Pular para o conteúdo principal

SODA STEREO E A PRECARIEDADE DA CULTURA ROCK NO BRASIL

SODA STEREO, EM 1984 - CHARLY ALBERTI (E), ZETA BOSIO E GUSTAVO CERATI.

A banda Soda Stereo, que marcou a história do rock argentino e era liderada pelo guitarrista Gustavo Cerati, falecido em 2014 após quatro anos em coma, tem uma boa lição para dar aos brasileiros.

O Soda Stereo teve uma trajetória ímpar nos anos 1980 e 1990 e era dotado de profunda bagagem de informações musicais.

O grupo foi do ska ao shoegazing - tendência do rock alternativo surgida na Inglaterra e subestimada pelos brasileiros - em composições bastante consistentes e vibrantes, sobretudo vindas do talento ágil e criador de Gustavo.

O Soda Stereo surpreende os brasileiros não porque as bandas contemporâneas careciam de informação musical.

Até tínhamos: Barão Vermelho, Titãs, Paralamas do Sucesso, Legião Urbana e mesmo Kid Abelha possuem uma boa bagagem musical.

Mas, entre nós, a banda que mais foi longe em bagagens musicais foi Legião Urbana, por garimpar mais em tendências alternativas, mas as demais fizeram sua parte.

Tardiamente, observamos, por exemplo, ecos de Byrds em algumas músicas do Barão e do Kid Abelha, e os Titãs e Paralamas, respectivamente, apresentaram aos brasileiros o Devo e o Madness antes deles chegarem a ter músicas usadas em campanhas publicitárias daqui.

Mas a Legião Urbana, que se iguala ao Soda Stereo pelo fato de seu vocalista e líder não estar mais entre nós, chegou a assimilar, tal qual o colega argentino, influências do Ride.

O Ride, para quem não sabe, foi uma banda de shoegazing de Oxford, surgida pouco antes do Radiohead (este da tendência britpop, que é uma espécie de shoegazing menos criativo).

Nem as aparências de galãs dos membros do Ride, como os guitarristas e vocalistas Andy Bell (não confundir com o xará do Erasure) e Mark Gardener, convenceram os brasileiros a prestar atenção na banda.

O som do Ride era uma atualização do rock psicodélico com as influências do alternativo britânico dos anos 1980. Algo entre Byrds, Velvet Underground e Syd Barrett.

Ou também do pouco conhecido The Creation, grupo mod dos anos 1960, que chegou a excursionar com o próprio Ride.

Os últimos anos do Oasis tiveram Andy Bell na formação. Ele trocou o instrumento, da guitarra para o baixo, e deu um tempo ao posto de vocalista.

Mas o público não viu.

Numa cultura rock cujas rádios "especializadas" tinham o modus operandi (e a canastrice burra) da Jovem Pan 2, onde Guns N'Roses, a azeitona da farofa poser, é visto como "rock clássico" e o System of a Down, tão mainstream quando o Justin Bieber, é tido como "alternativo", isso faz sentido.

E tudo isso com um público roqueiro que chegou a dizer que o baterista do Nirvana e o cantor-guitarrista dos Foo Fighters eram pessoas diferentes.

Então, se não conseguem ver que o Dave Grohl das duas bandas é o mesmo cara, imagina se o roqueiro médio brasileiro vai se preocupar em procurar um ex-Ride tocando com os irmãos Gallagher.

Na Argentina, o Soda Stereo foi muito popular trazendo o Ride para seu público, de forma que certos radicais acusaram o Soda Stereo de "Cópia Stereo" ao assimilar influências da banda de Oxford.

E não só o Ride: o Soda Stereo assimilou influências do Squeeze e do XTC, seminais bandas britânicas que o roqueiro médio brasileiro, que mal consegue ouvir cinco sucessos dos Smiths, não tem o menor escrúpulo em desprezar.

O Soda Stereo também assumiu influências do Police, banda aqui muito conhecida até, mas que o roqueiro médio conhece de maneira bastante superficial e equivocada.

Aqui o Police soa mais como banda de acompanhamento de Sting, e somente as composições dele são ouvidas.

Muitos se esquecem que o Police gravou também excelentes composições de Andy Summers e Stewart Copeland, dois músicos ímpares e com carreiras-solo mais instigantes que a "stingante" carreira de Sting.

A cultura rock brasileira está em baixa porque ela mesma se tornou vítima de seu pragmatismo, como se fosse suficiente manter a rebeldia na pose, com gestos clichês e caricatos como fazer sinal do demônio com as mãos, fazer guitarra invisível (air guitar) ou botar língua para fora.

