Pular para o conteúdo principal

NEO-BREGAS DOS ANOS 90 NÃO DISSERAM A QUE VIERAM

ALEXANDRE PIRES E DANIEL - Ídolos da geração brega dos anos 90, apesar de muitos anos de carreira, se comportam como se fossem calouros de reality shows musicais.

Era uma vez uma geração que distorcia elementos da Música Popular Brasileira dentro de uma perspectiva próxima à dos ídolos da música brega dos anos 70. Gente que mistura elementos pasteurizados da MPB dos anos 80 com a cosmética da breguice luxuosa de Michael Sullivan & Paulo Massadas e que começou a fazer sucesso a partir de 1990.

Chitãozinho & Xororó, Latino, Luiz Caldas, Raça Negra, Zezé di Camargo & Luciano, e grupos que foram desfeitos ou geraram cantores solo como Chiclete Com Banana (de Bell Marques), João Paulo & Daniel (do qual restou o último), Leandro & Leonardo (idem), Soweto (que gerou o cantor Belo), Só Pra Contrariar (idem para Alexandre Pires). Ou então o romantismo piegas de Fábio Jr. e o sensualismo grotesco do É O Tchan.

Tudo isso era considerado baixaria no cenário cultural de 1990-1997. Nomes que representavam o gosto duvidoso e o comercialismo extremo que transformava a cultura popular numa caricatura pra lá de grosseira. Mas que a blindagem intelectual, não sem a ajuda financeira dos barões da mídia e até de George Soros, fez defendê-los sob o pretexto de "romper os preconceitos", como se aceitar qualquer coisa, até de forma pré-concebida, fosse fazer essa "ruptura".

Apesar de toda a blindagem, de toda a choradeira derramada até mesmo em artigos acadêmicos, teses de pós-graduação e documentários cinematográficos, para não dizer reportagens da mídia impressa ou audiovisual, e com a ajudinha marginal das trolagens dos reacionários "júnior" da Internet (aprendizes de Reinaldo Azevedo escondidos em fóruns e mídias sociais), essa geração até agora não disse a que veio.

Muito pelo contrário, uma observação mais cautelosa revela que todos esses nomes, mais outros que lhes são derivados, já deram o que tinham que dar no final dos anos 90. Em 2002, quando iniciou toda a blindagem intelectual - que depois alimentou a trolagem dos talibãs digitais - , nomes como Alexandre Pires e Zezé di Camargo & Luciano já estavam ultrapassados.

E tudo isso se considerarmos que esses "artistas" deram o que tiveram que dar, porque eles funcionavam mais como fabricantes de hits comerciais, eles eram os ídolos e símbolos máximos daquelas FMs "populares" controladas por políticos, oligarquias regionais e latifundiários que receberam as "concessões" dessas rádios da célebre dupla coronelista ACM / Sarney.

Os neo-bregas foram símbolo disso. Símbolo da Era Collor e do crescimento das FMs presenteadas por ACM e Sarney, e que tiveram apenas seus poucos anos de sucessos populares, quando pareciam ter ao menos algum ranço de novidade, por mais tosca que esta seja.

Passado o tempo, porém, eles, em vez de dar um ponto final, queriam ampliar seus mercados, e vários deles fingiram serem "artistas de MPB", enganando muita gente direitinho com covers oportunistas que camuflam bem o fraco repertório autoral deles.

Por isso, a gente observa, com a maior atenção possível, que nomes como Chitãozinho & Xororó, Alexandre Pires, Leonardo e Daniel, apesar de tantos anos de carreira, nunca vão além de um desempenho que se nivela ao mais iniciante dos calouros pré-fabricados de reality shows musicais. Desses que pensam que fazer boa música é vestir bons paletós e cantar num palco bem iluminado.

