Pular para o conteúdo principal

INTELECTUALIDADE "BACANA" SABOTOU DEBATES CULTURAIS DE ESQUERDA


As esquerdas já começam a reclamar dos vícios da intelectualidade dominante. O sociólogo Jessé de Souza, presidente do Instituto de Pesquisas Econômicas Avançadas (IPEA), em seu livro A Tolice da Inteligência Brasileira, reprova a inclinação das elites pensantes para o mercado, em detrimento da consciência da desigualdade social reinante.

Já Frei Betto, um dos fundadores brasileiros da Teologia da Libertação, alerta pelo fato de que, no Brasil, não se trabalhou para a conscientização política e a inclusão das classes populares no debate público, que se tornou privativo de sindicalistas e ativistas progressistas de diversos tipos.

Durante anos tivemos o domínio de uma geração de intelectuais "provocativos" que se diziam "sem preconceitos", mas tinham sérios preconceitos sociais, muitas vezes cruéis. Eles vinham com muito cinismo dizer que a favela é "linda", a prostituição é "bacana", as baixarias são "divertidas" e a pobreza é "maravilhosa", e não mediam escrúpulos para tentar convencer a opinião pública.

Era uma geração de intelectuais que queria a bregalização do país e se formou ideologicamente durante os períodos de Fernando Collor e Fernando Henrique Cardoso. Pessoas que aprenderam a entender a "cultura popular" sob os olhos preconceituosos do mercado, mas que, por um acidente de percurso, se ascenderam no surgimento da Era Lula.

Aí eles tinham que se passar por "esquerdistas". Paulo César Araújo, Pedro Alexandre Sanches, Milton Moura, Eugênio Raggi, Denise Garcia, a patota toda. Seu jeito "Instituto Millenium" de pensar a cultura tinha que adotar um verniz "progressista" e, como um IPES-IBAD pós-tropicalista, eles tinham que adotar até um suporte "científico", com reportagens "sérias", monografias e documentários.

Todo mundo veio dos porões ideológicos da grande mídia, do PSDB, dos colegiados tecnocráticos do neoliberalismo, mas decidiu vender a falsa imagem de "esquerdista" para impedir o avanço dos debates públicos.

E aí, essa inteligentzia tão empenhada em vender o "mau gosto" como se fosse uma "causa libertária" foi beneficiada pela alta visibilidade e, em pouco mais de uma década, eles tentaram defender os chamados "sucessos do povão" como se fosse "a verdadeira cultura popular". Criaram toda uma série de discursos persuasivos para fazer prevalecer suas visões equivocadas e delirantes.

E isso foi feito sem que houvesse um opositor com a mesma visibilidade. que contestasse o que a intelectualidade dita "mais legal do país", que prometia fazer dos fenômenos midiáticos popularescos o "folclore respeitável de amanhã", pregava em diversos espaços da mídia e da opinião pública.

Pior: abençoados pela grande mídia, eles faziam o serviço free lancer para os barões da grande mídia, sem admitir esse vínculo nem exercê-lo de maneira formal. Pelo contrário, um Pedro Alexandre Sanches transmitia seus "nada preconceituosos" preconceitos trazidos da Folha de São Paulo, para seus "passeios" pelas redações da mídia esquerdista.

De vez em quando eles faziam falsos ataques aos ícones reacionários da moda, como a revista Veja, Aécio Neves, o deputado Eduardo Cunha, a jornalista Eliane Cantanhede, o roqueiro Lobão e o humorista Marcelo Tas, em comentários forçados e palavras prontas, reproduzindo como papagaios o que os intelectuais progressistas autênticos lançavam em seus textos.

É até curioso que Chico Buarque, tão hostilizado por Sanches, tenha tido um bate-boca com direitistas quando o Farofafá entrava em férias. o que poupou os farofafeiros de encarar o impasse de estarem do lado de uma dupla de "coxinhas" da alta sociedade, traindo seu "esquerdismo de fachada".

