Pular para o conteúdo principal

A INTELECTUALIDADE QUE DESCONTEXTUALIZA A CRÍTICA AO "POPULAR DEMAIS"


Oficialmente, qual a diferença entre a música comercial e a música não-comercial no Brasil?

A diferença é que a música comercial é não-comercial e a música não-comercial é comercial. Vá entender.

Hoje vivemos a era do ultracomercialismo na música brasileira, com Jojo Toddynho, Pablo Vittar e Anitta, no qual se consolida o tão almejado, há 50 anos, vínculo com o hit-parade estadunidense, e a hora é da grande mídia e dos intelectuais "bacanas" defenderem o establishment comercial.

A choradeira é a mesma: "sucessos populares" que historicamente receberam ataques de críticos musicais, "movidos pelo preconceito".

Embora parta de jornalistas, intelectuais e acadêmicos tão "bonzinhos" com o "popular demais", na esperança de que o jabaculê de hoje vire o folclore do amanhã, eles acionam a munição quando se fala de críticos da música brasileira de sucesso.

Não sobra alvo: são os "intelectuais muito inteligentes", as "esquerdas progressistas" e os "profundos conhecedores da cultura brasileira".

Dispara-se chumbo grosso contra aqueles que reprovam o "popular demais".

O texto de O Globo do último sábado, intitulado "Críticas a 'Que Tiro Foi Esse?' e outras canções levantam a questão: a música brasileira está pior?", é quase todo apologista ao ultracomercialismo musical, que, claro, alimenta a mídia e a Rede Globo, que fatura com esses sucessos.

A tese que domina a reportagem, dita por acadêmicos, é a favor do "popular demais", que, numa mistura de alhos com bugalhos, é comparada a Pixinguinha, à Bossa Nova ou à Chiquinha Gonzaga.

Apenas Nei Lopes destoa da voz corrente, admitindo que o "popular demais" é fruto de um monopólio dos meios de produção e distribuição de música.

Fora isso, o que se vê é uma descontextualização das críticas, como se o que movesse, no passado, críticas a Pixinguinha, fossem as mesmas questões que movem as críticas a Jojo Toddynho.

Essa descontextualização levou os intelectuais buscassem no distante Gregório de Mattos, lá pelo século XVIII, para explicar a erotização do É O Tchan ou do "funk".

Um absurdo é nivelar as críticas ao "funk" hoje às da Bossa Nova há 55 anos.

A Bossa Nova era uma mistura musical, de samba, jazz e standards (a canção romântica da fase áurea de Hollywood) com uma forte preocupação com a melodia e os arranjos.

O "funk" é mais um karaokê feito por ídolos fetichizados. É só uma batida e um vocal esganiçado.

E quem elogia o "funk" hoje esculhamba mais a Bossa Nova do que José Ramos Tinhorão, em outros tempos.

O problema é que, de 1968 para cá, quando vieram os primeiros críticos à bregalização musical, veio uma linhagem diferente de críticos musicais.

Isso não é levado em conta. Mas vemos uma tradição apologista de intelectuais pós-tropicalistas que levou no radicalismo atual da intelectualidade "bacana".

É uma intelectualidade que, no âmbito do anti-intelectualismo, quer ter uma imagem "simpática" e um tanto populista em relação aos sucessos "populares demais" da música brega-popularesca.

Dos bregas de raiz ao "funk", de Waldick Soriano a Jojo Toddynho, criou-se uma tradição apologética que cria um raciocínio semelhante ao de tentar provar que, por exemplo, um Big Mac do McDonald's é comida para vegetariano.

A partir dos primeiros ídolos cafonas, o comercialismo musical se tornou um fim em si mesmo.

Ele atinge seu nível máximo hoje, quando nomes como Anitta, Luan Santana e Claudia Leitte chegam a interagir com ídolos comerciais estadunidenses ou hispano-americanos em duetos.

O "popular demais", que veio dos primeiros ídolos cafonas em diante, não é expressão do povo pobre. É, sim, uma representação do povo pobre, na condição de consumidor de sucessos radiofônicos.

Se o "popular demais" é expressão de alguém, é da grande mídia que a veicula, seus executivos e produtores.

Esquecemos que as rádios ditas "populares" são oligárquicas e a mídia oligárquica nunca se opôs ao "popular demais".

Mesmo assim, intelectuais gastam maços de papel e espaços digitais para, com um discurso "cabeça", criar mirabolantes teses "etnográficas" dos quais se recorre até a Malcolm McLaren, Tom Wolfe e até Marc Bloch para explicar ou narrar os fenômenos "populares demais".

O problema não é a diversidade cultural com folclóricos, sofisticados, comerciais, cafonas etc.

É que essa desculpa de "ruptura do preconceito" só faz o "popular demais" se ampliar, criando um monopólio musical enorme.

Tentam dizer esses intelectuais que Jojo Toddynho é que é a "discriminada", a "injustiçada" e "carente de seus próprios espaços".

