Pular para o conteúdo principal

EMMA WATSON DÁ UM BANHO NAS FUNQUEIRAS "FEMINISTAS"


A atriz inglesa Emma Watson deu uma boa lição de como é uma verdadeira visão feminista, o que faz corar de vergonha as provincianas e grotescas funqueiras brasileiras, que se acham detentoras de uma visão falsamente moderna do feminismo.

Emma Watson, em um discurso recente na ONU, afirmou que questiona o mito feminista do "ódio aos homens", preferindo pensar o feminismo como uma luta pela igualdade de direitos entre homens e mulheres.


"Eu fui nomeada (para o posto de Embaixadora da Boa Vontade das Nações Unidas) há seis meses e o que mais falei a respeito de feminismo, o que mais percebi é que a luta pelos direitos das mulheres é frequentemente vista como sinônimo de ódio aos homens.  Se existe alguma coisa que eu sei com certeza, é que isto tem que parar", diz a atriz, famosa pelos filmes de Harry Potter.

Isso é muito diferente da visão "moderna" que se faz do feminismo brasileiro, em que o rebolar de glúteos siloconados, associado a um pretexto "popular", sustenta uma visão falsamente independente da mulher, forçosamente celibatária e fundamentada numa aversão aos homens.

A "liberdade do sexo" vira uma desculpa esfarrapada, tal qual a "liberdade de expressão" dos jornalistas mais reacionários, e a vulgaridade feminina trouxe até episódios constrangedores, como Solange Gomes vestindo pouca roupa num frio de dez graus e a Mulher Filé rebolando depois de sofrer uma queda.

É evidente que isso não é feminismo, porque as musas siliconadas se baseiam em estereótipos machistas, e elas mesmas são sustentadas por empresários "artísticos" e patrocinadas por dirigentes esportivos e carnavalescos para exibir a imagem de "objetos sexuais" enquanto usam a aparente solteirice para forjar uma postura pseudo-feminista.

Essas "feministas" deveriam lavar suas bocas com sabão, assim como as mulheres intelectuais que deveriam contestar a vulgaridade feminina, mas se tornam complacentes e corroboram o falso feminismo dessas "musas populares".

A lição de Emma Watson terá que ser considerada por nossas cientistas sociais, cineastas, jornalistas e ativistas dos movimentos sociais que ainda acreditam no "feminismo de glúteos" das "musas populares".

Porque, lá fora, não tem essa conversa de que o grotesco das mulheres-objetos é feminismo só porque é "popular" e elas não se projetam sob a sombra do cônjuge masculino. Esse circo das mulheres siliconadas é visto como machismo puro, pior até do que o feminismo "anti-homem" que Emma questionou em seu discurso.

Realmente, Emma Watson deu seu grande exemplo de classe e coerência. Parabéns a ela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…