Pois o que se observa é que muitos preconceitos sociais foram expressos por essa intelectualidade "sem preconceitos", que revelam um gritante elitismo e um julgamento de valor que impunha a miséria, a pobreza e a ignorância que o povo pobre não queria viver mas que a intelectualidade "bacana" achava "bonito" e "admirável".

Alguns mitos podem agora serem questionados, com a distância do tempo e sem o choque que esquerdistas autênticos tiveram ao verem seus "amigos" da intelectualidade "cultural" lhes apunhalando pelas costas. Vamos lá:

1) "RUPTURA DE PRECONCEITO" - Esta ideia já carrega uma carga enorme de preconceito, porque a intelectualidade preferia que aceitássemos a bregalização cultural de forma pré-concebida (sem saber direito o que se trata) do que a rejeitarmos de maneira justificada e consciente.

2) "EXPRESSÃO DAS PERIFERIAS" - Em primeiro lugar, a ideia de "periferia" é exportada das teses neoliberais de Fernando Henrique Cardoso sobre desenvolvimento e subdesenvolvimento. Em segundo, porque não se pode creditar como expressão natural das classes populares um modelo de entretenimento "popular" trazido pelo mercado e pelo poder midiático.

3) "NÃO EXISTE CONFLITOS DE CLASSES NA CULTURA 'POPULAR DEMAIS'" - O brega-popularesco, como efeito da politicagem nas concessões de rádio e TV do governo Sarney, que desenhou a mídia neocoronelista dos anos 90, representa os interesses dos grandes proprietários de terras e de meios de produção sobre as classes populares. Pessoas vindas das classes populares eram contratadas, mas elas faziam o jogo de interesses do empresariado, dos rentistas, "coronéis" rurais e barões da mídia.

4) "A FAVELA É UM LUGAR MARAVILHOSO" - Os favelados merecem respeito, mas não a favela, que é um espaço injustamente concebido por causa da exclusão imobiliária das classes populares. As favelas são construções problemáticas, caóticas e improvisadas, com várias áreas de risco e sem o menor conforto. Portanto, não faz sentido criar um ufanismo das favelas e investir em jargões hipócritas como "eu sou favela" e "a favela é meu lugar".

5) "VIVA A PROSTITUIÇÃO E A LIBERDADE DO CORPO" - Enquanto lá fora prostituição é considerado um problema, a intelectualidade "bacana" brasileira fez de tudo para fixar essa atividade, geralmente provisória, na vida das mulheres pobres. Não adianta as mulheres pobres dizerem que querem ser professoras, servidoras, advogadas etc, porque a intelligentzia cinicamente vai definir como "higienismo" (sic). Defender a prostituição como "ofício permanente" é garantir o recreio dos ricos investidores solteiros. Além do mais, há a figura tirânica dos cafetões.

Quanto à "liberdade do corpo", que faz certas mulheres grotescamente siliconadas "mostrarem demais" (transformando seus corpos em mercadorias de consumo de machistas vorazes), isso é tão ridículo quanto os "revoltados" de direita na Internet. E de que adianta liberdade do corpo se não há a liberdade da alma e o erotismo acaba escravizando a vida de certas mulheres?

6) "AUTOSSUFICIÊNCIA DAS PERIFERIAS" - Como dizer que as classes populares vivem uma prosperidade econômica se esse papo de "autossuficiência" corresponde tão somente ao enriquecimento financeiro dos empresários desse entretenimento pseudo-popular? O povo continua na pindaíba, só gasta dinheiro para consumir os tais "sucessos do momento", dando grana para os "pobrezinhos" empresários da breguice cultural.

7) "EXECUTIVOS E GERENTES DE RÁDIO SÃO REPRESENTANTES DO POVO" - Os gerentes artísticos, erroneamente tidos como "divulgadores das periferias", são funcionários de rádios tidas como "muito populares", mas que são controladas por oligarquias empresariais, sejam aristocratas regionais, deputados locais ou latifundiários. Executivos de rádio, em posições acima do gerente (cargo este que coordena a programação), também estão a serviço desses donos de rádio. Portanto, eles representam o poder midiático local, não as classes populares da região.

