Pular para o conteúdo principal

A INTELECTUALIDADE QUE DESCONTEXTUALIZA A CRÍTICA AO "POPULAR DEMAIS"


Oficialmente, qual a diferença entre a música comercial e a música não-comercial no Brasil?

A diferença é que a música comercial é não-comercial e a música não-comercial é comercial. Vá entender.

Hoje vivemos a era do ultracomercialismo na música brasileira, com Jojo Toddynho, Pablo Vittar e Anitta, no qual se consolida o tão almejado, há 50 anos, vínculo com o hit-parade estadunidense, e a hora é da grande mídia e dos intelectuais "bacanas" defenderem o establishment comercial.

A choradeira é a mesma: "sucessos populares" que historicamente receberam ataques de críticos musicais, "movidos pelo preconceito".

Embora parta de jornalistas, intelectuais e acadêmicos tão "bonzinhos" com o "popular demais", na esperança de que o jabaculê de hoje vire o folclore do amanhã, eles acionam a munição quando se fala de críticos da música brasileira de sucesso.

Não sobra alvo: são os "intelectuais muito inteligentes", as "esquerdas progressistas" e os "profundos conhecedores da cultura brasileira".

Dispara-se chumbo grosso contra aqueles que reprovam o "popular demais".

O texto de O Globo do último sábado, intitulado "Críticas a 'Que Tiro Foi Esse?' e outras canções levantam a questão: a música brasileira está pior?", é quase todo apologista ao ultracomercialismo musical, que, claro, alimenta a mídia e a Rede Globo, que fatura com esses sucessos.

A tese que domina a reportagem, dita por acadêmicos, é a favor do "popular demais", que, numa mistura de alhos com bugalhos, é comparada a Pixinguinha, à Bossa Nova ou à Chiquinha Gonzaga.

Apenas Nei Lopes destoa da voz corrente, admitindo que o "popular demais" é fruto de um monopólio dos meios de produção e distribuição de música.

Fora isso, o que se vê é uma descontextualização das críticas, como se o que movesse, no passado, críticas a Pixinguinha, fossem as mesmas questões que movem as críticas a Jojo Toddynho.

Essa descontextualização levou os intelectuais buscassem no distante Gregório de Mattos, lá pelo século XVIII, para explicar a erotização do É O Tchan ou do "funk".

Um absurdo é nivelar as críticas ao "funk" hoje às da Bossa Nova há 55 anos.

A Bossa Nova era uma mistura musical, de samba, jazz e standards (a canção romântica da fase áurea de Hollywood) com uma forte preocupação com a melodia e os arranjos.

O "funk" é mais um karaokê feito por ídolos fetichizados. É só uma batida e um vocal esganiçado.

E quem elogia o "funk" hoje esculhamba mais a Bossa Nova do que José Ramos Tinhorão, em outros tempos.

O problema é que, de 1968 para cá, quando vieram os primeiros críticos à bregalização musical, veio uma linhagem diferente de críticos musicais.

Isso não é levado em conta. Mas vemos uma tradição apologista de intelectuais pós-tropicalistas que levou no radicalismo atual da intelectualidade "bacana".

É uma intelectualidade que, no âmbito do anti-intelectualismo, quer ter uma imagem "simpática" e um tanto populista em relação aos sucessos "populares demais" da música brega-popularesca.

Dos bregas de raiz ao "funk", de Waldick Soriano a Jojo Toddynho, criou-se uma tradição apologética que cria um raciocínio semelhante ao de tentar provar que, por exemplo, um Big Mac do McDonald's é comida para vegetariano.

A partir dos primeiros ídolos cafonas, o comercialismo musical se tornou um fim em si mesmo.

Ele atinge seu nível máximo hoje, quando nomes como Anitta, Luan Santana e Claudia Leitte chegam a interagir com ídolos comerciais estadunidenses ou hispano-americanos em duetos.

O "popular demais", que veio dos primeiros ídolos cafonas em diante, não é expressão do povo pobre. É, sim, uma representação do povo pobre, na condição de consumidor de sucessos radiofônicos.