Nenhum deles representou qualquer renovação artística na música brasileira. A única coisa que fizeram foi botar sucessos nas rádios, algo pra lá de banal. Mesmo com todo o esforço de reconhecer em todos eles alguma grande coisa, não dá para ver qualquer façanha, por mínima que seja, da parte deles. E dificilmente se esquece que eles, no fundo, são cafonas, comerciais e artisticamente inexpressivos.

Se muitas pessoas acabam gostando deles, é porque eles trabalham a sua própria imagem de fetiches, tal como as sub-celebridades que nada fazem, mas das quais a mídia sempre tem alguma coisa para falar e exibir.

A geração neo-brega só prevaleceu na mídia porque sabe trabalhar o marketing pessoal, são produtos de mídia, conseguem se alimentar até de factoides, mesmo quando estão musicalmente confusos.

É o caso de gente como Zezé di Camargo & Luciano, que, pelo jeito, pagou o preço do pretensiosismo. O filme sobre a dupla, Os Dois Filhos de Francisco, apesar do forte lobby da intelectualidade "bacaninha" e da atitude politicamente correta de "reconhecimento artístico" da dupla, só fez piorar a carreira dos dois irmãos goianos.

A partir daí, os dois cantores se perderam, foram desmascarados no seu pseudo-progressismo com Zezé di Camargo militando no reacionário "Cansei" (o irmão não participou por cautela), e os dois se perderam musicalmente, quando outrora, se a dupla era musicalmente ruim, pelo menos tinha algum caminho, por mais tosco que fosse. Hoje a dupla tenta bajular Raul Seixas que, se vivo fosse, nunca iria gostar desse puxa-saquismo.

Na axé-music, a prepotência de Bell Marques, Durval Lélis e sobretudo Ivete Sangalo é um dado típico. Ivete tenta fazer, de forma piorada, a mania de pegar carona em qualquer tendência musical como Caetano Veloso (que, no entanto, conseguia ter conhecimento de causa). Já Bell e Durval tentam disfarçar o revival com o aspecto "novidadeiro" das carreiras solo.

A geração neo-brega se prevaleceu mais pelo apoio da mídia e pela blindagem intelectual. Mas como artistas eles nunca representaram qualquer inovação, tanto que, quando lançam material novo, eles não sobrevivem à provisória execução nas rádios.

E, no fundo, eles apenas se alimentam do revival deles mesmos, até porque o que eles fazem hoje não é mais do que correr atrás de seus próprios rabos tentando se projetar no presente às custas de um sucesso que eles só conseguiram fazer nos anos 90.

A mídia dá todo o cartaz para esses ídolos, eles lotam públicos, aparecem na TV, cantam para eventos de ponta, fazem comerciais diversos etc, mas a contribuição cultural deles, na verdade, se resume a uma palavra: NADA.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

SÉRGIO MORO DESAFIOU O PODER DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

O juiz da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, o ídolo midiático Sérgio Moro, parece não ter gostado de ver o Supremo Tribunal Federal tirar de suas mãos alguns processos que envolvem o ex-presidente Lula.

Na verdade, nunca foi da competência de Moro comandar qualquer processo jurídico contra Lula.

E aqui não se fala em "competência" como "incapacidade", embora Moro use métodos juridicamente discutíveis para conduzir ou coordenar investigações.

Fala-se em "competência" no sentido jurídico, ou seja, em "responsabilidade por um caso".

Em outras palavras: como um juiz de Curitiba vai investigar supostos crimes que teriam sido feitos no Estado de São Paulo?

Há muito tempo o Estado do Paraná se separou de São Paulo, lá pelos idos de 1853, portanto, cem anos antes do surgimento da Petrobras, alvo da Operação Lava Jato.

O Supremo Tribunal Federal decidiu que alguns casos supostamente envolvendo Lula passem à responsabilidade da Justiça de São Paulo.

O CAMINHO QUE DERRUBOU UM MEMBRO DA ABL MERVAL PEREIRA NELA ENTRAR

HUMBERTO DE CAMPOS, O ESCRITOR USURPADO POR OBRAS FAKE E MERVAL PEREIRA, O JORNALISTA FAKE QUE ENTROU NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS.

