Pular para o conteúdo principal

CULTURA SE TORNOU ESCRAVA DA MÍDIA E DO MERCADO

SE AS PERSONALIDADES MAIS IMPORTANTES DO BRASIL SÃO GENTE COMO NICOLE BAHLS E LUAN SANTANA, ALGO ESTÁ ERRADO.

Esqueçam os devaneios intelectualoides ou as condescendências pós-tropicalistas de que tudo é válido, não há limites nem territorialidades e que o "mau gosto" é uma causa "libertária". Por trás dessa "liberdade de tudo", há a constatação cruel de que a sociedade, não somente no Brasil como no exterior, sobretudo os EUA, está escravizada pelos valores da mídia e do mercado.

Essa triste constatação não consegue ser desmentida por páginas e páginas de monografias ou horas e horas de filmagens de documentários, assim como nem mesmo muitos quilobaites de artigos na Internet em que, de forma leviana e equivocada, são usadas argumentações pretensamente modernistas ou ativistas para justificar a supremacia da "cultura de massa" hoje em dia.

Ela revela uma realidade cruel. Deixamos de ter grandes personalidades de talento no primeiro escalão de pessoas influentes. Mesmo pessoas realmente talentosas e competentes já não conseguem influir tanto as pessoas e, eventualmente, são até desqualificadas num momento ou em outro, como é o caso do talentoso ator Ashton Kutcher.

Em compensação, a multiplicação de sub-celebridades e pseudo-artistas, promovendo sua fama sem motivo e sem ter muito o que dizer, mesmo quando forja algum ativismo sócio-cultural, se tornam um problema na medida em que essas pessoas continuam em evidência, resistindo a todo tipo de crise, mesmo quando criam problemas e impasses contra si mesmos.

Deixamos de ter grandes artistas e grandes pensadores no mainstream do entretenimento, da cultura e da intelectualidade. Mesmo nossos intelectuais estão muito mais preocupados com polêmicas baratas e provocações fúteis do que em transmitir ideias coerentes e relevantes.

Vivemos uma sociedade hipermediatizada, em que as regras de mercado e os interesses midiáticos prevalecem. E não se pode iludir com a subordinação da cultura a essas regras, com a discriminação progressiva dos artistas e celebridades de talento, enquanto os chamados "ídolos populares" tomam conta de espaços imagináveis e não imagináveis.

Nunca tais ídolos, na verdade nem tanto representativos assim para a cultura popular ou para a modernidade cultural em geral, estiveram com tantos espaços na mídia e no mercado. Pior: os espaços antes reservados à cultura de qualidade agora se rendem a essas "provocações", enquanto tudo se reduz a uma banalidade sem fim.

SUB-CELEBRIDADES, COREOGRAFIA EM EXCESSO, EMPRESÁRIOS DO ENTRETENIMENTO

O entretenimento "popular" no Brasil e a dita "cultura pop" dos EUA - que já se distancia do sentido de "pop" para sucumbir ao sentido de "poop" (fezes, em inglês) - parecem deslumbrar muitos e causar muita satisfação, mas a verdade é que tudo isso está causando um prejuízo e tornando o mainstream cultural cada vez mais vazio e entediante, cansando até mesmo quem gosta de seus ídolos.

Na música pop dos EUA, o grande problema é que cada vez mais impera um estilo confuso de pop dançante, em que cantores aparecem no palco com uma multidão de dançarinos, enquanto cantam letras "confessionais" que mais parecem um relato de baixarias ou uma afirmação de narcisismo do próprio intérprete.

Isso quando se observa que, por trás desses "concertos" (?!) musicais feitos com voz em pleibeque e instrumental eletrônico qualquer nota, há um teatro de revista enrustido, sem roteiro definido, mas com algumas encenações entre o cantor, cantora ou rapper e algum dançarino.

Quanto às "celebridades", nulidades como Honey Boo Boo, a Tan Mom e a família Kardashian monopolizam os noticiários midiáticos, dando saudades aos tempos em que a mídia pop era alimentada por ideias inteligentes do casal Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir.

Ou então há as "donas-de-casa" de reality shows, as real housewives que acabam sendo wives de ninguém. Ou as musas de UFC que todos fingem ver nelas a perfeição absoluta, mas na hora do "vamos ver" ninguém se interessa por elas. Até uma estrela teen da Nickelodeon ou da Disney sempre dá uma rasteira nas garotas do ringue.

E, no Brasil, o que se observa é a bregalização, tanto pela persistência do jornalismo bronco que até agora ninguém jogou para as madrugadas, exibindo tiroteios e notícias sobre crimes dolosos para crianças que acabam de voltar da escola para seus lares. Ou tanto pela inflação de "boazudas" que "sensualizam" à toa ganhando "gratificações" até de bicheiros e dirigentes esportivos!

Nem mesmo a pseudo-sofisticação de "sertanejos" e "pagodeiros românticos" ou o pseudo-ativismo de funqueiros conseguem resolver a situação. Isso tudo também não passa de uma jogada de marketing só para dizer que tais "artistas" estão fazendo alguma coisa, algo para tentar justificar o sucesso facilmente conquistado.

Por trás de tudo isso, há empresários do entretenimento "popular", que assessoram músicos popularescos e musas siliconadas. Com o trato da "causa popular" digno de jagunços de fazendas, esses empresários têm dinheiro para comprar à vista grandes latifúndios, mas se autoproclamam "pobrezinhos".

Se comportando como executivos gananciosos, também se autodefinem "produtores culturais", só para agradar a algum "bacana" que topar pelo caminho, de uma socialite mais descolada ao antropólogo ou jornalista cultural com vontade de ser famoso às custas de uma provocatividade barata. E se vestem de forma "informal" e "desleixada" para tentarem se dissociar do estigma empresarial.

No entanto, eles governam com mãos de ferro a chamada "cultura popular", impondo estereótipos que mal conseguem disfarçar apologias sutis ao machismo e ao racismo, por mais que tentem adotar um discurso contrário. Apostam na exploração caricatural das classes populares e alimentam um mercado popularesco cruel, sem produção de conhecimentos nem de valores edificantes.

O popularesco no Brasil tirou de escanteio os verdadeiros intelectuais, colocou na margem os ativistas sociais autênticos e barrou os espaços para os verdadeiros artistas musicais, que agora dependem até de programas musicais "tapa-buracos" dos canais políticos da TV paga para divulgarem seu brilhante material.

A MPB autêntica, condescendente com a bregalização, deixa que os bregas roubem seus espaços, tomem seus circuitos, "provoquem" com suas aparições em eventos emepebistas, alimentem seu estrelismo com polêmicas baratas.

E a nossa cultura musical, quando muito, se reduz a eventos de homenagem à MPB que mais parecem réquiem ou extrema-unção para uma MPB sufocada pela perda de seus próprios espaços de expressão.

E isso porque bregalizar é a lei do mercado. Bregalizar é a expressão do poderio midiático. Não vamos dar mais crédito à choradeira intelectualoide que cria dramalhões desnecessários para definir os ídolos popularescos como "coitadinhos". Eles nunca foram injustiçados. Os bregas sempre tiveram espaço, e agora conquistaram até os espaços dos outros. E, em nome da diversidade cultural, se lançam furiosamente contra essa ideia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…