Quem é discriminada, injustiçada e carente de seus próprios espaços é a MPB autêntica, tão sufocada que não pode divulgar novos artistas fora do esquema mafioso das novelas da Rede Globo.

A cantora Tiê tentou alegar que o dueto com Luan Santana não é "por interesses comerciais".

Fala sério. Ela investiu "espontaneamente" nesse dueto porque está sabendo que não pode ficar parada nos mesmos espaços de divulgação.

O dueto tem motivos comerciais, sim. É para Tiê tocar nos festivais de inverno no interior do pais, porque neles o mercado "sertanejo" é que manda.

Quem faz monopólio é o "popular demais", invertendo o discurso intelectualoide que predomina no imaginário da sociedade pós-moderna.

E mostra o quanto intelectuais que se arrogam em dar a palavra final sobre o que é "expressão das classes pobres" possuem uma interpretação etnocêntrica.

Como eles foram os que mais ouviram MPB, eles ficaram cansados dela e acham que só ela é o establishment.

Acham que o "popular demais" é um bando de ídolos independentes com quase nenhum espaço na mídia.

Daí a falsa ideia de "vanguarda" que atribuem ao "popular demais".

Daí o preconceito desse pessoal "sem preconceitos".

O "bom etnocentrismo" de quem acha que o "popular demais" que rola longe deles não é mainstream.

Eles gostam porque está longe deles. É fácil ver "vanguarda" em qualquer coisa que passa a mil metros de distância.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

O CAMINHO QUE MISTURA BREGA, ROCK IN RIO, RÁDIO CIDADE E JAIR BOLSONARO

O Diário do Centro do Mundo revelou que a Artplan, empresa de publicidade de Roberto Medina, dono da marca Rock In Rio, está envolvida com a propaganda do reacionário Jair Bolsonaro.

Tentando promover um Bolsonaro pretensamente humanista, Medina sentiu a dificuldade de desenvolver esse perfil impensável num presidenciável movido pelo ódio.

No texto de Nathali Macedo, informa-se que Medina levou um dia inteiro para trabalhar a cena com Bolsonaro se emocionando ao falar da mulher e da filha.

Machista, ele custou a adotar esta atitude, ainda mais porque o presidenciável de extrema-direita é daquele tipo de homem que não chora.

Medina promoveu o primeiro Rock In Rio, que teve lá sua importância.

Com certo exagero, o primeiro Rock In Rio, de 1985, foi definido como o "Woodstock brasileiro".

Teve seus méritos. Ajudou a profissionalizar o serviço de organização de eventos musicais internacionais, criou uma nova mentalidade de shows, fez atrair artistas estrangeiros para os palcos …

FEMINICÍDIOS E O PERIGO DO "AMOR DE NOITADA"

Desde que o antes chamado "crime passional", conhecido agora como um tipo principal de feminicídio, o de natureza conjugal, tornou-se crime hediondo, um novo contexto se deu na onda de crimes desse tipo, quando homens matam suas próprias mulheres.

Até parece que eles estão cometendo esses crimes para ver se a Justiça realmente funciona para eles.

O chocante crime cometido pelo professor de Biologia, o pitboy Luís Felipe Manvalier, contra a mulher, a advogada Tatiana Spiltzer, na madrugada do dia 22 de julho último, tornou-se um dos casos mais recentes.

Laudos indicam que ela teria sido estrangulada antes de ser jogada do 4º andar, e bem antes ela tinha sido agredida pelo marido.

Manvalier estava tomando anabolizantes para ficar musculoso e lutava jiu-jitsu, e também era um fã entusiasmado de Jair Bolsonaro, portanto se comportando como o bolsonarista típico, misógino e que só vê a mulher como um troféu para sua vaidade pessoal.

O crime ocorreu na cidade de Guarapuava, no in…

A GUERRA CONTRA OS 'FAKES' DA INTERNET. FALTA COMBATER OS 'FAKES DO ALÉM'

O Movimento Brasil Livre (aka Movimento Me Livre do Brasil) anda amargando derrotas sucessivas.

Recentemente, tentou acelerar demais o já acelerado timing jurídico contra o ex-presidente Lula, e pediu ao Tribunal Superior Eleitoral uma antecipada postura pela inelegibilidade do petista.

O TSE precisa manter seu teatrinho, e além disso é subordinado ao Supremo Tribunal Federal, que já tem um plenário "seguramente" contrário a Lula, a começar pela presidente Carmen Lúcia e figurões como Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Luís Roberto Barroso.

Daí que o órgão superior eleitoral recusou o pedido dos rapazes do MBL para antecipar o banimento eleitoral a Lula com base na Lei da Ficha Limpa, que não foi apreciado ainda.

O MBL é ultraconservador, apesar de ser um movimento organizado por jovens.

Seus membros se esquecem que, numa sociedade ultraconservadora, o que vale é a hierarquia, seja por idade, tempo de serviço, cargo de liderança etc.