Se o "popular demais" é expressão de alguém, é da grande mídia que a veicula, seus executivos e produtores.

Esquecemos que as rádios ditas "populares" são oligárquicas e a mídia oligárquica nunca se opôs ao "popular demais".

Mesmo assim, intelectuais gastam maços de papel e espaços digitais para, com um discurso "cabeça", criar mirabolantes teses "etnográficas" dos quais se recorre até a Malcolm McLaren, Tom Wolfe e até Marc Bloch para explicar ou narrar os fenômenos "populares demais".

O problema não é a diversidade cultural com folclóricos, sofisticados, comerciais, cafonas etc.

É que essa desculpa de "ruptura do preconceito" só faz o "popular demais" se ampliar, criando um monopólio musical enorme.

Tentam dizer esses intelectuais que Jojo Toddynho é que é a "discriminada", a "injustiçada" e "carente de seus próprios espaços".

Quem é discriminada, injustiçada e carente de seus próprios espaços é a MPB autêntica, tão sufocada que não pode divulgar novos artistas fora do esquema mafioso das novelas da Rede Globo.

A cantora Tiê tentou alegar que o dueto com Luan Santana não é "por interesses comerciais".

Fala sério. Ela investiu "espontaneamente" nesse dueto porque está sabendo que não pode ficar parada nos mesmos espaços de divulgação.

O dueto tem motivos comerciais, sim. É para Tiê tocar nos festivais de inverno no interior do pais, porque neles o mercado "sertanejo" é que manda.

Quem faz monopólio é o "popular demais", invertendo o discurso intelectualoide que predomina no imaginário da sociedade pós-moderna.

E mostra o quanto intelectuais que se arrogam em dar a palavra final sobre o que é "expressão das classes pobres" possuem uma interpretação etnocêntrica.

Como eles foram os que mais ouviram MPB, eles ficaram cansados dela e acham que só ela é o establishment.

Acham que o "popular demais" é um bando de ídolos independentes com quase nenhum espaço na mídia.

Daí a falsa ideia de "vanguarda" que atribuem ao "popular demais".

Daí o preconceito desse pessoal "sem preconceitos".

O "bom etnocentrismo" de quem acha que o "popular demais" que rola longe deles não é mainstream.

Eles gostam porque está longe deles. É fácil ver "vanguarda" em qualquer coisa que passa a mil metros de distância.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

O CAMINHO QUE DERRUBOU UM MEMBRO DA ABL PARA MERVAL PEREIRA NELA ENTRAR

HUMBERTO DE CAMPOS, O ESCRITOR USURPADO POR OBRAS FAKE E MERVAL PEREIRA, O JORNALISTA FAKE QUE ENTROU NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS.

O Brasil é um país doente.

Acha que está assumindo uma postura nobre ao abrir mão de seus próprios tesouros e a aceitar óbitos, em boa parte prematuros, de nossos grandes gênios.

Mas se apega, de maneira febril e psicótica, aos entulhos materiais e humanos, e se ofendem quando dissemos que até nossos facínoras e assassinos também adoecem e morrem.

O país é tão doente que, não raro, trai a coerência e a justiça social para criar uma "realidade oficial" ao sabor das conveniências e interesses de uns poucos privilegiados e arrivistas.

E isso envolve muita coisa. A literatura, por exemplo.

Vemos o caso surreal, típico de comédia de Luís Buñuel, do escritor maranhense Humberto de Campos.

O autor se situa no intervalo entre a geração do fim do século XIX, de Machado de Assis e Joaquim Nabuco, e a geração de 1945, de Carlos Drummond de Andrade e Fe…

ADMIRAÇÃO DE CANTOR DO ARCTIC MONKEYS POR LÔ BORGES ENVERGONHA FMS DE POP ADULTO

O SOL ENTROU NA CABEÇA DE ALEX TURNER (E), DOS ARCTIC MONKEYS, PELA MÚSICA DE LÔ BORGES.

