Pular para o conteúdo principal

O CAMINHO QUE COMEÇOU DE WALDICK SORIANO E CHEGOU A CARMEN LÚCIA


Era uma vez uma intelectualidade orgânica adestrada pelos setores da Universidade de São Paulo ligados ao PSDB.

Era uma intelectualidade híbrida, que misturava o modus operandi do IPES-IBAD com alguns trejeitos da crítica musical porralouca e dos militantes tropicalistas.

Antropólogos, sociólogos, cineastas, críticos musicais e outros se empenhavam em fazer apologia à cultura popularesca e ultracomercial.

A ideia é evitar que se repetisse o que ocorreu nos primórdios da ditadura militar.

Naquela época, a cultura popular de raiz e os artistas sofisticados e engajados se articularam para criar uma frente de resistência ao governo militar.

O objetivo da intelectualidade orgânica dos anos 90, portanto, era de substituir essa frente pela apologia ao "mau gosto popular".

A desculpa mais usada: o "combate ao preconceito" aos fenômenos "populares demais" marcados pela pieguice, pela mediocridade, pelo pitoresco, pelo aberrante, pelo ridículo.

A falácia apresentou duas principais estranhezas, nunca oficialmente contestadas.

Primeiro, que "combate ao preconceito" se espera na aceitação de fenômenos "populares" que tratam o povo pobre de maneira preconceituosa, estereotipada e caricatural?

Segundo, como empurrar o "popular demais" para a pauta das esquerdas se ele floresceu sob cenários sócio-políticos ultraconservadores e foram patrocinados pela mídia venal (Globo, Folha, SBT etc)?

O discurso de apologia ao "popular demais", com desculpas que, além do "combate ao preconceito", falava-se em "sucessos das periferias", foi empurrado goela abaixo para as esquerdas, que morderam a isca.

Nesse discurso, superestimava aspectos meramente comportamentais, além de promover uma "imagem positiva" de aspectos negativos que atingem as classes populares.

O mau gosto como suposta causa libertária, o mito da "pobreza linda", o falso feminismo das mulheres-objetos, a resignação com a miséria e o subemprego...

Na mídia de esquerda, se viam dois Brasis.

Um, na maioria das editorias, o Brasil verdadeiro, do povo batalhador, digno, ativo, corajoso e de cabeça erguida.

Outro, na editoria cultural, o Brasil espetacularizado, de pobres resignados, ingênuos, piegas, pitorescos e um tanto submissos e com mania de vitimismo.

Intelectuais contratados ou cortejados pela mídia de esquerda, mas que colaboram com interesses dos grupos Globo, Folha e Abril, botaram muitas ideias levianas nos movimentos esquerdistas.

Isso foi feito de tal forma que se defendia o "popular demais", o brega-popularesco, com o intuito de desviar o povo pobre das próprias lutas populares de esquerda.

Pior: criava-se também uma dissimulação para evitar vazar essa manipulação, com o falso engajamento atribuído ao "funk", que é o Cabo Anselmo da temporada.

O "funk", ritmo inspirado no miami bass, da Flórida anticastrista, tentou se vender como um falso paradigma de esquerdismo cultural, mas sob as claras bênçãos das Organizações Globo.

Cheio de contradições, o "funk" promovia, na verdade, a resignação do povo pobre com suas condições de inferioridade social, só pedindo para as classes média e alta também aceitarem isso.

Promovia o ufanismo das favelas, algo que parecia, no discurso, a valorização do povo pobre, mas na verdade era um apelo para os pobres não saírem de suas condições simbólicas de pobreza, por mais que ganhassem mais dinheiro e fossem aceitos ou tolerados pelas elites.

Esse engodo discursivo, no qual fazia o "funk" se dividir, por exemplo, entre a libertinagem pornográfica da "liberdade do corpo" e o aparente repúdio ao estupro e ao assédio sexual, confundiu as classes populares e iludiu os movimentos sociais.

Resultado: muita espetacularização, pouco ativismo. Muito consumismo, pouca cidadania.

