Pular para o conteúdo principal

A VERGONHOSA SITUAÇÃO DA CULTURA MUSICAL NO BRASIL


Sinceramente, o "popular demais" é uma grande porcaria.

Não se trata de preconceito. Afinal, que ruptura de preconceito se pode esperar com a aceitação de fenômenos que tratam o povo pobre de maneira preconceituosa?

O pobre associado à ideia de mau gosto, o "popular demais" empurrado goela abaixo como se fosse um remédio amargo em boca de criança, entre tantas e tantas estranhezas.

Fenômenos pitorescos, aberrantes, piegas, patéticos, que mais parecem paródias depreciativas de negros, pessoas gordas, homossexuais, pobres em geral.

Vide Jojo Toddynho e Pablo Vittar, que soam caricaturais em relação às minorias sociais.

As esquerdas dão um tiro no pé. Acham que "tudo é arte", mas criam um "balaio de gatos" nas quais se supervaloriza tendências para lá de mercadológicas.

A defesa do "popular demais", ou brega-popularesco, deixou as esquerdas em situação ridícula e forneceu munição para comentaristas reacionários e hidrófobos.

A intelectualidade "bacana" acabou, ao empurrar a bregalização para a agenda esquerdista, fortalecendo comentaristas medíocres do porte de Rodrigo Constantino e Eliane Cantanhede.

Os jornalistas reaças, que não têm o que dizer e sentem horror do povo pobre, acabaram levantando a bandeira da "cultura popular de verdade".

Num contraponto surreal a níveis buñuelianos, as esquerdas ficam defendendo o tal "mau gosto" como se fosse uma suposta causa libertária.

Defino isso como a "ditabranda do mau gosto".

As esquerdas caem no ridículo com essa abordagem pró-brega porque, ao defendê-la, não está defendendo as periferias nem as classes populares, e muito menos o esquerdismo.

Elas acabam defendendo, isso sim, interesses que vêm da mídia venal (Rede Globo, Folha de São Paulo, SBT etc) e de grandes corporações, às quais interessa muito a bregalização.

Como no "brega de raiz", de Waldick Soriano e Odair José, que alimenta a indústria de cerveja e outras bebidas alcoólicas por causa da mitificação da embriaguez como "consolo" de homens pobres com alguma frustração.

Acham que um Waldick faria um Brasil mais socialista. Engano. Waldick era conservador, direitista. E a glamourização do brega só fez enriquecer ainda mais um Jorge Paulo Lemann.

A defesa do "popular demais" enfraqueceu as esquerdas e fortaleceu os movimentos reaças da vida, como o Movimento Brasil Livre (aka Movimento Me Livre do Brasil).

O "popular demais" não fortaleceu as classes populares. As enfraqueceu. A "cultura popular" defendida não era aquela transmitida horizontalmente, de forma comunitária, entre as pessoas, mas de forma vertical, da mídia "popular" mas oligárquica consumida pelo povo pobre.

Ao povo pobre, se reservam valores que variam entre os retrógrados, os pitorescos e os piegas.

O povo pobre vira uma caricatura. E ver que setores das esquerdas defendem isso com muita insistência é assustador.

Uma prova de como defender o tal "popular demais", seja na música ou no comportamento - durante anos houve o suposto "feminismo de glúteos" das mulheres-objetos popularescas - , não favoreceu em coisa alguma as classes populares é o apoio de jovens ricos a tais fenômenos.

O "funk", carro-chefe dessa discurseira, ganhou adesão de jovens riquinhos, mesmo aqueles que sentem um profundo ódio à pessoa de Lula.

Há mais famosos, entre os propagandistas do "funk", que militaram pela queda de Dilma Rousseff e hoje imploram para o Judiciário aprovar a prisão de Lula.

Os funqueiros não conseguem se explicar quando jovens ricos e barões da mídia apoiam com muito entusiasmo o "funk".

Os funqueiros caem em contradição. Acusam os jovens de "glamourizar a pobreza", quando isso é inerente ao "funk" como um todo, até no dito "funk de raiz".

Da mesma forma, os funqueiros acusam a mídia hegemônica e o mercado de "se apropriarem" do gênero. E os próprios funqueiros alegam que se apresentam nos espaços dessa grande mídia por "enfrentamento".

