Pular para o conteúdo principal

"FUNK" SOFRE RACHA COM DOIS CAMINHOS DIFERENTES

MC BIN LADEN E MC LUDMILLA - Radicalização de dois discursos do "funk".

Racha no "funk". O ritmo que era a coqueluche dos intelectuais "bacaninhas" e das elites "descoladas" que queriam disfarçar suas neuroses elitistas apoiando o "funk" para dar a impressão de que eram "bonzinhos" para as classes populares, agora radicaliza seus dois discursos e cria dois "universos" diferentes.

A nova situação rompe com aquele contexto unificado em que o "discurso direto" e o "som mais cru" dos funqueiros transitava tanto nas favelas quanto nas boates da Zona Sul, cujo último exemplo foi o MC Guimê, ícone do "funk ostentação". Outro ícone dessa fase, o Mr. Catra, agora tem que se virar fazendo "rock dos anos 90" da linha rebelde-mas-inócua que a 89 FM e a Rádio Cidade gostam.

De um lado, o "funk" que sempre esteve de mãos dadas com o poder midiático - até quando tentava fazer crer o contrário - , se aproxima da tendência "funk melody", adotando uma postura mais "comportada", ainda que continuasse carregado no seu suposto apelo sensual.

Isso se reflete com a repaginação de Valesca Popozuda, que teve que desfazer de suas doses de silicone (ela chegou a aumentar as doses nos bustos e glúteos) e adotar uma postura "mais sóbria", mudando até mesmo o som, que era do "funk" mais cru, para o "funk melody", com claras intenções de competir com a "moderada" Anitta.

Além disso, o mercado já começa a lançar outra intérprete genérica, para talvez evitar cansar o mercado com apenas uma ou duas funqueiras. MC Ludmilla é o nome da vez, consagrando a aproximação do "funk" propriamente dito para o "funk melody", antes representado por poucos nomes, em especial Latino.

Já o discurso "raivoso" do "funk", que havia se destacado com o "funk ostentação", buscou se aproximar do "proibidão", facção do "funk" que exalta a violência e carrega demais nas baixarias. Ele sempre radicalizou no discurso já agressivo do "funk" em geral, e se nem a grande mídia quer o "proibidão", é porque ele é explícito demais para manobrar as massas de alguma forma ou outra.

Pois agora, com o desgaste do "funk ostentação" - que a ninguém convenceu com sua proposta de renegar o mercado exaltando os seus valores e o consumismo mais convicto - , o que se vê é a ascensão do "neo-proibidão", que em termos de agressividade, é mais radical que o "ostentação", mas não se sabe se é ou não mais "acessível" que o "proibidão".

O principal nome do "neo-proibidão" é o paulista MC Bin Laden, conhecido pelos sucessos "Bin Laden Não Morreu" e "Boiolo", que usa letras inspiradas em vilões de quadrinhos, jogos eletrônicos e noticiários. Recentemente, o DJ norte-americano Wesley Pentz, conhecido como Diplo, foi se encontrar com o MC depois de se apresentar no setor eletrônico do Lollapalooza.

O que se tem certeza é que o "neo-proibidão" é o refúgio daquela postura e discurso "puros" do "funk", que alegava resistir à chamada "higienização", que os "ativistas" do gênero acusavam do "funk melody". A fidelidade ao "discurso direto" era simbolizada até em Valesca Popozuda, mas esta, querendo agora agradar a alta sociedade, teve que lapidar o seu discurso e sua postura.

Com isso, o "funk" tão defendido pela intelligentzia na sua forma "crua", teve que se domesticar em função desse apoio. Contradições de um ritmo marcado pela própria contradição. E o que restou de "discurso cru" agora encontra seu refúgio no "neo-proibidão".

Não se sabe até quando isso vai dar. Mas, como virar a casaca é um passatempo dos funqueiros, daqui a pouco veremos MC Bin Laden abraçado à torcida do Flamengo cantando letras futebolistas e fotografado pelos jornais Meia-Hora e Expresso. Vide aquele imitador do Eminem, MC Guimê, que ostenta a si mesmo dentro dos circuitos midiáticos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…