SE FOSSE UMA MUSA DO UFC, TUDO BEM?


Dias atrás, a atriz colombiana Sofia Vergara, estrela do seriado A Família Moderna (Modern Family),  protagonizou uma violenta polêmica que reflete a hipocrisia humana em que se vivena atualidade.

A atriz foi convidada pelo presidente da Academia da Televisão dos Estados Unidos, Bruce Rosemblum, durante a cerimônia do 66° Emmy Awards 2014, em Los Angeles, no último 25 de agosto.

Bruce fazia um discurso a respeito da cerimônia e dos propósitos da indústria do entretenimento televisivo estadunidense, enquanto Sofia, usando um belo vestido branco que realçava suas curvas estonteantes, ficava num pedestal giratório, sorrindo e mostrando seu charme.

As reações foram violentas, acusando a atitude de Sofia Vergara de "sexista" e "vulgar". No entanto, prestando atenção ao vídeo que está disponível no YouTube, Sofia estava na realidade recatadíssima e dentro dos limites de sensualidade que existe, por exemplo, em concursos de miss.

As críticas a Sofia Vergara foram extremamente duras, mas de uma hipocrisia ímpar. Claro, é uma atriz consagrada, numa reputação que uma parcela iconoclasta de nossa sociedade gostaria de derrubar simplesmente porque já conquistou seu sucesso.

Enquanto isso, ninguém faria críticas assim se, no lugar de Sofia Vergara, tivesse uma musa do UFC, por exemplo. Numa inversão de valores, sub-celebridades e mulheres que se reduzem a meros objetos sexuais passam a ter não apenas a proteção da mídia, mas uma verdadeira blindagem, tendo uma reputação nem paparazzos ou jornalistas de fofocas podem derrubar.

E isso sem falar de um machismo "uia" - seus adeptos reagem dizendo "Uia!" toda vez que seu machismo é desmascarado, principalmente por outro homem - que permite que as mulheres-objetos em geral tenham mesmo que não ser inteligentes, porque isso é "seu charme".

Será que, se em vez de Sofia Vergara, tivesse uma Arianny Celeste ou Brittney Palmer, talvez com um apelo bem mais vulgar embora completamente insosso e sem graça, haveriam críticas duras como as que foram dirigidas contra Sofia?

E olha que Sofia Vergara é bastante sofisticada e charmosa, para quem esperava que uma atriz de origem hispano-americana, de um país vizinho do Brasil, fosse para os EUA soando brega e extravagante. Se bem que isso é uma visão muito preconceituosa, e vemos que as hispano-americanas que aparecem em Hollywood são naturalmente charmosas.

A meu ver, a cena de Sofia Vergara foi até divertida, como ela mesma disse: "Uma pessoa pode ser atraente, divertida e saber rir de si mesma". E seu gesto, aliado à beleza estonteante da atriz, foi até gracioso e deliciosamente encantador, aliado ao charme da atriz, que estava mais discreta do que seus detratores supunham.

Portanto, não foi Sofia quem cometeu a gafe. A gafe, na verdade, foi da parte dos que viam vulgaridade no gracioso gesto da atriz. Os mesmos que aceitariam que as insossas musas do UFC com suas apelações dignas de ex-BBBs mostrassem sua falta de charme e de graça.

Comentários