Esse pragmatismo viciado, uma espécie de "zona de conforto" de valores básicos, banais (e, não raro, caricatos), acabou afundando a cultura rock, que não se segurou sequer no seu complexo de superioridade.

Aquela coisa do "jaquetão" é até evidente, mas o problema é a tradução "Jovem Pan" dessa pose de malvado pelos "Emílio Zurita de jaqueta" que pilotaram a 89 FM e Rádio Cidade, "rádios rock" que nunca foram mais do que pequenos satélites do "sistema solar" de Tutinha.

Essas rádios criaram até uma aberração que é o "roqueiro fã de um só sucesso", criando a vergonha de rebaixar grupos veteranos como AC/DC e Deep Purple a one-hit wonders.

Seus "únicos" sucessos, "Back in Black" e "Smoke on the Water", serviam de trilha sonora para patetas metidos a rebeldes fazerem guitarra invisível com linguinha de fora e mãos simulando os chifres do capeta.

E nem falamos do "único" sucesso do Steppenwolf, a banda-clichê dessa rebeldia estereotipada (apesar da banda ter sido realmente muito boa), "Born to be Wild", banalizada pela apropriação que o establishment pseudo-roqueiro fez dessa banda pós-psicodélica popularizada pelo filme Easy Rider.

A música passou a ser tocada em programas do tipo "Torpedo da Pan" que estão perdidos nas horas diárias diversas das "rádios rock" daqui.

Nem mesmo o fato de, tardiamente, descobrirem a música "Revolution" do Cult (que alguns palermas chegaram a pensar que era cover dos Beatles), diminuiu o caráter patético.

Afinal, o Cult também virou uma banda de "um ou dois sucessos", se os palermas puderem pensar em "She Sells Sanctuary". Ou se lembrarem que o Cult também gravou "Born to be Wild".

Os roqueiros argentinos são mais antenados, sabem que hit-parade roqueiro não é tudo e não ficam defendendo o Guns N'Roses como uma espécie de "Jair Bolsonaro do rock", como fazem os roqueiros daqui.

Há muita informação menos óbvia rolando entre os argentinos e a história do rock de lá é muito consistente e vibrante.

Aqui a História do Rock Brasileiro parou em algum canto dos anos 1980 ou começo dos 1990, entre uma ousadia shoegazer de Second Come e brincando de deus e uma brasilidade de Chico Science & Nação Zumbi.

Depois, salvo exceções, o que veio foi uma diarreia sonora que mistura grunge, poppy punk, poser metal, nu metal e a turma do Chaves e Chapolin.

Fora aqueles sub-Queens of the Stone Age, que soam mais como CPM 22 metido a ter papo-cabeça, mas cujos integrantes posam como o Weezer na capa de seu primeiro LP.

E, claro, aquela visão pragmática de se "contentar com o básico".

Daí que a cultura rock, no Brasil, tornou-se uma vergonha que favoreceu os "pagodeiros" e "sertanejos" que eram hostilizados pela roqueirada caricata lá pelos idos de 1995-2006.

E até os funqueiros também devem agradecer muito aos caricatos roqueiros brasileiros que devem ter medo de ouvir Soda Stereo só porque suas canções são em espanhol.

Os Paralamas do Sucesso e, com menor competência, o Capital Inicial da fase teen atual, chegaram a gravar versões da música "De Música Ligera", famoso hit do grupo argentino.

Alguns discos do Soda Stereo foram lançados discretamente no mercado brasileiro, e a Fluminense FM tocava em eventuais ocasiões.

Lembro que a Flu havia anunciado um Modulo Especial - programa de cerca de meia-hora que focaliza um artista e começava, de segunda à sexta, às 13 horas - com o Soda Stereo.

Isso lá nos anos 1980.

O falecimento de Gustavo Cerati comoveu a Argentina, indo além dos círculos roqueiros e até refletindo no exterior. No Brasil, as duas bandas que gravaram "De Música Ligera" manifestaram pêsames à tragédia.

Fora isso, resta uma grande lição do Soda Stereo e da figura de Gustavo Cerati - também com uma consistente carreira-solo deixada como legado - para o público brasileiro.

A de que não se pode permanecer nas zonas de conforto do "básico" que, no caso da cultura rock, a destruiu a ponto de abrir caminho para a bregalhada que monopoliza os ouvidos juvenis hoje.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

O CAMINHO QUE DERRUBOU UM MEMBRO DA ABL PARA MERVAL PEREIRA NELA ENTRAR

HUMBERTO DE CAMPOS, O ESCRITOR USURPADO POR OBRAS FAKE E MERVAL PEREIRA, O JORNALISTA FAKE QUE ENTROU NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS.

O Brasil é um país doente.