É pura falácia. Afinal, não há conflito quando funqueiros aparecem na grande mídia. Não há tensão.

A Rede Globo nunca teria acolhido a Liga do Funk meses depois desta participar de um protesto anti-Globo.

Suspeita-se que a Liga do Funk é informante da Globo infiltrada nos movimentos de esquerda. Em várias fotos, se vê Bruno Ramos, nos comícios do PT, se comportando como se estivesse ouvindo tudo com redobrada atenção para depois "informar" a representantes da mídia venal.

O "popular demais", portanto, não rompeu com o establishment político-midiático dominante. Pelo contrário, até o fortaleceu.

E a indigência cultural que a falácia do "combate ao preconceito" (mas aceitando formas preconceituosas e depreciativas, mas espetacularizadas, de abordar o povo pobre) resultou mostra o quanto isso enfraqueceu os movimentos populares.

O "ufanismo das favelas" prendeu o povo pobre nos morros para a violência abusiva de policiais corruptos, milicianos e militares corrompidos dizimasse "por acidente" pobres inocentes, incluindo crianças.

Além disso, as pessoas passaram a ter preconceito com formas comportamentais e musicais mais dignas.

Há gente que erroneamente disse que "melhorar a cultura do povo pobre" é "ser fascista".

Engano. Quem defende o "popular demais" e não quer que o povo melhore culturalmente, acreditando no mito da "pureza da pobreza" e mitificando a ignorância popular, é que está próximo de um fascista.

Na melhor das hipóteses, é um "esquerdista" mais afinado com as visões retrógradas de Michel Temer ou da agenda privatizante e mercantilista do PSDB.

Mas mesmo entre as elites ou entre a classe média a indigência cultural se contagiou.

Enquanto, na Argentina, se teve um Soda Stereo, uma banda com o carisma da nossa Legião Urbana, cheia de referenciais culturais considerados "difíceis", aqui até a cultura rock ficou indigente.

Daí que vemos coisas aberrantes, como rebaixar o AC/DC e o Deep Purple a one hit wonders.

O citado Soda Stereo citou como influências a seminal banda britânica XTC, que, lá fora, influenciou até bandas como Blur e Foo Fighters.

Aqui, falam que System of a Down, tão mainstream quanto o Justin Bieber, é "rock alternativo".

E, num dia em que o saudoso Cazuza teria feito 60 anos, o Rock Brasil de hoje é um engodo de bandas que, salvo raras exceções, se preocupam com o visual, o barulho e uma "atitude" que seus músicos não sabem mesmo do que se trata.

Até as rádios rock digitais mais empenhadas caem na pegadinha de tocar mais bandas de nu metal, enquanto ignoram XTC, Ride, Teardrop Explodes, King Crimson e Bobby Fuller Four.

Na MPB, vemos a obsessão do revivalismo, pois a MPB autêntica se recusa a investir em renovação e fica perdida em incessantes homenagens.

Na música estrangeira, as pessoas parecem raciocinar como um disco arranhado, ouvindo os mesmos sucessos de Tina Turner, Chistopher Cross, Daryl Hall & John Oates e outros gringos que, de tão repetidos, se tornaram insuportáveis, por mais respeitáveis que fossem tais intérpretes.

E os hasbeen musicais? Qualquer astro decadente do pop mofado dos anos 1970 desembarca no Galeão ou em Congonhas como se fosse um Deus.

Pior é que essa indigência cultural generalizada ainda tem patrulheiros nas redes sociais.

Vide os fascistas que defendiam a fase "roqueira" da Rádio Cidade. Ou os fanáticos por Bee Gees que se equiparam, em agressividade, aos punks fascistas.

É tanto absurdo no âmbito da cultura não só musical - na comportamental, vemos a aberração de programas policialescos transmitidos à luz do dia, quando deveriam ocorrer na madrugada - que o Brasil parece atolado na areia movediça do atraso.

É preciso que se sacuda tudo. É certo que os fascistinhas digitais não vão gostar e vão sair por aí produzindo postagens ofensivas contra tudo e contra todos.

É só alguém discordar que acaba sendo "zoado" em páginas rancorosas que, de tão ruins, só servem para serem rastreadas por delegados de polícia.

Infelizmente, há autoritarismo até entre muitos jovens nas mídias sociais. A burrice e a idiotice ganharam status de verdadeiras tiranias, e isso é muito ruim.

