Pular para o conteúdo principal

CHLOE GRACE MORETZ FAZ SEU DIFERENCIAL, LÁ FORA. JÁ NO BRASIL...


Mais uma prova do provincianismo pseudo-modernoso do Brasil, cada vez mais reduzido a uma roça que pensa que vai mandar no mundo e que virou o paraíso da libertinagem, da pornografia e da corrupção.

Comparamos duas declarações, a primeira, de uma sub-celebridade brasileira de 41 anos, com filha crescida e tudo, e uma atriz norte-americana de 18 anos, e ficamos estarrecidos como a atriz mais jovem, há pouco associada ao universo infanto-juvenil, dá um banho de coerência.

Vamos primeiro para o pior. A sub-celebridade em questão, Solange Gomes, em mais uma de suas exibições físicas, dá uma declaração infeliz que mostra o seu narcisismo, sem ter outra coisa que fazer na vida.

Solange mostrou uma foto "sensual" no Insagram na qual postou o seguinte comentário, provavelmente dito a um internauta: "Eu ia até te bloquear, mas vou permitir você continuar apreciando minhas alegrias, minhas vitórias e claro meu corpinho também (risos) para que eu continue firme e forte fazendo parte dos seus sonhos!".

Já Chloe Grace Moretz, a atriz de 18 anos conhecida por filmes como A Invenção de Hugo Cabret, Kick Ass 1 e 2 e Se Eu Ficar, deu uma declaração coerente para as adolescentes que desejarem entrar no mundo da fama. Vejamos o que ela disse:

"Não leve (como ideais de vida), sabe, as campanhas da Nike ou da Victoria's Secret, a achar que que você precisa de seios grandes ou de um traseiro melhor desenhado, ou que você precisa, sabe, de barrigas torneadas ou coisa parecida.

Seja feliz sendo você mesma e aprecie suas inseguranças. Porque, quando você crescer, acho que isso fará você ser você mesma. E isso irá fazer você se diferenciar do seu grupo. É isso que minha mãe sempre me falou".

E há quem diga que o Brasil é moderno, com a supremacia dos instintos sobre a razão...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…