Acha que está assumindo uma postura nobre ao abrir mão de seus próprios tesouros e a aceitar óbitos, em boa parte prematuros, de nossos grandes gênios.

Mas se apega, de maneira febril e psicótica, aos entulhos materiais e humanos, e se ofendem quando dissemos que até nossos facínoras e assassinos também adoecem e morrem.

O país é tão doente que, não raro, trai a coerência e a justiça social para criar uma "realidade oficial" ao sabor das conveniências e interesses de uns poucos privilegiados e arrivistas.

E isso envolve muita coisa. A literatura, por exemplo.

Vemos o caso surreal, típico de comédia de Luís Buñuel, do escritor maranhense Humberto de Campos.

O autor se situa no intervalo entre a geração do fim do século XIX, de Machado de Assis e Joaquim Nabuco, e a geração de 1945, de Carlos Drummond de Andrade e Fe…

ADMIRAÇÃO DE CANTOR DO ARCTIC MONKEYS POR LÔ BORGES ENVERGONHA FMS DE POP ADULTO

O SOL ENTROU NA CABEÇA DE ALEX TURNER (E), DOS ARCTIC MONKEYS, PELA MÚSICA DE LÔ BORGES.

Depois do fim da MPB FM, rádio dedicada à música brasileira no Rio de Janeiro, as FMs de pop adulto acabaram comendo poeira nos últimos dias.

Isso porque, quando divulgou o lançamento do sexto álbum dos Arctic Monkeys, o vocalista e guitarrista da banda britânica, Alex Turner, manifestou ter sido influenciado por ninguém menos que o cantor mineiro Lô Borges.

O novo álbum, intitulado Tranquility Base Hotel & Casino, teve uma lista de influências, pelo menos de parte do vocalista e principal compositor, divulgadas pela revista Mojo.

A lista já embaralha o público brasileiro médio, mesmo o de rock, que bovinamente deve ficar assustado por não conter aqueles "sucessos" e "ídolos" que eles estão acostumados a curtir.

SEM HITS FÁCEIS - Lista de músicas ouvidas por Alex Turner confundiriam as mentes do público médio que costuma ouvir música no Brasil.

Mesmo quando aparece um Rollin…

CAMISA DA CBF GEROU TRAUMA NA POPULAÇÃO

NEYMAR APOIANDO AÉCIO NEVES, MANIFESTOCHES APOIANDO O IMPEACHMENT SOB O COMANDO DE EDUARDO CUNHA, E FASCISTAS USANDO CAMISETAS DA CBF.

Nada como um dia atrás do outro.

Diz o ditado popular: "um dia é da caça, outro do caçador". Mas, no contexto em que vivemos, a ordem deve ser invertida.

Desde que os valentões da Internet fizeram patrulha pelo "estabelecido", puxando para si o "efeito manada" dos chamados "inocentes úteis" (que pegavam carona no suposto carisma do agressor e faziam coro em atos de valentonismo), muita coisa ocorreu no Brasil.

Da simples defesa de gírias próprias da mídia venal (como "balada", patenteada pelo consórcio Rede Globo / Jovem Pan) ao recente clamor da intervenção militar, os valentões das redes sociais vivem acumulando "vitórias de Pirro" aqui e ali.

Se expõem demais com mensagens agressivas, ofensas, ameaças, blogues caluniosos, ataques em massa. E quem "está dentro" também paga caro pel…

MARJORIE ESTIANO, CLÁUDIA LEITTE E O "TRIBUNAL DA INTERNET"

"Você não é obrigado a gostar, mas tem que gostar", diz o estranho artigo primeiro da "Constituição" das mídias sociais, motivada pela tirania do valentonismo digital (cyberbullying).

É isso que fez o pessoal reagir à indiferença da atriz e cantora paranaense Marjorie Estiano quando a também cantora Cláudia Leitte foi se apresentar no programa Altas Horas de ontem.

Marjorie - que teve um texto dedicado a ela no meu livro O Mundo Não Quer Ler - e Cláudia eram convidadas do mesmo programa apresentado pelo sempre jovial Serginho Groisman.

De repente, quando Cláudia Leitte, que é ídolo da axé-music, se apresentou, Marjorie, que é da área da MPB e do Rock Brasil, simplesmente não dançou.

Isso causou uma revolta nas redes sociais, que condenaram a atitude de Marjorie, por não terem gostado da atitude da atriz e cantora.

Com base nas mensagens veiculadas, ficou uma certa tirania dos internautas de que Marjorie deveria ficar dançando, de preferência com as mãos para cima …

ASSUSTADO, MICHEL TEMER LIGA PARA FAUSTÃO PARA DAR EXPLICAÇÕES

FAUSTO SILVA LEMBROU DOS TEMPOS EM QUE ENTREVISTOU MICHEL TEMER NOS ANOS 80.

