Pular para o conteúdo principal

ED MOTTA TEVE CARA E CORAGEM


Ed Motta teve cara e coragem para sacudir um país medíocre. É certo que muita gente não gostou, definiu ele como "arrogante", criou petição para ele deixar o Brasil etc etc, mas a verdade é que a polêmica que o músico carioca criou foi um belo ato de sacudir o país que há muito tempo está acomodado em seus problemas, aceitos com submissão bovina.

A polêmica também abre as feridas da crise da Música Popular Brasileira, que vive atolada no marasmo, indo para o fundo do poço porque a MPB autêntica, acomodada em homenagens intermináveis, sem investir em novas propostas e aceitando ser passada na perna pelo brega-popularesco, que estagnou por não ter o que dizer.

Tudo começou quando Ed Motta, agradecendo ao apoio dos fãs brasileiros, escreveu um comunicado, sobre a realidade da música brasileira que o fez optar por fazer uma turnê na Europa (ele tocou até na cidade inglesa de Leeds, das bandas Wedding Present. Lush e Kaiser Chiefs e local de um famoso álbum ao vivo do The Who). Diz o comunicado:

"OBS = conforme venho avisando aqui nos últimos 3 anos, eu agradeço e fico honrado em ser prestigiado pela comunidade brasileira, mas é importante frisar, não tem músicas em português no repertório, eu não falo em português no show... Preciso me comunicar de forma que todos compreendam, o inglês é a língua universal, então pelo amor de Deus, não venha com um grupo de brasuca berrando "Manuel" porque não tem, e muito menos gritar "fala português Ed"... O mundo inteiro fala inglês, não é possível que o imigrante brasileiro não saiba um básico de inglês. A divulgação da gravadora, dos promotores é maciça no mundo Europeu, e não na comunidade brasileira. Verdade seja dita, que meu público brasileiro de verdade na Europa, é um pessoal mais culto, informado, essas pessoas nunca gritaram nada, o negócio é que vai uma turma mais simplória que nunca me acompanhou no Brasil, público de sertanejo, axé, pagode, que vem beber cerveja barata com camiseta apertada tipo jogador de futebol, com aquele relógio branco, e começa gritar nome de time. Não gaste seu dinheiro, e nem a paciência alheia atrapalhando um trabalho que é realizado com seriedade cirúrgica, esse não é um show para matar a saudade do Brasil, esse é um show internacional. Que desagradável ter que toda vez dar explicações, e ter que escrever esse texto infame..."

A recusa de Ed Motta de adotar a língua portuguesa, preferindo cantar e se comunicar em inglês para a plateia, causou revolta nos internautas, que o classificaram de "arrogante". As pessoas também se indignaram quando Ed definiu os fãs da mediocridade musical de "turma simplória (...), público de sertanejo, axé, pagode", e pediram para que Ed optasse por deixar o Brasil.

Ed Motta respondeu boa parte dos ataques, admitindo, num dos comentários em defesa do músico, que "não tem mais medo da burrice". Ele afirmou, entre outras coisas, que os brasileiros não estão acostumados a uma sala de concertos e estão consumindo "soda cáustica sonora".

O músico, sobrinho de Tim Maia, é um dos críticos ferozes da imbecilização musical que domina o país e que eu mesmo tive uma trabalheira para desmontar uma blindagem de intelectuais "bacanas", que queriam um Brasil brega, drogado, bêbado e prostituído, eu com uns blogues, o pessoal com documentários e monografias.

Recentemente, Ed Motta, de forma bem coerente, reprovou o "tributo a Tim Maia" dos cantores Ivete Sangalo e Criolo, sugerindo que o artista mais adequado para homenagear o tio seria Cláudio Zoli, pela vivência e identificação com a proposta musical lançada pelo falecido soulman carioca.

Pode ser um trabalho incômodo, que gera muita tensão e conflito e ainda deixa a pessoa vulnerável à arrogância extrema de uns internautas frustrados que fazem trolagem e cyberbullying para se vingar contra aqueles que não pensam em favor do "estabelecido".

Mas é preciso desmontar essa multidão reaça que espalha ofensas pela Internet e ter coragem para fazer prevalecer a coerência, a lógica dos fatos e outros valores verdadeiros que andam muito em baixa hoje.

A atitude de Ed Motta mostra que a "manada bovina", que aceita todas as coisas quando "vindas de cima" (da política, do entretenimento, da tecnocracia), mas reage com fúria contra quem não compartilha de seus valores míopes.



Eu mesmo escrevi um comentário no Facebook apoiando Ed Motta por ter cara e coragem de zelar por seus valores e reagir contra a acomodação desse país. Ele é, portanto, um dos poucos artistas de MPB que não se rebaixa a cantor de restaurante e ficar fazendo fundo musical para a bebedeira. Aqui está o comentário que eu mesmo escrevi:

"Parabéns pelo comentário, Ed Motta. Tem que passar o dedo na ferida mesmo, enfrentar a manada bovina!! Você tem um trabalho a zelar e uma dedicação enorme, e o pessoal só indo a seus shows para fazer selfie para dizer que estava lá. É o tipo de pessoal que tanto faz se vai ao seu show ou se vai ao de Chitãozinho & Xororó (argh!), porque o que importa é o narcisismo dessa "turminha simplória", que só quer fazer selfie e gritar "u-huuu". É preciso sacudir esse país, porque está acomodado mesmo. E parabéns sobre seu comentário a respeito do tributo ao Tim Maia. Infelizmente, a música de qualidade, brasileira ou não, é maltratada pela ação de muitos oportunistas, que só querem pegar carona na cauda do cometa. Ed, continue com seu trabalho, faça o que realmente gosta. Abraço."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…