Pular para o conteúdo principal

TRAJETÓRIA DA FLUMINENSE FM VAI VIRAR FILME. E DEPOIS, COMO É QUE FICA?


Foi informada recentemente a notícia de que o livro A Onda Maldita, de Luiz Antônio Mello, sobre a trajetória da Rádio Fluminense FM, de Niterói, vai virar filme, sob direção de Tomás Portella, roteiro de L. G. Bayão e com Mateus Solano e Marjorie Estiano (que, curiosamente, nasceu uma semana após a Flu entrar no ar) encabeçando o elenco. O filme está previsto para ser lançado em 2016.

É maravilhoso ver esse empenho de reviver a Fluminense FM e, comparável à trajetória da rádio de Luiz Antônio Mello - que continua ensinando a verdadeira cultura rock com sua Coluna do LAM - , é a pesquisa de Alessandro Alr que traz a história da emissora para quem não teve a oportunidade de ouvi-la e só conheceu o radialismo rock na forma das "Jovem Pan com guitarras" de hoje.

Existe exposição, existem festas, existe divulgação de arquivos, há toda uma mobilização para relembrar a Fluminense FM. Há também documentários, como o Maldita FM, de Tatá Mattos. Isso é muito legal, é altamente positivo e brilhante, mas devemos prestar atenção para o outro lado.

Afinal, estamos celebrando o radialismo rock do passado, seus tempos áureos, sua memória etc. E o presente, como é que fica? A situação do radialismo rock de hoje está horrível, só para usar um adjetivo mais educado.

A Fluminense FM fez história porque era feita por pessoas que conheciam e curtiam rock. Não era uma questão de mero gosto musical, mas gostar da causa faz a pessoa ser criativa e sacar melhor o que poderá se tornar importante no cenário rock do futuro e mostrar coisas boas que não conseguiram atingir o hit-parade.

RÁDIO CIDADE RECEBIA CHACOTA, MAS DEVOLVIA COM BULLYING

"Tínhamos uma verdadeira fobia de que uma Rádio Cidade, de repente, despejasse, com seus milhares de quilowatts, rock sobre o Rio. Estaríamos ferrados". escreveu Luiz Antônio Mello em A Onda Maldita, sem saber que fez uma profecia maligna.

A experiência da Rádio Cidade com o rock, foi e é um horror, pelo conjunto da obra. Se salvava alguma coisa, eram alguns programas específicos, como os de José Roberto Mahr, que no entanto não podem refletir como "louros" para a programação geral. O que Mahr faz é uma ilha de inteligência e coerência que não dialoga com o resto do oceano.

O que se vê na programação diária nessas "rádios rock" é uma grande matinê. Dá pena os seguidores da Rádio Cidade (e da paulista 89 FM, de DNA malufista) falarem mal de Restart, Cine e de todo o happy rock coloridinho. Eles veem o argueiro nas olhos dos outros, mas não enxergam a trave que existe nos seus próprios olhos.

Afinal, programas como Hora dos Perdidos, Rock Bola, e, no caso da 89, Do Balacobaco, Pressão Total e Quem Não Faz Toma (como se não bastasse um Tatola falando igualzinho locutor da Transamérica), representam de forma escancarada o mesmo "astral coloridinho" que os ouvintes das duas rádios dizem espinafrar.

E pensar que, nos anos 80, a Rádio Cidade recebia chacotas quando enfiava suas antenas no prestígio da cultura rock. Mas, nos últimos anos, são os fascistoides que ouvem a Cidade, que parecem membros do Fã-Clube do Jair Bolsonaro, que ficam fazendo bullying nas mídias sociais.

Eles pensam o rock com seus umbigos. Não sabem a diferença entre barulho de guitarra e de furadeira elétrica, mas querem ser os donos da cultura rock no Brasil e no mundo. Acham que futebol é "esporte rock'n'roll"(nem na Inglaterra, onde roqueiros apreciam futebol, é assim) quando, no Brasil, 99,99% dos jogadores e torcedores de futebol nem está aí para o rock. Nem o Neymar.

No fundo, os ouvintes da Rádio Cidade são uns emos enrustidos, uns matutos arrogantes que pensam que existe uma fronteira entre rock antigo e rock novo, sem saber que os músicos das maiores bandas do rock dos anos 90 sempre admiraram os roqueiros do "tempo da vovó".

O que a Rádio Cidade vai fazer se o filme sobre a Fluminense fizer um sucesso? Certamente vai pegar carona, porque a Rádio Cidade, fora aquele breve período áureo de 1977-1981, nunca conseguiu ter projeção duradoura, sua maior frustração foi de nunca ter tido o carisma que a rádio niteroiense conseguiu ao longo dos anos.

Claro que a Cidade está em crise, depois que seu antigo coordenador esnobou os Titãs. A rádio não conseguiu até hoje lançar uma cena roqueira que preste, as novas bandas lançadas vieram de reality shows da Globo. Para evitar comparações com a concorrente Mix FM, os locutores da Cidade agora falam mais mansinhos, mas ainda soam como se Emílio Zurita lesse uma nota fúnebre.

A locução poperó continua. O Rock Bola com sua minoria de hooligans que pensam que o som da guitarra só funciona com o chute de uma bola, prossegue endeusando Galvão Bueno e Ricardo Teixeira. E o rock restrito ao hit-parade, embora na Internet se coleta datas de aniversário até de músicos mais complexos de rock. Como se isso fosse alguma coisa.

Como é que vai ficar, se o filme da Maldita fizer sucesso? A Cidade e a 89 cuspirão nos pratos em que comeram? Vão pedir desculpas por terem xingado o rock mais antigo? Vão explicar que só adotaram locução poperó para atingir o topo do Ibope? Vão prometer tocar bandas mais "difíceis" depois de ridicularizá-las nos bastidores?

O problema vai ser esse morde-e-assopra de duas rádios que, embora pretendam representar "para sempre" o segmento rock, sempre agiram contra o segmento, tratando o público de rock de forma caricata, estereotipada e bastante preconceituosa. Será que as duas rádios vão querer pegar carona no estilo da Fluminense FM, depois de tanto desprezá-la e até ridicularizá-la?

É muito maravilhoso relembrar o passado da Maldita e ver as novas gerações conhecendo a sua trajetória. Mas, se o radialismo rock de antes deixa saudades, o de hoje está problemático, O provável vira-casaquismo das rádios comerciais, embora supostamente se aproveitem dos louros da Maldita, soará mais como um oportunismo de emissoras que nunca estavam aí para isso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…