Depois do fim da MPB FM, rádio dedicada à música brasileira no Rio de Janeiro, as FMs de pop adulto acabaram comendo poeira nos últimos dias.

Isso porque, quando divulgou o lançamento do sexto álbum dos Arctic Monkeys, o vocalista e guitarrista da banda britânica, Alex Turner, manifestou ter sido influenciado por ninguém menos que o cantor mineiro Lô Borges.

O novo álbum, intitulado Tranquility Base Hotel & Casino, teve uma lista de influências, pelo menos de parte do vocalista e principal compositor, divulgadas pela revista Mojo.

A lista já embaralha o público brasileiro médio, mesmo o de rock, que bovinamente deve ficar assustado por não conter aqueles "sucessos" e "ídolos" que eles estão acostumados a curtir.

SEM HITS FÁCEIS - Lista de músicas ouvidas por Alex Turner confundiriam as mentes do público médio que costuma ouvir música no Brasil.

Mesmo quando aparece um Rollin…

CAMISA DA CBF GEROU TRAUMA NA POPULAÇÃO

NEYMAR APOIANDO AÉCIO NEVES, MANIFESTOCHES APOIANDO O IMPEACHMENT SOB O COMANDO DE EDUARDO CUNHA, E FASCISTAS USANDO CAMISETAS DA CBF.

Nada como um dia atrás do outro.

Diz o ditado popular: "um dia é da caça, outro do caçador". Mas, no contexto em que vivemos, a ordem deve ser invertida.

Desde que os valentões da Internet fizeram patrulha pelo "estabelecido", puxando para si o "efeito manada" dos chamados "inocentes úteis" (que pegavam carona no suposto carisma do agressor e faziam coro em atos de valentonismo), muita coisa ocorreu no Brasil.

Da simples defesa de gírias próprias da mídia venal (como "balada", patenteada pelo consórcio Rede Globo / Jovem Pan) ao recente clamor da intervenção militar, os valentões das redes sociais vivem acumulando "vitórias de Pirro" aqui e ali.

Se expõem demais com mensagens agressivas, ofensas, ameaças, blogues caluniosos, ataques em massa. E quem "está dentro" também paga caro pel…

MARJORIE ESTIANO, CLÁUDIA LEITTE E O "TRIBUNAL DA INTERNET"

"Você não é obrigado a gostar, mas tem que gostar", diz o estranho artigo primeiro da "Constituição" das mídias sociais, motivada pela tirania do valentonismo digital (cyberbullying).

É isso que fez o pessoal reagir à indiferença da atriz e cantora paranaense Marjorie Estiano quando a também cantora Cláudia Leitte foi se apresentar no programa Altas Horas de ontem.

Marjorie - que teve um texto dedicado a ela no meu livro O Mundo Não Quer Ler - e Cláudia eram convidadas do mesmo programa apresentado pelo sempre jovial Serginho Groisman.

De repente, quando Cláudia Leitte, que é ídolo da axé-music, se apresentou, Marjorie, que é da área da MPB e do Rock Brasil, simplesmente não dançou.

Isso causou uma revolta nas redes sociais, que condenaram a atitude de Marjorie, por não terem gostado da atitude da atriz e cantora.

Com base nas mensagens veiculadas, ficou uma certa tirania dos internautas de que Marjorie deveria ficar dançando, de preferência com as mãos para cima …

ASSUSTADO, MICHEL TEMER LIGA PARA FAUSTÃO PARA DAR EXPLICAÇÕES

FAUSTO SILVA LEMBROU DOS TEMPOS EM QUE ENTREVISTOU MICHEL TEMER NOS ANOS 80.

O comentário de Fausto Silva, no Domingão do Faustão da Rede Globo, contra o governo Michel Temer, foi sem dúvida alguma tendencioso.

Foi muito longe de ser um progressista.

Não dava para o intelectual "bacana", que sonha com o folclore brasileiro de amanhã montado com as breguices que rolam nos palcos do Domingão, "guevarizar" o comentário do apresentador dominical.

Farofafeiros "guevarizaram" a novela Os Dez Mandamentos, da Rede Record, só porque tiraram a Rede Globo da liderança da audiência.

