Pular para o conteúdo principal

CHUVA EM SALVADOR APELA PARA DESFAVELIZAÇÃO E REFORMAS NO SISTEMA DE SANEAMENTO E ESGOTO


As chuvas que aconteceram recentemente em Salvador, que incluíram o deslizamento de uma área em Bom Juá, bairro localizado junto ao entorno do Retiro e de parte da rodovia BR-324 (Salvador-Feira de Santana), causando 15 mortes e vários feridos e desabrigados, põem a sociedade a pensar.

Bom Juá viveu outras tragédias semelhantes, e a cidade de Salvador várias vezes sofre intensos alagamentos toda vez que ocorrem chuvas como esta. Já vi áreas do Stiep, Vasco da Gama, Bonocô e Bonfim seriamente atingidas por alagamentos. Até o Hospital Santo Antônio, um dos legados de Irmã Dulce, foi lamentavelmente castigado pelas águas.

O problema em Salvador não é único no Brasil. E muito comum em várias cidades. Mesmo Niterói sofre os mesmos problemas com chuvas intensas, há cinco anos houve o deslizamento do Morro do Bumba, no entorno de Viçoso Jardim, e 53 pessoas morreram. Áreas como o Jardim Icaraí, a Av. Ari Parreiras e até o Centro sofrem com alagamentos.

Dois malefícios contribuem para isso. Primeiro, é o sistema de saneamento e esgoto que ainda precisam ser reformados, já que seus padrões ainda são antigos, a estrutura existente não permite o escoamento de água nem de esgoto. Canais transbordam a cada temporal, e isso causa muitos transtornos para a população.

A desfavelização com o aproveitamento racional de áreas ociosas ou de prédios ou apartamentos inutilizados para transferir os favelados para residências novas ou inutilizadas deveria ser uma das prioridades dos políticos, que se preocupam mais com a atitude nociva de querer fardar ônibus e botar os logotipos de seus governos, sob a desculpa de dividir pintura com consórcios, áreas ou serviços.

É como uma criança que brinca de carrinho, cola adesivo neles e esquece de fazer o dever de aula. E é irritante saber que as autoridades discursem dando a impressão de que farão tudo e que apreciarão sugestões e críticas, como se eles garantissem que cumprirão amanhã aquilo que deveriam ter feito ontem.

A desfavelização é o imperativo da reestruturação urbana das cidades. É substituir cautelosamente as casas improvisadas que correspondem à "terceirização da Moradia", por casas populares ou ocupação em apartamentos vazios ou prédios ociosos.

Isso não se dá apenas pelo espetáculo demagógico dos condomínios populares que só servem para "lavar dinheiro sujo" de empreiteiras. É preciso que se criem um plano permanente de deslocamento dos moradores das favelas para novas construções ou prédios ociosos, demolindo as áreas de favelas para nelas criarem novos espaços urbanos.

Poderia haver um deslocamento inteligente, construindo novos prédios em áreas ociosas, e transferindo os moradores de determinadas áreas, que seriam demolidas. Em muitos casos, haverá economia de espaço, porque cinco prédios de cinco andares correspondem a uma média de dois quarteirões de favelas.

A desfavelização também seria uma forma de permitir o reflorestamento, o que criaria uma reestruturação ecológica que iria refletir na temperatura e criar um maior equilíbrio meteorológico, com a recuperação do meio ambiente afetado pela construção de favelas.

A desfavelização e a reestruturação do saneamento e do esgoto são cruciais para que as cidades evitem transtornos como os causados pelas fortes chuvas e que tantas tragédias causam. E isso tem que ser prioridade e não conversa mole de propaganda política.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…