Pular para o conteúdo principal

PROFESSORES SOFREM DOS DOIS LADOS EM GOIÁS E PARANÁ


A Educação viveu dois duros golpes no Brasil, nos últimos dias. A truculência policial e o vandalismo de uma minoria de estudantes marcaram, nos últimos dias, a dura situação que a classe dos professores vive no nosso país.

Em Curitiba, uma manifestação pacífica dos professores em greve, pedindo aumento salarial e melhores condições de trabalho, foi violentamente reprimida pelas forças policiais do governador do Paraná, Beto Richa, do PSDB. A manifestação terminou com cem feridos alguns ensanguentados, e vários detidos.

Um manifestante com um auto-falante chegou a ser estrangulado por um dos policiais e uma mulher, como se vê na foto acima, teve que correr para não ser agarrada por um dos policiais da tropa de choque.

O protesto repercutiu até mesmo na imprensa internacional, A truculência policial em Curitiba, aliás, é comparável à violência com que seus "colegas" nos EUA estão tendo ao matar negros suspeitos de delitos, alguns deles pequenos, numa clara demonstração de fúria racista naquele país. Mas que pode ser uma fúria contra as classes populares, tal qual o protesto em Curitiba.

O dado a cogitar na política de Curitiba é que Beto Richa é filho do falecido José Richa, que havia sido aliado de Jaime Lerner na capital paranaense. Os Richa, beneficiários da ditadura militar mas integrantes do "brando" MDB, eram de Londrina e se aliaram ao "progressista" Lerner (que era da ARENA e foi prefeito biônico de Curitiba) para se ascender no Estado.

Isso é um xeque à imagem "progressista" de Jaime Lerner, endeusado por medidas para o transporte coletivo que, mesmo impopulares (que vão da pintura padronizada dos ônibus à dupla função de motoristas-cobradores), são exaltadas por causa de seu status tecnocrático.

Como político, Lerner mostrou não ser muito diferente do que Beto Richa é hoje, pelo histórico de corrupção e de medidas contrárias ao interesse das classes populares, sobretudo no que diz a políticas salariais e à administração pública.


Em Valparaíso de Goiás, no último dia 24, a violência não partiu de policiais, mas de uma parcela de alunos sem qualquer consciência de cidadania. Só porque uma diretora considerada de conduta mais austera foi escolhida para conduzir uma escola pública, uma minoria de crianças resolveu reagir causando desordem e caos.

Foi gravado um vídeo que foi divulgado nas mídias sociais. Nele os alunos envolvidos no vandalismo correm de um lado a outro na escola, assustando quem estava por perto com gritos como "Quebra, quebra, quebra" e "Fora a diretora".

Isso assustou outros alunos e professores, e um verdadeiro atentado ao patrimônio público, com a destruição de carteiras e outros objetos como portas, mesas e janelas quebrados, foi feito, causando prejuízos à escola.

A escola tem histórico de confusões e os vândalos são conhecidos também por riscar carros de professores e furar pneus. Houve rumores de que alguns desses alunos estavam armados, fazendo com que a direção da escola recorresse à intervenção policial.

Apesar do escândalo do último dia 24, as aulas não foram suspensas e não houve punição aos infratores. Mas o caso chamou a atenção e foi divulgado na imprensa do Brasil, além da repercussão ocorrida na Internet.

De um lado e de outro, são episódios lamentáveis que mostram a crise social em que vivemos e a prepotência que algumas pessoas desprovidas de senso moral têm em nosso país. E, para piorar, os professores, que cuidam de ensinar e transmitir conhecimentos para as pessoas, acabam sempre prejudicados. Eles são agredidos diante de seu trabalho de preparar o futuro de nosso país.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…