Pular para o conteúdo principal

LIVRO SOBRE PROGRAMAS DE TV COMETE ERRO DE CRITÉRIO SOBRE SERIADO BRASILEIRO


É uma brilhante ideia, partida do editor estadunidense Paul Condon, em enumerar 1001 itens de alguma temática que são recomendáveis para as pessoas. Há sobre músicas, discos, filmes, jogos eletrônicos, entre outros, e, recentemente, foi lançado o volume sobre Programas de TV.

A série "1001 itens que você deve apreciar antes de morrer", no volume intitulado 1001 Programas de TV Que Você Deve Assistir Antes de Morrer é muito brilhante. Enumera de seriados a programas de entrevistas, fazendo um grande levantamento histórico dos mesmos.

Algumas atrações brasileiras são mencionadas. Há a citação da novela Sua Vida Me Pertence, de 1952, primeira novela da televisão brasileira, produzida e exibida pela TV Tupi de São Paulo. Era uma época sem videoteipe e, por isso, tinha que se ter um mínimo de cautela possível para fazer uma performance exemplar, o que nem sempre acontecia, devido a diversos problemas, sobretudo técnicos.

Como em todo volume, há um apanhado de várias décadas e alguns seriados com temporadas recentes, como o britânico Doctor Who, são incluídos nas respectivas décadas originais (no caso, a de 1960). Foi aí que ocorreu uma falha de critério.

A publicação menciona o seriado A Grande Família, da Rede Globo, mas o inclui na década de 2000. É certo que foi a versão mais duradoura e mais conhecida, sobretudo pelas gerações mais recentes, mas, pelo critério do volume, a série deveria estar enquadrada na década de 1970.

Os editores do livro não se lembraram que o seriado foi originalmente criado em 1972, pelos falecidos Oduvaldo Vianna Filho (morto em 1974 com o seriado ainda em exibição), Paulo Pontes (morto dois anos após Vianinha) e Armando Costa (morto em 1984) e que havia sido sucesso na época.

Portanto, em que pese a nova versão não ser necessariamente uma "nova temporada" da anterior, há uma ligação óbvia entre eles, o que indica que o item A Grande Família do livro dos 1001 programas de TV deveria ter sido enquadrado na década de 1970, com um breve histórico da produção original (citando que Vianinha foi, além de dramaturgo, ativista cultural).

Fora esse lapso, o livro é muito bem feito e as informações muito interessantes que garantem uma leitura prazerosa e esclarecedora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…