E com isso o povo pobre foi induzido, mesmo pelas esquerdas, a achar que o consumismo do "popular demais" era ativismo. Ir que nem gado para ver o ídolo midiático do momento era tido como "mobilização social".

Com isso, os verdadeiros debates públicos ficaram privados. A intelectualidade "bacana" se fazia de "solidária" aos movimentos de esquerda mas sabotavam a pauta cultural para tirar o povo da luta por seus próprios direitos.

E foi assim que, desde que a "santíssima trindade" dos intelectuais "bacanas" (Paulo César de Araújo, Pedro Alexandre Sanches e Hermano Vianna) foi defender o "popular demais" apoiado pela mídia venal, chegou-se ao empenho da presidente do Supremo Tribunal Federal, Carmen Lúcia.

Primeiro, intelectuais educados pelas correntes tucanas da USP foram para a mídia esquerdista fazer seu proselitismo e empurrar o "popular demais" como suposta "cultura verdadeiramente popular".

Segundo, se impede que esquerdistas questionassem o "popular demais" que era difundido pela mídia "mais popular", porém ao mesmo tempo bastante oligárquica.

Terceiro, com o "popular demais" o povo se ocupa no entretenimento popularesco, no consumismo de fenômenos pitorescos, medíocres, aberrantes, piegas etc como se fosse um falso ativismo social e político, superestimando aspectos meramente comportamentais.

Quarto, com isso, o povo pobre deixa de lutar pelos seus problemas. Falácias como a "liberdade do corpo" e a falsa ideia da provocatividade do mau gosto como "causa libertária", ao serem tidas como "ativismo de esquerda", desencorajava o verdadeiro ativismo de esquerda.

Quinto, com a "ocupação" do povo pobre no entretenimento "popular demais", os ativistas de esquerda se isolam e seus debates se tornam mais privativos.

Daí, diante desse cenário, se fortalecem os comentaristas midiáticos mais reacionários que, sem ter o que dizer, passaram a "defender o povo" ao questionarem o "popular demais".

Era o contraponto que a intelectualidade "bacana" infiltrada nas esquerdas queria produzir. Pedro Alexandre Sanches praticamente "inventou" Rodrigo Constantino.

Os comentaristas reacionários impulsionaram o surgimento de grupos reacionários como o MBL (o "Movimento Me Livre do Brasil"), que produziram o clamor para o golpe político de 2016.

Enquanto as esquerdas defendiam o "popular demais", o povo assistia passivo a ascensão das forças golpistas e da "ditadura de toga" trazida pela Operação Lava Jato.

E tudo se deu no julgamento que reafirmou a condenação à prisão do ex-presidente Lula.

A decisão de Carmen Lúcia de desempatar a votação, estando do lado dos que rejeitaram o habeas corpus, consagrou esse longo caminho.

De repente, quem não era cachorro, não, foi o Pato da FIESP. E as esquerdas tentando esconder o direitismo de Waldick Soriano, enquanto não esperavam o direitismo de Zezé di Camargo & Luciano.

O povo pobre acabou indo embora, ocupado com o consumo do "popular demais" que as esquerdas tomaram como "seu" mas era uma falsa cultura popular promovida pela mídia oligárquica.

O Brasil acabou "descendo até o chão", e poderá eleger um plutocrata para o Palácio do Planalto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

COMO SOBREVIVER NO BRASIL GOVERNADO POR JAIR BOLSONARO?

Está bem, Michel Temer completou o mandato, rindo do "Fora Temer" que não conseguiu tirá-lo do poder, e Jair Bolsonaro tornou-se presidente da República.

Agora, temos que encarar a situação com cabeça fria. Foi perdendo a cabeça que a oposição fez com que a ditadura militar decretasse o AI-5, há 50 anos.

Bolsonaro pretende eliminar o que ele entende como "doutrinação ideológica" nas escolas, que devem retomar as antigas relações hierárquicas entre professor e aluno.

Ele divulgou o novo salário mínimo, abaixo da expectativa. Em vez de R$ 1.006, R$ 998.

Na véspera da posse, ele anunciou ainda que vai decretar leis facilitando o porte de arma do cidadão comum "sem antecedentes criminais".

