Pular para o conteúdo principal

89 E RÁDIO CIDADE APOSTAM EM BANDA DE 'REALITY SHOW'


Não foi desta vez que a tal grande banda de Rock Brasil tão prometida pelas rádios 89 FM, de São Paulo, e Cidade, do Rio de Janeiro, veio à tona. Também, o que esperar de suas rádios que rigorosamente reproduzem a mentalidade das Jovem Pan 2, Mix FM e Energia 97 da vida?

A "nova" sensação do momento, a banda paulista Malta junta um som "pesado" - mas dentro do padrão "lapidado" aceito por essas "rádios rock" - com letras românticas, em que pese todo o aparato de tatuagens e visual "malvado" que inclui gestos faciais "irados" e até sinal do "demo" com as mãos.

A banda foi lançada no reality show SuperStar, da Rede Globo. Em tese, ser lançado em reality show não é um problema em si, mas na maioria das vezes quem se projeta possui talento duvidoso. Nomes como Grazi Massagera, Jean Willys e Roberta Sá são exceções, até porque eles já tinham trabalhos próprios antes de entrar em programas assim.

Já o Malta, divulgado também na grande mídia, inclusive jornais popularescos e TV aberta, soa como uma imitação brasileira do Nickelback, dentro daquela linha entre o Linkin Park e o Matchbox 20, um tanto "pesado", um tanto "melodioso", mas bastante comercial.

Portanto, não se trata de uma nova Legião Urbana nem de outra banda que criasse um grande impacto e desse novo fôlego ao acomodado Rock Brasil. E nem soa algo que justificasse a existência de duas rádios mofadas, que apesar da alardeada imagem de "roqueiras", não passam de rádios pop comuns com vitrolão "roqueiro" e marketing falsamente rebelde.

O Malta apenas fará sucesso parecendo "novidade", a exemplo do CPM 22 há uns dez anos atrás. O CPM 22 surgiu como imitação do Blink 182, o Malta vem como imitação de Nickelback. Serão apenas grandes sucessos comerciais, mas nada que somasse artisticamente alguma coisa. O rock brasileiro continuará acomodado, limitado a essas fórmulas comerciais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…