Pular para o conteúdo principal

GRANDE MÍDIA TENTA ABAFAR DECADÊNCIA DO BBB 15

A INTEGRANTE DO BBB 15, ALINE GOTHSALG.

O Big Brother Brasil está decadente, perdendo audiência e cartaz. Mas a grande mídia tenta reverter a situação, tentando abafar a crise do BBB (pelo menos a tempo de renovar mais uma temporada e empurrá-la goela abaixo no próximo ano) e criando uma verdadeira indústria de matérias pagas tentando transformar seus integrantes em "famosos" de qualquer jeito.

Tendo encerrado a edição 15 do programa, na semana passada, o que se viu nas páginas de celebridades brasileiras foi uma enxurrada de notas sobre essas subcelebridades, com direito até ao "celibato" das integrantes Aline Gothsalg e Amanda Djehdian, que devem vir com namoros-relâmpagos num país em que as melhores mulheres "carregam casamento" com empresários e profissionais liberais.

E haja presença dos "brothers" e "sisters" em eventos de axé-music, "pagode romântico" e "sertanejo", ritmos cada vez mais decadentes, mas tomados de uma assustadora megalomania, de um estarrecedor complexo de superioridade, recentemente realimentado pela polêmica com o cantor Ed Motta.

Comparando os portais de celebridades daqui e dos EUA, como, por exemplo, O Fuxico e Just Jared, dá para ver uma grande diferença. Lá fora, se falava do fim do seriado Mad Men e do início da nova temporada de Game of Thrones, e aqui se falava do fim do Big Brother Brasil 15 - não seria melhor criarmos passeatas pedindo "Fora BBB!"? - e da exaltação de suas "celebridades".

Mesmo quando a festa de encerramento do BBB 15 contava apenas com a participação da Mulher Maçã e alguns chefões do jogo-do-bicho carioca, a mídia de celebridades no Brasil não se intimidou e resolveu capitalizar em uma enxurrada de matérias pagas sobre as nulidades dos que participaram da competição.

Dá dó ver as páginas sobre famosos no Brasil. Aqui o pessoal fica brincando de tecnologia, como caipiras que acabaram de ver um disco voador no céu. A moda virou um tal de dubmash, um aplicativo que faz a pessoa ter voz de outro, como em dublagem. totalmente sem graça.

Também é constrangedor ver algumas "boazudas" fazendo poses sem graça de pé, nos seus quartos, com biquíni e celular na mão para se autofotografarem. Recentemente, Veridiana Freitas foi vista com uma dessas poses, em pé se contemplando no celular. Poses insossas e um tanto bregas, embora a mídia atribua alguma "sensualidade".

Francamente, Maisie Williams com roupa de menino nas antigas temporadas de Game of Thrones, seduz muito mais. Se bem que, na vida real, a intérprete da Arya Stark surpreende, e muuuiiiiitooooo, na capacidade de seduzir. Alguém viu suas coreografias durante as apresentações de seu grupo de dança? E, não bastasse isso, Maisie é uma gatona e muito, muito feminina e graciosa.

Cerca de 60% do que os portais de celebridades no Brasil publicam é de subcelebridades. Gente que não tem o que dizer, que não tem o que fazer, mas que quer aparecer a vida toda, que não dá para alguém não arrancar os cabelos quando, de repente, morre um José Wilker.

Para piorar, a polêmica de Ed Motta ainda fez ferver os egos megalomaníacos dos fãs de "pagode, axé e sertanejo" cujos ídolos musicais demoram 20 anos para ter alguma noção de suas carreiras e, mesmo assim, só parasitam a MPB com pastiches e arremedos que causariam vergonha a quem tem um mínimo de neurônios em perfeito funcionamento.

A mídia brasileira é muito provinciana. Dá pena. Deslumbramento tecnológico, espetáculo brega-popularesco, valorização de nulidades. Brasil ainda bairrista, que acha que vai comandar o mundo assim, com uma cultura deficitária e problemática e uma realidade ainda muito acomodada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…