Pular para o conteúdo principal

CASO ED MOTTA CONTINUA RENDENDO


Ed Motta não é Deus, não é profeta visionário, não é artista revolucionário e nem salvador da Pátria. Mas o bom é que ele sacudiu o país, embora tenha virado "vidraça" pelo fato de que ele não quis falar português para a plateia brasileira.

Ele lançou questões sobre a mediocridade musical, num caso raro. Já tivemos o exemplo de João Gilberto, que também desagradou expondo ao ridículo a plateia que só quer comer e beber, tratando a música como reles trilha sonora para sua embriaguez burguesa meio chique, meio grosseira.

Ninguém quer expor a turma da MPBebum ao ridículo. O pessoal que não tem ideia do estrago que um Michael Sullivan (para a "turma simplória", este pode ser Deus, né?) fez para a Música Popular Brasileira, se acha cheio da razão quando um músico reclama dos chiliques da plateia.

Chega a ser risível que o pessoal caia na gozação porque Ed Motta só quer falar em inglês para a plateia. Afinal, os brasileiros que o esnobam também despejam seu inglês: em vez de "bicicleta", "entrega a domicílio", "apartamento", "vibração" e "moda", agora falam bike, delivery, flat, vibe e fashion.

Até a palavra bullying não tem, até hoje, um equivalente em português. Eu até chamava esse fenômeno de "implicância" e seus praticantes (bullies), "implicantes", mas recentemente veio a ideia de defini-los como "valentonismo" e "valentões".

Mas como eu não tenho a visibilidade de um Luciano Huck, a minha sugestão não vale. Ele lançou com Tutinha a gíria "balada", que era um reles jargão de clubbers paulistas, e a gíria pegou pelo país e atingiu os supostos haters do apresentador narigudo. Sim, agora são haters, não detratores. Manuel foi pro céu. "É Brasil, véi".

Mas no Brasil em que uma parcela de supostos detratores de Luciano Huck fala das suas gírias e segue os seus hábitos (mui detratores, hein?), o pessoal não consegue entender por que um músico expõe suas convicções pessoais.

Quem o pessoal imaginaria que Ed Motta fosse? Sambista? Repentista? Violeiro? Não que fosse ruim ele poder ser um deles, mas é opção dele fazer soul music com inclinações jazzísticas? Se é isso que seu coração manda, que mal tem isso?

E os "maravilhosos" astros do "sertanejo", "pagode romântico" e axé-music que só sabem dar "alô" para a plateia, mas não conseguem fazer uma música que preste? Musicalmente, eles são tão "espontâneos" quanto bonecos de papai noel movidos a bateria que se movem diante de várias lojas no Natal.

Ed Motta não deu a sua visão definitiva do que deve se comportar um músico brasileiro. Ele deu sua visão pessoal. Daí o seu mérito. Foi sua escolha assim, porque é seu estilo, pelo menos ele é um artista musicalmente verdadeiro, como poucos no Brasil. Isso é que o pessoal não entendeu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…