Pular para o conteúdo principal

PROFISSIONAIS LIBERAIS NA CASA DOS 60 ANOS E SUA IMATURIDADE


Há tempos se fala de uma geração de empresários, médicos, economistas, advogados e engenheiros que, nascidos nos anos 1950, estão na casa dos 60 anos. Trancados em consultórios e escritórios, eles não viram o mundo de fora mudar, mas acham que seus mundos de dentro mudaram até demais.

E o que se vê nesses homens, que até pouco tempo atrás apareciam nas colunas sociais com suas esposas mais jovens e belíssimas (jornalistas, ex-modelos, atrizes), é seu isolamento num conceito de velhice e maturidade que soa demodê até para suas próprias gerações.

Impressionados demais com seus cabelos brancos, com seus 30 anos de profissão, filhos até na casa dos 35 anos e lhe dando os primeiros netos, essa é a primeira geração de homens "influentes" que "amadurece" sem poder ter o que dizerem, e, à sua maneira "elegante", cometerem também suas gafes.

Eles tentam plagiar o que seus próprios pais foram. Tentam tomar como suas as vivências que na verdade eram de seus patrões e professores. Dessa feita, tentam enganar as novas gerações apresentando como seus referenciais que correspondem a dez ou vinte anos, para não dizer mais, anteriores a quando eles nasceram.

Eles tentam mostrar uma falsa erudição, uma pretensa sofisticação, exibindo um vestuário defasado em quarenta anos. Tentam se apropriar de referenciais mais antigos dos quais fingem se identificarem, mas fazem isso para dar a falsa impressão de que eles são "mais velhos e vividos".

Eles apenas tiveram êxitos profissionais relativamente significativos nos seus ofícios de médicos, empresários, economistas, advogados, executivos. Mas, em vez de serem os faróis das gerações mais jovens, são as lanternas das gerações mais velhas. Até os nascidos em 1953 e 1954 se comportam como se fossem os últimos nascidos nos anos 1940.

O filósofo Sócrates havia criticado, certa vez, a mania de artesões e técnicos que, só por terem uma especialização profissional, se achavam capazes de julgar os segredos seculares da humanidade. Os empresários, executivos e profissionais liberais born in the 50's são a tradução contemporânea e brasileira daquilo que Sócrates havia falado.

Há o caso de um médico de 61 anos com jeitão de granfino e uma compreensão pedante de jazz. Há o de um economista de 62 anos que achava que viver bem era visitar vinícolas no interior da França. Um outro empresário, de 60 anos, dizia que viu Tom Jobim pessoalmente na infância. Outro, de 62 anos, fazia turismos no centro antigo de Roma, algo que já ficou muito banalizado.

Eles não conseguem representar o que os homens nascidos nos anos 1920, por exemplo, representaram, quando poderiam chegar aos 60 anos exibindo sabedoria e experiência de vida, porque eles tinham a seu favor um cenário sócio-cultural e educacional que estimulavam o aprendizado.

A turma da década de 1950 não conseguiu expressar idealismo nas faculdades, porque o cenário político não permitia. Os que viraram empresários, profisisonais liberais e executivos foram mergulhados tão somente a uma formação meramente profissional e técnica, que os lançou no cativeiro de seus escritórios e consultórios.

Agora, eles veem a frustração do tempo lhes escapar das mãos, como um sabonete molhado que escorrega das mãos. Seus cabelos brancos só plantaram um grande ponto de exclamação em suas cabeças. Dois deles já se separaram de suas esposas, porque elas um dia viram que a jovialidade valia mais a pena do que viver de formalidades e eventos de gala ao lado de seus maridos.

Eles pouco têm a nos ensinar. Eles precisam apenas de meia-hora de palestra para dizer algo sobre suas carreiras profissionais, e só, sem se arriscarem a filosofar sobre coisas antigas das quais eles só têm uma compreensão superficial, um passado que eles nem sequer se identificam com naturalidade.

Por isso, em vez deles tentarem entender os anos 1950 que ocorreram à revelia de suas infâncias e as décadas anteriores das quais eles só apreciam pela força das conveniências sociais, eles devessem assumir sua imaturidade.

Esses homens devem perceber que não são eles que darão respostas a seus filhos, mas estes é que devam dar respostas e sugestões para as vidas da confusa gente grisalha que havia sido trancada em consultórios e escritórios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…