Algo tem que ser feito antes que a indigência cultural leve o Brasil a um cenário ainda mais obscuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

O CAMINHO QUE MISTURA BREGA, ROCK IN RIO, RÁDIO CIDADE E JAIR BOLSONARO

O Diário do Centro do Mundo revelou que a Artplan, empresa de publicidade de Roberto Medina, dono da marca Rock In Rio, está envolvida com a propaganda do reacionário Jair Bolsonaro.

Tentando promover um Bolsonaro pretensamente humanista, Medina sentiu a dificuldade de desenvolver esse perfil impensável num presidenciável movido pelo ódio.

No texto de Nathali Macedo, informa-se que Medina levou um dia inteiro para trabalhar a cena com Bolsonaro se emocionando ao falar da mulher e da filha.

Machista, ele custou a adotar esta atitude, ainda mais porque o presidenciável de extrema-direita é daquele tipo de homem que não chora.

Medina promoveu o primeiro Rock In Rio, que teve lá sua importância.

Com certo exagero, o primeiro Rock In Rio, de 1985, foi definido como o "Woodstock brasileiro".

Teve seus méritos. Ajudou a profissionalizar o serviço de organização de eventos musicais internacionais, criou uma nova mentalidade de shows, fez atrair artistas estrangeiros para os palcos …

FEMINICÍDIOS E O PERIGO DO "AMOR DE NOITADA"

Desde que o antes chamado "crime passional", conhecido agora como um tipo principal de feminicídio, o de natureza conjugal, tornou-se crime hediondo, um novo contexto se deu na onda de crimes desse tipo, quando homens matam suas próprias mulheres.

Até parece que eles estão cometendo esses crimes para ver se a Justiça realmente funciona para eles.

O chocante crime cometido pelo professor de Biologia, o pitboy Luís Felipe Manvalier, contra a mulher, a advogada Tatiana Spiltzer, na madrugada do dia 22 de julho último, tornou-se um dos casos mais recentes.

Laudos indicam que ela teria sido estrangulada antes de ser jogada do 4º andar, e bem antes ela tinha sido agredida pelo marido.

Manvalier estava tomando anabolizantes para ficar musculoso e lutava jiu-jitsu, e também era um fã entusiasmado de Jair Bolsonaro, portanto se comportando como o bolsonarista típico, misógino e que só vê a mulher como um troféu para sua vaidade pessoal.

O crime ocorreu na cidade de Guarapuava, no in…

A GUERRA CONTRA OS 'FAKES' DA INTERNET. FALTA COMBATER OS 'FAKES DO ALÉM'

O Movimento Brasil Livre (aka Movimento Me Livre do Brasil) anda amargando derrotas sucessivas.

Recentemente, tentou acelerar demais o já acelerado timing jurídico contra o ex-presidente Lula, e pediu ao Tribunal Superior Eleitoral uma antecipada postura pela inelegibilidade do petista.

O TSE precisa manter seu teatrinho, e além disso é subordinado ao Supremo Tribunal Federal, que já tem um plenário "seguramente" contrário a Lula, a começar pela presidente Carmen Lúcia e figurões como Alexandre de Moraes, Luiz Fux e Luís Roberto Barroso.

Daí que o órgão superior eleitoral recusou o pedido dos rapazes do MBL para antecipar o banimento eleitoral a Lula com base na Lei da Ficha Limpa, que não foi apreciado ainda.

O MBL é ultraconservador, apesar de ser um movimento organizado por jovens.

Seus membros se esquecem que, numa sociedade ultraconservadora, o que vale é a hierarquia, seja por idade, tempo de serviço, cargo de liderança etc.

Isso significa que o MBL não pode mandar em…

JAIR BOLSONARO E A TIRANIA DOS IDIOTAS

ENTREVISTADORA FICA CONSTRANGIDA COM AS ASNEIRAS DITAS POR JAIR BOLSONARO NO PROGRAMA RODA VIVA DA TV CULTURA.

É preocupante a tirania dos idiotas, a partir do valentonismo das redes sociais.

Os valentões da Internet, que em 2007 se preocupavam em humilhar pessoas não-famosas por causa de frivolidades como a midiática gíria "balada" (copyright Luciano Huck e Tutinha), estão indo longe demais.