O comentário de Fausto Silva, no Domingão do Faustão da Rede Globo, contra o governo Michel Temer, foi sem dúvida alguma tendencioso.

Foi muito longe de ser um progressista.

Não dava para o intelectual "bacana", que sonha com o folclore brasileiro de amanhã montado com as breguices que rolam nos palcos do Domingão, "guevarizar" o comentário do apresentador dominical.

Farofafeiros "guevarizaram" a novela Os Dez Mandamentos, da Rede Record, só porque tiraram a Rede Globo da liderança da audiência.

Deram um tiro no pé.

Os donos da Rede Record fazem parte da "bancada da Bíblia" que ultimamente está relacionada à derrubada do governo Dilma Rousseff e ao estabelecimento de agendas retrógradas para o país no Congresso Nacional.

Uma dessas agendas é a ultradecadente Escola Sem Partido, que proibirá tanto o debate da realidade quanto a interferência em mitos religiosos.

Os farof…

A PRISÃO "DIFERENCIADA" DE EDUARDO AZEREDO

EDUARDO AZEREDO SE ENTREGANDO À POLÍCIA EM BELO HORIZONTE, HORAS DEPOIS DE SER DECLARADO FORAGIDO MEDIANTE ORDEM DE PRISÃO.

Hoje o ex-governador de Minas Gerais, o tucano Eduardo Azeredo, se entregou à polícia.

Antes de chegar à Academia de Bombeiros Militar (ABM), na Rua Piauí, bairro Funcionários, Centro-Sul de Belo Horizonte, Azeredo fez exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal.

A prisão foi mais tranquila. Afinal, segundo Bolivar Lamounier, Eduardo Azeredo é tranquilo, ele não representa ameaça, apesar de ter pensado em censurar a Internet. Mas como é um tucano...

Sabe-se que Eduardo Azeredo é réu do esquema de corrupção do mensalão tucano, já que políticos do PSDB já se envolveram com o esquema do publicitário mineiro Marcos Valério antes do Partido dos Trabalhadores levar a fama por supostas acusações.

Eduardo Azeredo terá um tratamento privilegiado, estará preso próximo à sua casa e, para ser levado à prisão, foi dispensado de usar algemas.

Até aí, nada demais. Só que…

O FRACASSO COXINHA SIMBOLIZADO PELAS CAMISETAS DA CBF

Este é um Brasil muito, muito estranho.

Um Brasil em que valentões da Internet fazem cyberbullying para impor a "sua verdade".

Um país onde políticos conservadores envolvidos em comprovada corrupção nem sequer precisam cogitar sobre a vida atrás das grades, porque a prisão lhes é uma possibilidade nula.

Um Brasil cujas obras psicografake de certa religião espiritualista são consideradas "autênticas" porque contém frases piegas como "sejamos irmãos" e "busquemos a paz".

Um Brasil cuja parcela de machistas que fuma demais, usa drogas ou remédios e, só porque mataram suas próprias mulheres e saíram impunes, não podem sequer morrer das doenças que produzem, como câncer ou infarto.

Um Brasil em que se acredita tolamente que um sistema de ônibus vai melhorar com ônibus de pintura igualzinha exibindo logotipos de prefeitura, secretarias de Estado, consórcios etc.

Um Brasil em que a emancipação feminina é condicionada pelo machismo, de forma que as mul…

DITADURA MILITAR SEMPRE FOI MARCADA POR TORTURA E CORRUPÇÃO

TANQUE SE POSICIONA, NO RIO DE JANEIRO, DURANTE O GOLPE MILITAR DE 1964.

Infeliz daquele que quer a volta da ditadura militar, ainda que sob o eufemismo de "intervenção".

Há, lamentavelmente, muita gente assim. Mesmo pobre.

O discurso é sempre o mesmo: "com um militar do poder, o Brasil vai ter ordem e a gente vai receber salários dignos, não essa ladroagem que está aí mamando do Estado".

Tem gente que prega isso e puxa um efeito manada. Pessoal apoiando, sempre com aqueles bordões: "Tem que varrer essa sujeira que está no Congresso", "Tem que privatizar tudo, do jeito que está é um mar de lama" etc.

Além disso, há a novidade surreal de que uma parcela da sociedade já defende a queda dos salários dos trabalhadores, a perda de direitos trabalhistas etc.

Pelo menos isso eu não vi no tempo da ditadura militar.

Eu, criança e diante da mídia censurada, poderia estar desinformado de 99% do que acontecia no Brasil, mas creio que tal aberração não iria …