalista cultural "muito legais", que "sabem das coisas", nunca viveram nas favelas que tanto exaltam como paraísos de provocatividade.

O "funk", principal prato desse cardápio ideológico, vem com esse aspecto estranho de exaltar a "pobreza legal".

E o "funk" dá um tiro no pé na sua autoproclamação de ser "movimento cultural".

Isso porque o "funk" sempre culpa a realidade pelos defeitos expressos no gênero.

A verdadeira cultura não culpa a realidade e nem se resigna em ser reflexo dela, mas surge para intervir na mesma e criar uma realidade diferente.

O "funk", ainda que diga "seguir" tal tarefa, nunca demonstrou isso de verdade. E nada melhorou com o "funk", passados 15 anos de retórica "socializante".

O rock'n'roll, com 12 anos de existência, já provocava profundas transformações artísticas e sócio-culturais.

O "funk" não, sempre ficou na mesma essência e ainda faz pose de vítima da realidade que nunca se encorajou em transformar.

Diante disso, se o "funk" desgastar o seu verniz "libertário" e "provocador", periga cair no mesmo niilismo que fez parte do rock brasileiro e estrangeiro se tornar reacionário.

E aí talvez as esquerdas reflitam o fracasso da crença de que as forças progressistas subiriam ao poder "descendo até o chão".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…