Depois de humilhar famosos e ativistas, indo de Maria Júlia Coutinho a Eduardo Guimarães, de Taís Araújo a Lola Aronovich, os brutamontes digitais que "odiavam acordar cedo" em 2007 acham hoje que um político fascista está a poucos passos do Palácio do Planalto.

É assustador como esses fascistas digitais, brutamontes que se acham "nerds" só porque se comportam de maneira debochada, contribuam para o pretenso favoritismo de Jair Bolsonaro.

Pessoas que variam entre o final da adolescência e o começo dos 40 e tantos anos se acham "donas da verdade" e combinam …

POR QUE AS ESQUERDAS SÃO TÃO CONFUSAS CULTURALMENTE?

O FATO DE HAVER DOIS LOBOS BRIGANDO NÃO SIGNIFICA QUE UM DELES SEJA NECESSARIAMENTE UM ALIADO DAS OVELHAS.

O que faz as esquerdas serem tão confusas quando o assunto são temas de alguma forma relacionados à cultura em geral?

Tão exemplares e consistentes quando se fala em assuntos econômicos, políticos e jornalísticos, elas pisam na bola quando chegam ao terreno de valores culturais, como a música, a religião e o futebol.

Nesse terreno, há uma preocupante complacência, que não raro sucumbe a gafes que fazem os esquerdistas abrirem caminho para a perigosa réplica dos reacionários da direita.

Seduzidos pela fumaça que exala um falso cheiro de povo pobre, um perfume muitas vezes forjado pela mídia venal, as esquerdas chegam mesmo a serem presas de um pensamento desejoso.

Dessa forma, atribuem a figuras como funqueiros, "médiuns espíritas", mulheres-objetos  e jogadores de futebol a chave que abrirá o portão da esperada revolução social do Terceiro Milênio.

Se tornam presas fáce…

OS PRESIDENCIÁVEIS QUE VÃO CONTINUAR O GOVERNO TEMER

GERALDO ALCKMIN, JAIR BOLSONARO E HENRIQUE MEIRELLES - ELES ASSUMEM CONTINUIDADE DO PROJETO POLÍTICO DE MICHEL TEMER.

O jovem que não gosta de Michel Temer, vale um conselho de amigo.

Evite votar em Jair Bolsonaro e seus familiares e aliados.

Eles mantém um compromisso com o projeto político do presidente Michel Temer, com suas propostas antipopulares.

O legado de Temer, de acordo com o que confirmam as reportagens de diversas fontes, é representado por, pelo menos, três candidatos: Geraldo Alckmin, Jair Bolsonaro e Henrique Meirelles.

Nem estamos falando dos genéricos Álvaro Dias e João Amoedo, em relação a Alckmin, e o Cabo Daciolo, em relação a Bolsonaro, ou Marina Silva, por parecer mais flexível.

Geraldo Alckmin forneceu a logística governamental para o presidente Temer e tem como um de seus feitos abrir caminho para Alexandre de Moraes virar ministro do Supremo Tribunal Federal.

Outro é o banqueiro e dublê de economista Henrique Meirelles, que se mantém afinado com os retrocesso…

O RISCO DA PROPAGANDA BOLSONARISTA NAS REDES SOCIAIS

Uma grande ameaça ocorre nas redes sociais.

Com espaço de propaganda reduzido, devido à representatividade partidária, o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, poderá ser favorecido de maneira ilegal com projeção privilegiada nas redes sociais.

É o risco de Jair Bolsonaro aparecer, nas redes sociais, mais (e muito mais) do que qualquer outro presidenciável.

Através da multiplicação artificial de postagens e vídeos do "mito" veiculadas pelos seus apoiadores - eles em si "multiplicados" com vários alter egos fakes - , Bolsonaro pode até mesmo sair vitorioso na campanha eleitoral, através dessa "corrida por fora" diante dos demais concorrentes.

É como se, no desenho animado Corrida Maluca (Wacky Races), de Hanna-Barbera, o trapaceiro Dick Vigarista (Dick Dastardly) pudesse ganhar a corrida usando um atalho que o faça ultrapassar os demais competidores.

As redes sociais tendem a se tornar um "atalho" para projetar Jair Bolsonaro, tal como aconteceu com …