Isso causará uma espécie de holocausto a varejo. O Partido dos Trabalhadores já encomendou estudos para comprovar o desastre da medida e impedir sua regulamentação (ou desregulamentação, melhor dizendo, porque será o caos).

Jair Bolsonaro ainda falou da "libertação&qu…

A POLÊMICA FESTA DA REVISTA VOGUE BRASIL

As elites brasileiras se consideram modernas e descoladas, mas andam bastante desnorteadas.

Um episódio que causou problemas foi a festa de aniversário de 50 anos de Donata Meirelles, mulher do publicitário baiano Nizan Guanaes e diretora da edição brasileira da revista Vogue.

A festa foi na sexta-feira passada e Donata tentou agradar os baianos, sentada numa cadeira de pavão de vime e cercada de duas negras vestidas de baianas. O tema da festa foi o candomblé.

A cadeira de pavão feita em fibra de vime, de origem asiática e utilizada por Huey P. Newton, dos Panteras Negras, e por Elza Soares, em um álbum de 1974, foi apropriada pela socialite que acabou sendo vista como a "sinhá" do cenário.

A imagem acabou remetendo ao Brasil colonial, com uma mulher branca ao lado de duas negras que sugerem simbolizar escravas vestindo roupas brancas.

A repercussão na Internet foi negativa.

A festa teve a participação de nomes como Caetano Veloso e Margareth Menezes.

No dia seguinte ao an…

DESEJO MUITA BOA SORTE A JEAN WYLLYS

Lamentável, porém necessário.

Jean Wyllys renunciou ao cargo de deputado federal, do qual foi reeleito por uma pequena vantagem, como exceção numa maioria de reacionários eleitos para o Legislativo federal.

Ele era um dos mais atuantes deputados federais do Brasil e sua experiência de oito anos foi marcada pela coragem, pela dignidade e pela honestidade.

Infelizmente, ele teve que desistir, por ser um dos dois parlamentares do PSOL ameaçados de morte por milicianos, além de Marcelo Freixo.

Os dois perderam a amiga e colega de partido, a vereadora Marielle Franco, covardemente morta junto com seu motorista Anderson Gomes.

Só agora foram presos ou identificados suspeitos do crime. E dois deles foram homenageados e tiveram familiares empregados no gabinete de Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro.

Jean Wyllys sentiu o peso desse cenário medonho, e teve que zelar por sua segurança, pela sua vida, e deixou o país rumo a um paradeiro oculto.

O motivo não foi exatamente o gov…

DESCASO PROVOCOU TRAGÉDIA NO CT DO FLAMENGO

Nem para defender seus interesses cariocas e fluminenses agem com prudência.

Eles se preocupam tanto em transformar o futebol em unanimidade, agindo com preconceito contra quem não curte futebol, que se esquecem de zelar pelos assuntos relacionados ao esporte.

Se preocupam, quando conhecem um possível amigo, em perguntar primeiro o seu time, antes do próprio nome, mas não se cuidam da segurança de um alojamento de jogadores.

Pois o time com maior número de torcedores, o Clube de Regatas Flamengo, sofreu uma tragédia que vitimou aqueles que seriam seus futuros jogadores.

Um incêndio ocorrido no Centro de Treinamento do Flamengo, na Vargem Grande, onde se alojaram meninos da equipe sub-17, matou 10 jovens atletas, além de deixar outros três feridos, um com gravidade, conforme informações dadas até a tarde de ontem.

Os mortos teriam sido sufocados por gases tóxicos expelidos pelas chamas, além de gravemente feridos por queimaduras e sem poderem sair de seus quartos, onde dormiam.

A trag…

BRUMADINHO: A PRIMEIRA TRAGÉDIA DO BRASIL DE BOLSONARO

Enquanto no Grande Rio um violento temporal causa estragos e até uma morte, a de um banhista em Copacabana atingido por um dos 700 raios que caíram na tarde de ontem, o lodo soterrou a região de Brumadinho, Minas Gerais, em mais uma queda de barreira.

Foi na hidrelétrica de Retiro Baixo, administrada pela Vale.

A informação inicial foi que, pelo menos, duzentas pessoas ficaram desaparecidas. Mais de cem foram resgatadas com vida.

