Pular para o conteúdo principal

PASSEI PERTO DE UMA PASSEATA DO "FORA DILMA"


Não, eu não fui para a passeata do "Fora Dilma". Embora admita que o PT anda desgastado e precisa tirar umas longas férias de Governo Federal, eu não defendo o impeachment de Dilma. Paciência, os direitistas tinham todo o tempo para defender seus candidatos, nos dois turnos das eleições de 2014.

Eu estava fazendo caminhada na Praia de Icaraí, em Niterói, hoje de manhã, e, no meu caminho para a Praia João Caetano (antiga Praia das Flechas), um carro estava estacionado próximo à reitoria da Universidade Federal Fluminense (UFF) tocando "Pra Não Dizer Que Não Falei de Flores", de Geraldo Vandré.

Puro oportunismo. Afinal, é uma passeata de direita, de um público mais elitista, e aí fica estranho tocar músicas como a do Vandré e a "Brasil", de Cazuza. Talvez fosse melhor o pessoal ter tocado "Revanche" e "Decadance Avec Elegance" do Lobão, porque, embora este tivesse sido amigo e até parceiro de Cazuza, ele descambou para a direitona.


As pessoas estavam gritando "Fora PT" diante de uma trilha musical que tocou algumas canções de rock. O pessoal "madrugou", porque lá pelas dez da manhã o protesto já ocorria nos dois quarteirões entre as ruas Miguel de Frias e Pereira da Silva junto à Av. Jornalista Alberto Francisco Torres.

O animador do protesto, em certo momento, lembrou que o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, era também do PT e o pessoal vaiou. Um grito de "É o chinelo de Pezão" foi dado, mas ficou por isso. Mas o animador, voltando à Dilma, deu seu grito de guerra: "Assaltante de banco, terrorista, Dilma não me representa!".

Sabe-se que Dilma Rousseff participou, nos tempos da ditadura militar, das guerrilhas estudantis contra a repressão, que assaltavam bancos para obter dinheiro para comprar armas e sobreviver naquelas condições improvisadas e arriscadas.


Houve até mesmo distribuição de adesivos pedindo "Fora Dilma". Segundo a imprensa de direita, as passeatas tiveram menos pessoas que as de 15 de março, No entanto, seus jornalistas alegam que a adesão envolveu mais cidades que no outro dia. Havia uma torcida para que as manifestações "dessem certo" de qualquer maneira.

Já na imprensa de esquerda, seus blogueiros faziam gozações e críticas. Houve até mesmo a hashtag #AceitaDilmaVez. E tudo indica que o movimento de hoje ficará por isso mesmo, só para informar à presidenta que uma parcela dos brasileiros faz oposição enérgica a ela.

O que pode acontecer é que, dentro de uns três anos, o PT saia do poder e não seja mais eleito. A verdade é que o Partido dos Trabalhadores anda desgastado e toda a esquerda está em crise, sem apresentar propostas profundamente progressistas. A esquerda precisa se reinventar, no Brasil, e está precisando de umas boas férias para poder parar e pensar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…