Pular para o conteúdo principal

APESAR DO 'MARKETING' AMBICIOSO, 89 FM NÃO É OUVIDA POR 'HEADBANGERS'

FÃS DO GUITARRISTA YNGWIE MALMSTEEN, POR EXEMPLO, NEM CHEGAM PERTO DAS ONDAS DA 89 FM. DA RÁDIO CIDADE, MUITO MENOS.

Já rola uma propaganda para mais uma edição brasileira do festival Monsters of Rock, a acontecer na Arena Anhembi, em São Paulo, nos dias 25 e 26 de abril próximos. O evento contará com a nata do rock pesado mundial, como Ozzy Osbourne, Kiss, Manowar, Yngwie Malmsteen, Judas Priest, Accept, entre outros.

Os anúncios do evento já são divulgados, e o logotipo oportunista da rádio 89 FM tenta enganar o público roqueiro, como se a 89 tivesse alguma identificação com as várias tendências do rock, isso tendo locutores que parecem terem saído de testes fracassados para o futuro palhaço Bozo.

O que os executivos da 89 FM - e, por conseguinte, da carioca Rádio Cidade - desconhecem é que o público headbanger não ouve essas rádios. Exigente e desconfiado, o público mal consegue chegar perto do programa do Andreas Kisser, porque até ele tem que se limitar à cartilha da 89 de só tocar o que é previsível e vinculado aos lançamentos da indústria fonográfica.

O público headbanger - longe de ser os "metaleiros" estereotipados que comem fetos mortos em latas de lixo e bebem sangue de defuntos - não ouve essas rádios porque esse público é tão organizado e unido que procura saber de novidades até antes das duas rádios de "happy rock".

Já é uma grande ilusão dizer que a 89 FM ou a Rádio Cidade "trouxeram" a banda tal ou qual, porque o que elas fazem é um mero contrato com a casa de eventos e uma parceria com a empresa promotora de festivais.

Há casos em que as duas "rádios roque" patrocinam na cabra-cega, como indicou a constrangedora marca da Rádio Cidade num cartaz promocional da vinda do grupo Wishbone Ash ao Brasil, em 2003. Os caras da Cidade nem sabiam o que de fato era a banda, só patrocinaram porque o contrato era com a casa de eventos, sem qualquer compromisso com a banda.

Os ouvintes de heavy metal, como os de outras tendências sérias do rock, não estão ouvindo a 89 FM e a Rádio Cidade, que, pelo jeito, voltaram piores do que haviam sido em 2006. As duas rádios até agora só "comeram" o público de rádios pop, pelo simples aspecto da "novidade" e pela obsessão de alguns rapazes brochas de se passar por "roqueirões" para impressionar a mulherada.

O público de rock não quer perder tempo com esse "radialismo de matinê", com locutores engraçadinhos fazendo piada e achando que futebol é esporte rock'n'roll, só porque Neymar um dia usou penteado punk. Mas Neymar, assim como 99,99% dos jogadores de futebol, nem se interessam por rock.

Daí a situação digna de um Febeapá, com duas "rádios rock" comemorando o sucesso porque arrancaram ouvintes da Nativa ou da Mix FM. Enquanto isso, os verdadeiros fãs de rock, incluindo os headbangers, preferem ouvir webradios estrangeiras e portais de rock do exterior, leem revistas especializadas lá de fora e não precisam de rádios bobalhonas para estar a par de coisa alguma.

Essa é a verdade. Ou será que a 89 FM e a Rádio Cidade pensam que os fãs de heavy metal se comportam como nas comédias adolescentes da Disney?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…