8) "A BREGALIZAÇÃO É MARAVILHOSA PORQUE É UM DESAFIO AO BOM GOSTO" - A ideia do "mau gosto" como pretensa causa libertária da cultura popular é um discurso hipócrita, porque atribui ao povo pobre as piores qualidades. É um dos piores preconceitos existentes na intelectualidade dita "sem preconceitos".

9) "O POVO DÁ MOSTRA DE ATIVISMO INDO PARA AS CASAS NOTURNAS VER OS 'SUCESSOS DO POVÃO'" - Esse discurso dominou principalmente no "funk", mas era constante também no "pagodão" baiano e no "forró eletrônico". Pessoas indo para consumir os sucessos do momento se dirigindo que nem gado a um galpão de espetáculos. Para a intelectualidade "bacana" isso era "ativismo". "Melhor" do que lutar por qualidade de vida, por um pedaço de terra e pelo fim das desigualdades sociais, não é?

10) "MULHERES DO SUBÚRBIO SÃO FEMINISTAS PORQUE VÃO E VÊM DE CASAS NOTURNAS SEM A COMPANHIA DE HOMENS" - Isso é papo furado. Ninguém é feminista porque anda desacompanhado. Pensar assim soa simplório e equivocado. Pior é que quem lançou essa ideia tola foi o falecido antropólogo baiano Roberto Albergaria, que junto com Milton Moura eram entusiastas locais da bregalização.

E, elitista, Albergaria ainda lançou a tese da "autoesculhambação" como se o povo pobre gostasse de se ridicularizar, o que é uma visão desrespeitosa e do mais abjeto cinismo expressa por intelectuais que se diziam "amigos do povo" e "legítimos defensores da cultura popular".

Além do mais, torna-se um "bom gosto" às avessas, no sentido de estabelecer um padrão dominante e uma estética rigidamente nivelada por baixo. O brega e o "funk" mostram que esse universo musical é esteticamente mais rígido e inflexível do que a "caretona" MPB.

CONCLUSÃO: Com estas observações, a intelectualidade que defendia a bregalização cultural do país e que se julgava "mais povo que o povo" deu um tiro no pé e, com o tempo, nem a alta visibilidade pôde sustentar suas reputações duvidosas. No fim suas ideias equivocadas vão sendo analisadas e questionadas e a "ditabranda do mau gosto" passa a se revelar uma farsa.

Mas aí os intelectuais já quebraram a vidraça e fugiram e, com esse papo, empastelaram o debate cultural das esquerdas, que ficou comprometido e hoje recomeça do zero. Enquanto isso, a opinião pública se sentiu lesada ao dar ouvidos a intelectuais que preferiam ver um povo transformado em uma massa de retardados do que lutando por melhorias de vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

PARAÍSO DO TUIUTI: VICE COM SABOR DE PRIMEIRO LUGAR

A apuração do Carnaval 2018 de hoje foi diferente da de antes.

Não se tratava de um mero rodízio de medalhões dos desfiles, como as grandes escolas de samba mais conhecidas.

Trata-se de um "duelo" entre a favorita da Rede Globo, a Beija-Flor de Nilópolis, e a Paraíso do Tuiuti, a mais popular.

Evidentemente, a plutocracia vibrou com a vitória da escola de samba da Baixada Fluminense.

Mas a Tuiuti teve, no vice-campeonato, um sabor extra de vitória.

Em 2017, a escola de São Cristóvão, bairro carioca, teve um carro alegórico acidentado, matando uma pessoa, a jornalista e radialista Elizabeth Ferreira Jofre, a Liza Carioca, e ferindo 19.

E, em tempos temerosos, lançou um samba-enredo de risco, com o desfile criado pelo carnavalesco Jack Vasconcelos.

O tema era a escravidão, com o título "Meu Deus, Meu Deus, Está Extinta a Escravidão?".