O Brasil é um país doente.

Acha que está assumindo uma postura nobre ao abrir mão de seus próprios tesouros e a aceitar óbitos, em boa parte prematuros, de nossos grandes gênios.

Mas se apega, de maneira febril e psicótica, aos entulhos materiais e humanos, e se ofendem quando dissemos que até nossos facínoras e assassinos também adoecem e morrem.

O país é tão doente que, não raro, trai a coerência e a justiça social para criar uma "realidade oficial" ao sabor das conveniências e interesses de uns poucos privilegiados e arrivistas.

E isso envolve muita coisa. A literatura, por exemplo.

Vemos o caso surreal, típico de comédia de Luís Buñuel, do escritor maranhense Humberto de Campos.

O autor se situa no intervalo entre a geração do fim do século XIX, de Machado de Assis e Joaquim Nabuco, e a geração de 1945, de Carlos Drummond de Andrade e Fe…

ALLISON MACK E OS GRAVES ERROS DA RELIGIOSIDADE

Há poucos dias, a antiga estrela do seriado Smallville, a outrora adorável Allison Mack, foi presa e depois solta sob fiança pela acusação de envolvimento com uma seita voltada à escravidão sexual.

A seita, denominada NXIVM - lê-se "nexium" - era comandada por Keith Raniere, que também foi preso.

Allison teria sido recrutada pela colega do seriado, Kristin Kreuk, mas esta largou a seita pouco depois.

Mas Allison, alemã radicada nos EUA e aparentemente conhecida por sua simpatia e doçura, virou braço-direito de Raniere, atuando como uma co-líder da seita.

A seita, que supostamente se voltava ao "empoderamento feminino", mas promovia rituais de flagelos e escravidão sexual.

As adeptas da seita eram forçadas a correr direto para as árvores para bater as cabeças nos troncos. Ou então a beber água suja que corria no chão.

Elas eram marcadas com ferro quente, como gado bovino, seja com as iniciais KR ou AM.

As integrantes ainda eram forçadas a transar com Keith, em ritu…

A PRISÃO "DIFERENCIADA" DE EDUARDO AZEREDO

EDUARDO AZEREDO SE ENTREGANDO À POLÍCIA EM BELO HORIZONTE, HORAS DEPOIS DE SER DECLARADO FORAGIDO MEDIANTE ORDEM DE PRISÃO.

Hoje o ex-governador de Minas Gerais, o tucano Eduardo Azeredo, se entregou à polícia.

Antes de chegar à Academia de Bombeiros Militar (ABM), na Rua Piauí, bairro Funcionários, Centro-Sul de Belo Horizonte, Azeredo fez exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal.

A prisão foi mais tranquila. Afinal, segundo Bolivar Lamounier, Eduardo Azeredo é tranquilo, ele não representa ameaça, apesar de ter pensado em censurar a Internet. Mas como é um tucano...

Sabe-se que Eduardo Azeredo é réu do esquema de corrupção do mensalão tucano, já que políticos do PSDB já se envolveram com o esquema do publicitário mineiro Marcos Valério antes do Partido dos Trabalhadores levar a fama por supostas acusações.

Eduardo Azeredo terá um tratamento privilegiado, estará preso próximo à sua casa e, para ser levado à prisão, foi dispensado de usar algemas.

Até aí, nada demais. Só que…

O FRACASSO COXINHA SIMBOLIZADO PELAS CAMISETAS DA CBF

Este é um Brasil muito, muito estranho.

Um Brasil em que valentões da Internet fazem cyberbullying para impor a "sua verdade".

Um país onde políticos conservadores envolvidos em comprovada corrupção nem sequer precisam cogitar sobre a vida atrás das grades, porque a prisão lhes é uma possibilidade nula.

Um Brasil cujas obras psicografake de certa religião espiritualista são consideradas "autênticas" porque contém frases piegas como "sejamos irmãos" e "busquemos a paz".

