Pular para o conteúdo principal

ED MOTTA PEDE DESCULPAS POR POLÊMICA. "COXINHAS" E GRANDE MÍDIA COMEMORAM


Os barões da grande mídia estão tranquilos. Depois da polêmica causada por Ed Motta, que criticou a mediocridade cultural brasileira, o músico carioca pediu desculpas pela polêmica provocada, através de uma nota publicada no Facebook e apoiada pela esposa, Edna. Escreveu Ed:

"Uma retratação sobre meus erros.
Ninguém erra? Sim todo mundo erra, e em diferentes escalas, a pessoa pública não é Deus, está no mundo para errar assim como todos.
A forma que escrevi muitas coisas eu mesmo repudio, mas é fruto da minha cabeça lotada de revoltas, decepções na arte, paranoias etc que me fazem me entupir de um monte de remédios para ansiedade, depressão etc.
Não estou me vitimizando, estou me abrindo com vocês, porque assim como não tenho medo de me expor escrevendo merda, não me amedronto por minhas fraquezas que não são poucas.
Depois que se erra, existe um preço a pagar e eu sou completamente ciente disso.
Escrevi de forma raivosa e equivocada sobre algo que realmente atrapalha meus shows no exterior, quando se está no palco que é algo frágil emocionalmente, a sensação é de desespero quando ocorre um equívoco.
Peço desculpas a todos que se sentiram ofendidos com minhas frustrações.
Peço a Deus que eu não repita algo do gênero".

Evidentemente que Ed Motta não cedeu à pressão dos "coxinhas" que atacaram o artista. Ele não quis dizer que o pessoal está certo, que o "pagode", "sertanejo" e axé são de uma superioridade artística ímpar e que rebolar é mais digno do que tocar acordes musicais complexos com um instrumento.

O que Ed quis dizer foi que ele errou ao exagerar nos comentários, sobretudo referindo aos brasileiros por ele criticados como "indígenas" e "pedreiros". Ele teve autocrítica e até a humildade que muitos ignoravam que ele tivesse. Mas a mídia comemorou, acreditando que é uma capitulação.

Infelizmente, o brega-popularesco dos ritmos "sofisticados" como o "pagode romântico", axé-music e "sertanejo", sobretudo de parte dos medalhões que fazem sucesso desde os anos 1990, vive um complexo de superioridade respaldado pela grande mídia.

Seus ídolos musicais nada fazem de relevante, mas exigem "respeito" pelo que fazem, que nada tem de tão respeitoso assim. Até porque "sertanejos", "pagodeiros" e axézeiros primeiro esnobam a MPB, para depois prestarem reverência. Se recusam a entrar na festa e depois querem fazer parte dela como se fossem os maiores convidados.

A mediocridade musical, o que Ed Motta, de forma coerente, definiu pelo nome de "soda cáustica cultural", é que anda arrogante e seus fãs mais arrogantes e viciados. Afinal, é música não para ser ouvida com atenção, mas trilha sonora para bebedeira.

Os comentários de Ed Motta continuam valendo, uma vez que são notórios os problemas de uma boa parcela de brasileiros que pensa que aprecia música mas ouve os "sucessos" qualquer nota. Não têm a menor ideia do que é um concerto musical e não entendem o processo de músicos se concentrarem para um entrosamento instrumental de boas melodias e arranjos bem feitos.

Daí os "coxinhas" que acham que o brega-popularesco é a "melhor coisa do mundo". Arrumam mil desculpas para atribuir "superioridade artística" a seus ídolos e, quando não conseguem argumentar, partem para a xingação.

É certo que os "coxinhas" conseguiram "fritar" Ed Motta. Mas é certo, também, que os fãs da "soda cáustica musical" é que estão devendo uma grande desculpa porque eles também agem com muita arrogância. Que eles curtam seus sucessos do "axé, sertanejo e pagode", que curtam. Mas que eles não digam que se trata de música de qualidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…