Isso significa que o MBL não pode mandar em…

JAIR BOLSONARO E A TIRANIA DOS IDIOTAS

ENTREVISTADORA FICA CONSTRANGIDA COM AS ASNEIRAS DITAS POR JAIR BOLSONARO NO PROGRAMA RODA VIVA DA TV CULTURA.

É preocupante a tirania dos idiotas, a partir do valentonismo das redes sociais.

Os valentões da Internet, que em 2007 se preocupavam em humilhar pessoas não-famosas por causa de frivolidades como a midiática gíria "balada" (copyright Luciano Huck e Tutinha), estão indo longe demais.

Depois de humilhar famosos e ativistas, indo de Maria Júlia Coutinho a Eduardo Guimarães, de Taís Araújo a Lola Aronovich, os brutamontes digitais que "odiavam acordar cedo" em 2007 acham hoje que um político fascista está a poucos passos do Palácio do Planalto.

É assustador como esses fascistas digitais, brutamontes que se acham "nerds" só porque se comportam de maneira debochada, contribuam para o pretenso favoritismo de Jair Bolsonaro.

Pessoas que variam entre o final da adolescência e o começo dos 40 e tantos anos se acham "donas da verdade" e combinam …

POR QUE AS ESQUERDAS SÃO TÃO CONFUSAS CULTURALMENTE?

O FATO DE HAVER DOIS LOBOS BRIGANDO NÃO SIGNIFICA QUE UM DELES SEJA NECESSARIAMENTE UM ALIADO DAS OVELHAS.

O que faz as esquerdas serem tão confusas quando o assunto são temas de alguma forma relacionados à cultura em geral?

Tão exemplares e consistentes quando se fala em assuntos econômicos, políticos e jornalísticos, elas pisam na bola quando chegam ao terreno de valores culturais, como a música, a religião e o futebol.

Nesse terreno, há uma preocupante complacência, que não raro sucumbe a gafes que fazem os esquerdistas abrirem caminho para a perigosa réplica dos reacionários da direita.

Seduzidos pela fumaça que exala um falso cheiro de povo pobre, um perfume muitas vezes forjado pela mídia venal, as esquerdas chegam mesmo a serem presas de um pensamento desejoso.

Dessa forma, atribuem a figuras como funqueiros, "médiuns espíritas", mulheres-objetos  e jogadores de futebol a chave que abrirá o portão da esperada revolução social do Terceiro Milênio.

Se tornam presas fáce…

OS PRESIDENCIÁVEIS QUE VÃO CONTINUAR O GOVERNO TEMER

GERALDO ALCKMIN, JAIR BOLSONARO E HENRIQUE MEIRELLES - ELES ASSUMEM CONTINUIDADE DO PROJETO POLÍTICO DE MICHEL TEMER.

O jovem que não gosta de Michel Temer, vale um conselho de amigo.

Evite votar em Jair Bolsonaro e seus familiares e aliados.

Eles mantém um compromisso com o projeto político do presidente Michel Temer, com suas propostas antipopulares.

O legado de Temer, de acordo com o que confirmam as reportagens de diversas fontes, é representado por, pelo menos, três candidatos: Geraldo Alckmin, Jair Bolsonaro e Henrique Meirelles.

Nem estamos falando dos genéricos Álvaro Dias e João Amoedo, em relação a Alckmin, e o Cabo Daciolo, em relação a Bolsonaro, ou Marina Silva, por parecer mais flexível.

Geraldo Alckmin forneceu a logística governamental para o presidente Temer e tem como um de seus feitos abrir caminho para Alexandre de Moraes virar ministro do Supremo Tribunal Federal.

Outro é o banqueiro e dublê de economista Henrique Meirelles, que se mantém afinado com os retrocesso…

RIO DE JANEIRO E SEU PRAGMATISMO VICIADO: HÁ SOLUÇÃO?

Nos últimos anos, alguns fenômenos desaparecidos no Rio de Janeiro reapareceram.

A rádio Antena Um, única rádio de pop adulto que sai um pouco do óbvio - embora fosse a que menos tocasse MPB, num contexto em que se pede mais música brasileira nessas emissoras - , retornou depois do fracasso retumbante da popularesca Nativa FM.

A versão impressa do Jornal do Brasil, ausente sem que sua lacuna fosse preenchida com dignidade - o jornal O Dia, possível substituto, manteve sua linha popularesca light - , retornou de forma brilhante, com linha editorial cada vez melhor e com resultados satisfatórios nas vendas.

Agora é a vez da diversidade visual das empresas de ônibus cariocas, depois de oito anos de vergonhosa padronização que desafiava as atenções dos passageiros ao dificultar a identificação visual das empresas, todas iguaizinhas.

Forçou-se muito a barra para empurrar os "ônibus iguaizinhos" para o imaginário carioca. Até a grande mídia tentou ajudar, com documentários e maté…