Por ironia, um dos autores do enredo, o sambista Moacyr Luz, foi assaltado quando se dirigia à Marquês de Sapucaí. O aumento dos assa…

UM ANO APÓS O FIM DA MPB FM, RÁDIOS ADULTAS NÃO COMPENSARAM LACUNA DEIXADA PELA EMISSORA

CARTAZ DA RÁDIO JB FM, QUE, VERGONHOSAMENTE, TOCA MAIS MÚSICA ESTRANGEIRA QUE BRASILEIRA, O QUE DEVERIA SER O CONTRÁRIO.

Muitas pessoas estão preocupadas com a decadência sócio-cultural do Rio de Janeiro em todos os aspectos.

Antes um importante pólo cultural, o Rio de Janeiro sucumbiu ao comercialismo, à mesmice e até mesmo à indigência cultural.

Se surgiu a aberração do roqueiro que, não bastasse ouvir só os greatest hits, é capaz de ser fã de certas bandas por causa de uma música só - os tais "fãs de uma só música", rebaixando bandas seminais como AC/DC a one-hit wonders - , então a coisa é grave.

Se o Rio de Janeiro hoje é mais receptivo ao "sertanejo" que ao rock alternativo, a coisa é mais grave ainda.

E aí temos o fato de que passou-se pouco mais de um ano após o fim da MPB FM, única rádio dedicada à música brasileira de qualidade.

Nenhuma rádio de pop adulto conseguiu suprir de forma definitiva a carência de MPB na programação radiofônica.

Em vez de duas mú…

A PEGADINHA DA MÚSICA DE LÉO SANTANA NAS ESQUERDAS

Infelizmente, as esquerdas ficam complacentes com o tal "popular demais" da música brega-popularesca.

Acham que um simples sucesso radiofônico pode significar uma "revolução bolivariana" que vai levar Lula para a Presidência da República nas próximas eleições.

Superestimam a presença de um grande público de negros, mestiços, pobres e LGBT na plateia, como se isso em si fosse uma revolução socialista. Mas não é.

Quem é que não garante que aquelas plateias superlotadas só estão ali por consumismo e seguem as "ordens" da rádio FM mais ouvida, "popular" mas oligárquica?

Uma pegadinha recente fez os petistas "pirarem", nesses tempos carnavalescos que ora se encerram.

O cantor Léo Santana, no seu trio elétrico, foi cantar uma música chamada "Vai dar PT".

"Vai dar PT, vai dar / Vai dar PT, vai dar", foi o refrão contagioso.

Aí as esquerdas morderam a isca. De repente Léo Santana virou cabo eleitoral de Lula. Correto?

Não.…

O "FUNK" QUE FORJA POLÊMICAS À TOA PARA GARANTIR AÇÃO DA PLUTOCRACIA

Mesmo vivo, Cabo Anselmo tornou-se um fantasma, que se encarnou no "funk".

Toda vez que o cenário político plutocrata, vigente desde 2016, entra numa grave crise, o "funk" entra em ação para forjar pretensa polêmica.

Algo que Anselmo fazia em 1963-1964.

Se apropriavam de pautas esquerdistas para, como movimentos "alienígenas", desviarem o debate para fora de questões importantes.

Foi no caso das reformas de base do governo João Goulart, no qual o desvio de foco foram as pautas justas, mas secundárias, dos militares de baixa patente.

Agora é a questão comportamental do "funk", a ditabranda do mau gosto, a glamourização da pobreza.

E, junto a isso, vem o discurso dos intelectuais "bacanas", uma parcela de intelectuais que faz apologia ao que eles chamam de "popular demais".

Esses intelectuais são de classe média, tão elitistas como o Movimento Brasil Livre, mas se acham "de esquerda" (embora falem mal da esquerda o t…

LUCIANO HUCK NÃO VAI SE CANDIDATAR À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Aparentemente, Luciano Huck desistiu de ser candidato à Presidência da República.

Até o fechamento deste texto, ele não havia dado um comunicado oficial, mas antecipou esta posição à jornalista Sônia Racy, colunista de O Estado de São Paulo.

Huck recusou-se a comentar sobre o assunto. "Preciso digerir a decisão", afirmou o apresentador.

Na coluna de Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, veio a notícia de que Huck está muito triste com a desistência.