Deram um tiro no pé.

Os donos da Rede Record fazem parte da "bancada da Bíblia" que ultimamente está relacionada à derrubada do governo Dilma Rousseff e ao estabelecimento de agendas retrógradas para o país no Congresso Nacional.

Uma dessas agendas é a ultradecadente Escola Sem Partido, que proibirá tanto o debate da realidade quanto a interferência em mitos religiosos.

Os farof…

A PRISÃO "DIFERENCIADA" DE EDUARDO AZEREDO

EDUARDO AZEREDO SE ENTREGANDO À POLÍCIA EM BELO HORIZONTE, HORAS DEPOIS DE SER DECLARADO FORAGIDO MEDIANTE ORDEM DE PRISÃO.

Hoje o ex-governador de Minas Gerais, o tucano Eduardo Azeredo, se entregou à polícia.

Antes de chegar à Academia de Bombeiros Militar (ABM), na Rua Piauí, bairro Funcionários, Centro-Sul de Belo Horizonte, Azeredo fez exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal.

A prisão foi mais tranquila. Afinal, segundo Bolivar Lamounier, Eduardo Azeredo é tranquilo, ele não representa ameaça, apesar de ter pensado em censurar a Internet. Mas como é um tucano...

Sabe-se que Eduardo Azeredo é réu do esquema de corrupção do mensalão tucano, já que políticos do PSDB já se envolveram com o esquema do publicitário mineiro Marcos Valério antes do Partido dos Trabalhadores levar a fama por supostas acusações.

Eduardo Azeredo terá um tratamento privilegiado, estará preso próximo à sua casa e, para ser levado à prisão, foi dispensado de usar algemas.

Até aí, nada demais. Só que…

O FRACASSO COXINHA SIMBOLIZADO PELAS CAMISETAS DA CBF

Este é um Brasil muito, muito estranho.

Um Brasil em que valentões da Internet fazem cyberbullying para impor a "sua verdade".

Um país onde políticos conservadores envolvidos em comprovada corrupção nem sequer precisam cogitar sobre a vida atrás das grades, porque a prisão lhes é uma possibilidade nula.

Um Brasil cujas obras psicografake de certa religião espiritualista são consideradas "autênticas" porque contém frases piegas como "sejamos irmãos" e "busquemos a paz".

Um Brasil cuja parcela de machistas que fuma demais, usa drogas ou remédios e, só porque mataram suas próprias mulheres e saíram impunes, não podem sequer morrer das doenças que produzem, como câncer ou infarto.

Um Brasil em que se acredita tolamente que um sistema de ônibus vai melhorar com ônibus de pintura igualzinha exibindo logotipos de prefeitura, secretarias de Estado, consórcios etc.

Um Brasil em que a emancipação feminina é condicionada pelo machismo, de forma que as mul…

DITADURA MILITAR SEMPRE FOI MARCADA POR TORTURA E CORRUPÇÃO

TANQUE SE POSICIONA, NO RIO DE JANEIRO, DURANTE O GOLPE MILITAR DE 1964.

Infeliz daquele que quer a volta da ditadura militar, ainda que sob o eufemismo de "intervenção".

Há, lamentavelmente, muita gente assim. Mesmo pobre.

O discurso é sempre o mesmo: "com um militar do poder, o Brasil vai ter ordem e a gente vai receber salários dignos, não essa ladroagem que está aí mamando do Estado".

Tem gente que prega isso e puxa um efeito manada. Pessoal apoiando, sempre com aqueles bordões: "Tem que varrer essa sujeira que está no Congresso", "Tem que privatizar tudo, do jeito que está é um mar de lama" etc.

Além disso, há a novidade surreal de que uma parcela da sociedade já defende a queda dos salários dos trabalhadores, a perda de direitos trabalhistas etc.

Pelo menos isso eu não vi no tempo da ditadura militar.

Eu, criança e diante da mídia censurada, poderia estar desinformado de 99% do que acontecia no Brasil, mas creio que tal aberração não iria …