Um Brasil cuja parcela de machistas que fuma demais, usa drogas ou remédios e, só porque mataram suas próprias mulheres e saíram impunes, não podem sequer morrer das doenças que produzem, como câncer ou infarto.

Um Brasil em que se acredita tolamente que um sistema de ônibus vai melhorar com ônibus de pintura igualzinha exibindo logotipos de prefeitura, secretarias de Estado, consórcios etc.

Um Brasil em que a emancipação feminina é condicionada pelo machismo, de forma que as mul…

APOIO A GOLPE MILITAR, SEGUNDO PESQUISA, CRESCE DE FORMA PREOCUPANTE

Uma pesquisa divulgada recentemente traz apreensão para o Brasil.

Embora seja uma amostragem, pois apenas uma pequena parcela de entrevistados é consultada em eventos desse tipo, os dados divulgados trazem alguma preocupação.

Foram feitas 2,5 mil entrevistas em 26 Estados brasileiros, sendo o Amapá o único deixado de fora pela pesquisa.

Segundo o Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação, parte do Programa de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT), cresceu o apoio ao golpe militar por dois critérios, o de "muito crime" ou "muita corrupção".

No caso de "muito crime", a defesa do golpe militar foi de 53,2% e na hipótese de "muita corrupção", 47,8%.

Entre os discordantes, respectivamente, 41,3% e 46,3%. No caso de quem não respondeu ou não soube responder são 5,6% e 5,8%.

O índice pode ser reflexo do clima de insatisfação e insegurança que se deu em 2013 mas que, três anos depois, resultou na retomada conservadora dos…

DELAÇÕES DE ANTÔNIO PALOCCI E RENATO DUQUE SERÃO USADAS PARA ENFRAQUECER LULA

Duas delações previstas para os próximos dias aquecem as expectativas dos opositores do Partido dos Trabalhadores de ver Lula caminhando para a derrota final, nas mãos da plutocracia.

Uma é a do antigo parceiro do ex-presidente e seu ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci, que também foi chefe do Gabinete Civil do primeiro governo Dilma Rousseff.

Outra é a de Renato Duque, que, segundo a Operação Lava Jato, é considerado ex-operador do PT no suposto esquema de propinas da Petrobras.

A delação de Palocci, agora um denunciante útil e um "quase herói" dos anti-petistas, vem com dois aspectos estranhos.

Um é que a delação será coordenada pela Polícia Federal e não pelo Ministério Público Federal, como exige a hierarquia jurídica.

Segundo, a delação foi anunciada depois que o Supremo Tribunal Federal tirou das mãos do juiz Sérgio Moro supostos casos de corrupção envolvendo Lula, como o sítio de Atibaia, as supostas obras do Instituto Lula e o dinheiro arrecadado nas palestras d…

REVELAÇÕES SOBRE DITADURA PODEM DERRUBAR PARADIGMAS E TOTENS DA SOCIEDADE CONSERVADORA

Os recentes documentos da CIA, revelados anteontem, trazem o dado chocante de que a repressão militar manteve sua intensidade mesmo na chamada "época de abertura política".

Os governos Ernesto Geisel e João Baptista Figueiredo eram citados num relatório como atuantes no comando de prisões, torturas e extermínios que, oficialmente, só se atribuía ao período do general Emílio Médici, quando o AI-5 começou a valer.

Isso derruba muitos paradigmas e revela debilidades das mais diversas, que ultrapassam o âmbito militar e político brasileiros.

Sobretudo diante de paradigmas conservadores, do machismo feminicida ao valentonismo (bullying), práticas criminosas, porém socialmente toleradas, e dos mitos da "caridade paliativa" e da bregalização cultural que glamourizam a pobreza e domesticam os pobres.

Para começar, derruba a ilusão de "anos dourados" de 1974-1979 ou do mito da breguice "tropicalizada" da Era Médici, que a intelectualidade "bacana&q…