Até o momento que escrevo este texto, por volta de 22h50, sete pessoas morreram.

A tragédia ocorreu cerca de três anos e dois meses após a tragédia de Mariana, que aconteceu de maneira semelhante.

Como um tsunami de lodo, o lamaçal se deslizou atingindo casas e moradores.

No caso de Mariana, a tragédia causou estragos em boa parte do Estado de Minas Gerais e parte do Espírito Santo.

A tragédia de Brumadinho é a primeira a ser enfrentada pelo governo Jair Bolsonaro.

Jair Bolsonaro e seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, decidiram ir ao local para ver…

O SAUDOSISMO ARTIFICIAL DOS ANOS 90

Eu só errei um pouco a data de quando a década de 1990 seria alvo de um saudosismo mercadologicamente programado.

Pensava que era 2015, mas o saudosismo artificial se dá agora, quatro anos depois.

A década de 1990, no Brasil, diferente do que ocorreu nos EUA e Reino Unido, onde prevaleceu a ressaca melancólica após o fim das eras Margareth Thatcher e Ronald Reagan / George Bush (pai), foi uma tradução tardia do hedonismo vazio dos anos 1980.

Os anos 90 foram a década perdida do Brasil, marcada pela imbecilização cultural que a mídia venal, por eufemismo, define como "politicamente incorreto".

Filmes de violência na Sessão da Tarde, hegemonia do brega na música brasileira, erotização precoce em programas infantis, baixarias na TV para alavancar audiência, crescimento vertiginoso dos programas policialescos.

Tinha a Banheira do Gugu Liberato, a agressividade do Ratinho, a violência glamourizada do Aqui Agora.

A década de 1990 foi a colocação em prática da farra de concessões …

QUAL O FUTURO DA BAND SEM RICARDO BOECHAT?

RICARDO BOECHAT, NO JORNAL DA BAND, AO LADO DE PALOMA TOCCI.
Um interessante texto do Gente, portal de celebridades do IG, indaga sobre o futuro do Grupo Bandeirantes sem Ricardo Boechat.
A morte do âncora da TV Bandeirantes e da Band News FM deixou uma lacuna irreparável.
Isso é consenso. Boechat tinha uma inteligência e uma competência ímpares e um talento peculiar que não deixará substituto.
O texto do portal Gente fala que mesmo possíveis candidatos à sucessão de Boechat não têm condições de substitui-lo.
Na TV, tem-se Fábio Pannunzio, que conduzirá o Jornal da Band agora como titular.
Na Band News, pelo menos na bancada matriz, de São Paulo, Carla Bigatto e Eduardo Barão continuarão no horário habitual, não havendo mais os comentários e a comunicação do finado jornalista.
Vários jornalistas especulados pelo artigo de Gente para substituir Boechat apresentam problemas aqui e ali.
Rachel Sheherazade e William Waack foram sondados pela Band, mas não foram contratados. Ambos causam p…

SÉRGIO MORO E SEU PACOTE POLICIALESCO

O Brasil se encontra numa situação delicada, desde que Jair Bolsonaro apresenta uma estranha piora no seu estado de saúde e a mídia hegemônica alega que está tudo bem.
Ressoa, nos nossos ouvidos, os ecos do sucesso do cantor Blecaute, "O General da Banda", que falava de um Mourão como "vara madura que não cai" e que "catuca por baixo que ele vai".
O "catuca por baixo" não seria o cargo de vice-presidente? Talvez o samba de 1949 feito para o Carnaval do ano seguinte não explique.
Mas os tempos atuais indicam isso. Mas como o governo Bolsonaro já nasceu fatiado, isso não faz diferença.
Afinal, tem-se como dois feudos estratégicos o de Paulo Guedes, na Economia, preparando o seu pacote de privatarias, e sobretudo o de Sérgio Moro, o lavajateiro ministro da Justiça.
Ontem o "superministro" e ex-juiz divulgou seu pacote anti-crime e anti-corrupção.
Como sempre, Sérgio Moro simboliza a falta de compreensão do brasileiro médio.
Este não sabe…