Pular para o conteúdo principal

BREGA-POPULARESCO NÃO É DADAÍSMO


A onda da "cultura de massa" brega-popularesca, tendência que incluiu desde os bregas "de raiz", como Waldick Soriano, até o "funk", passando pelo "sertanejo", axé-music, "pagode romântico", "forró eletrônico" e por aí vai, constituindo num "popular de mercado", foi famosa pela grande blindagem de intelectuais e jornalistas.

Ela foi uma espécie de IPES-IBAD pós-tropicalista, tentando nos fazer crer que se tratava de um "provocativo" movimento dadaísta, de uma "subversão" artística ou de uma "rebelião popular" do "mau gosto". Muito lero-lero jornalístico, monográfico e documentarista foi despejado neste sentido.

Só que tudo não passa de cultura de mercado, musical ou comportamental. Nenhum desses brega-popularescos tinha noção precisa do que era a Semana de Arte Moderna de 1922, ou o que eram movimentos como o cubismo, o dadaísmo, o impressionismo ou coisa e tal.

A intelectualidade "bacana" é que fazia seu julgamento etnocêntrico, atribuindo a esses ícones "populares" o que era próprio tão somente da própria intelectualidade. Os funqueiros não tinham ideia de quem eram Andy Wahrol, Malcolm MacLaren ou Carlos Lamarca, mas se o intelectual "bacana" dizia que o "funk" era a síntese desses três, tínhamos que acreditar nisso.

Era o bom "etnocentrismo" que fazia qualquer MC Créu parecer poeta concretista. A coisa não vinha dos ídolos brega-popularescos, que só se comprometiam a representar fenômenos musicais ou comportamentais meramente comerciais, mas do "bom preconceito" de intelectuais que se achavam "provocativos" e queriam transformar neoliberalismo em socialismo modernista. Em vão.

A foto acima mostra uma "provocativa" produção de grafite na 3ª Bienal Internacional do Grafite, em São Paulo, que expressa um "tropicalismo de resultados", em que uma "popozuda" do "funk" tem a cabeça da Monalisa de Leonardo da Vinci, com aquela pose "sensual" que parece de alguém querendo defecar na rua.

Modernismo? De jeito nenhum! Tudo banalizado e normal, e bastante inócuo. A "ditabranda do mau gosto" dá o seu recado consumista, fingindo que está causando uma revolução. Dizer que isso é subversivo é o mesmo que dizer que a Coca-Cola e o MC Donald's são "socialistas" só porque usam o vermelho em suas estéticas publicitárias.

No momento, leio Tempos Fraturados, do falecido escritor Eric Hobsbawm, e ele falava que as manifestações artísticas pós-moderna, a partir do dadaísmo, eram manifestações de guerra contra as "belas-artes", contra a "alta cultura", não necessariamente formas de ampliação de seus horizontes expressivos.

Isso é muito diferente do que o "bom etnocentrismo" de nossos jornalistas culturais e acadêmicos "bacanas" e "provocativos" pensa dos bregas e derivados. Eles não querem fazer subversão, mas seguir uma "linha de montagem" de valores sócio-culturais considerados decadentes e precários e que equivalem a uma imagem de "povo pobre" que agrada as elites abastadas.

Esses intelectuais, por mais que se achem "mais povo do que o povo", só porque são capazes de beber um engradado de cachaça em algum puteiro da esquina, são o reflexo dessa elite, e nem apreciam o povo pobre como uma identificação distante, mas sincera, pelo "outro".

E aí eu ouvi, no portal UOL, uma gravação de 1940 com o poeta Mário de Andrade, grande pesquisador e intelectual modernista, com Mary Pedrosa, então esposa do crítico e depois curador da Bienal Internacional de Arte Moderna, Mário Pedrosa, e da escritora Rachel de Queiroz.

Alguns números musicais do disco, registrado pelo linguista negro norte-americano Lorenzo Turner, são cantados, ora por Mary (de voz lindíssima), Rachel e Mário de Andrade, com o próprio autor de Macunaíma responsável pelo clímax da gravação, a música "Toca Zumba". Provavelmente, o próprio Mário Pedrosa aparece na gravação, de julho de 1940.

O disco mostra também um bate-papo e surpreende pela linguagem moderna. Não fosse a qualidade do disco, um registro evidentemente de 75 anos atrás, poderia vê-lo como atualíssimo. Só que hoje a pós-modernidade é tomada de tantos retrocessos, que muita coisa de hoje soa antiquada e velha, e muita coisa antiga soa renovada e vibrante.

E aí me envergonha o pessoal usar o "funk" para fazer "provocação". Acham que estão seguindo os passos da turma modernista de 1922. Não estão. Os intelectuais "bacanas" estão muito mais próximos dos "gurus neoliberais" de 1990, e sua "provocação" não incomoda, não subverte, apenas desagrada.

O dadaísmo, pelo menos, lançava um debate sobre formas de expressão cultural. Se ele negava os paradigmas das belas-artes, ao menos tinha um propósito artístico, provocava para discutir e não para usar o mau gosto como bandeira de luta ou uma forma de transformar meros fenômenos de consumo em "arte de vanguarda".

Já o "funk", não. Ele nunca passou de um pop dançante chinfrim, válido dentro do seu meio, mas que se promoveu com seu coitadismo e tornou-se mitificado por uma campanha etnocêntrica de intelectuais, que expuseram seus "bons preconceitos", atribuindo ao "funk" referenciais e virtudes que nunca existiram nem existem no ritmo.

Daí que o "funk", como outros fenômenos do "popular de mercado" que é o brega-popularesco, nem de longe constitui alguma expressão modernista, dadaísta, vanguardista ou coisa parecida. E mostra o quanto os intelectuais "sem preconceitos", mas bastante preconceituosos, são elitistas, mesmo quando tentam levar isso pelo lado aparentemente "positivo".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…