"Vou ali chorar um pouquinho e já volto", disse Huck aos amigos, segundo nota na coluna.

Com a desistência, também perde efeito o processo do PT contra Huck, Fausto Silva e a Rede Globo, por conta de uma entrevista com o apresentador e Angélica que sugeriu propaganda política subliminar e antecipada.

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral, Napoleão Nunes Maia, considerou que o apresentador declarou não ter intenção de concorrer à Presidência da República e por isso arquivou o processo movido pelo senador Lindbergh …

INTERVENÇÃO NO RIO AGRAVA A CRISE DO GOVERNO MICHEL TEMER

Michel Temer é um grande canastrão político.

Não tem competência nem representatividade para governar o país, só lançou ideias retrógradas e provocou inúmeras confusões.

É um verdadeiro canastrão, com pinta de ator no papel de vampiro de filmes B.

Afinal, Temer não tem o talento de um Bela Lugosi, a quem é muito comparado na aparência.

Temer é canastrão demais. No papel de estadista, chega a ser insuportável no seu orgulho de ser impopular.

Pois ele agora, vendo seu mandato-tampão chegar ao fim, precisa deixar um "grande legado".

Ele seria o último ato da trilogia "econômica" de sua "Ponte para o Futuro", na verdade uma "pinguela para o passado".

A reforma da Previdência, que iria completar a reforma trabalhista e o corte de verbas públicas nessa trágica trilogia "contra a recessão", que na prática é contra os trabalhadores, está emperrada.

Há risco da tal reforma, na verdade uma deforma, não poder sair. Ficará mofando junto com a Cri…

PARAÍSO DO TUIUTI FEZ O RÉQUIEM DO GOVERNO MICHEL TEMER

Domingo foi um Carnaval bastante festivo, mas até que relativamente mais alegre do que se esperaria nesse ano sombrio de 2018.

Fora os arrastões, assaltos e outros incidentes registrados, pelo menos, no Rio de Janeiro e Niterói - pelo menos é o que eu consultei na mídia, deve haver atos assim em outras cidades - , o Carnaval esteve bastante alegre.

No Carnaval carioca, nota-se a repercussão que se deu no Grêmio Recreativo Escola de Samba Acadêmicos do Tuiuti, escola de samba sediada no bairro carioca de São Cristóvão.

O enredo se chama "Meu Deus, Meu Deus, Está Extinta a Escravidão?", de autoria de Cláudio Russo, Anibal, Jurandir, Moacyr Luz e Zezé.

As alegorias e fantasias foram feitas pelo carnavalesco Jack Vasconcelos.

Seu enredo aparentemente, falava apenas de escravidão, descrevendo seu histórico transformado em letras de música, alegorias e encenações.


Havia desde representação de escravos amarrados e açoitados até pessoas "vestindo" a fantasia da Carteira d…

ZECA PAGODINHO DESMASCAROU JOÃO DÓRIA JR. NESTE CARNAVAL LOUCO DE 2018

JOÃO DÓRIA JR. SENDO INDELICADO COM O EXPERIENTE SAMBISTA.

Neste Carnaval de 2018, marcado pela consagração do ultracomercialismo musical (com direito a Ivete Sangalo dando a luz a gêmeas), o ano de 2017 tende a se encerrar oficialmente daqui a poucos dias.

Mas, até lá, a música brasileira autêntica foi envolvida em três notícias, uma delas boa e outras duas, terríveis.

Uma é que João Marcelo Bôscoli, o filho de Elis Regina e Ronaldo Bôscoli, vai fazer um programa de MPB na Rádio Globo "AM" em FM. O programa se chama Em Cartaz.

O horário é meio ingrato, todo domingo, de 23 horas à meia-noite, mas é um esforço significativo para suprir a falta de espaços para a música brasileira na programação radiofônica.

Curiosamente, é um horário onde deveriam estar confinados os flash backs estrangeiros que se repetem nas rádios de pop adulto, apagando da memória o contexto original das épocas em que as músicas foram gravadas.

Para quem não sabe, não há mais como ver sucessos de Christoph…